Música de Mozart, alimento para o cérebro

A música clássica na infância não só tem um efeito calmante, mas também é benéfica para o desenvolvimento cognitivo. Crianças expostas a obras de Beethoven e Mozart , por exemplo, são mais propensas a apreciar uma gama mais ampla de gêneros musicais nos últimos anos porque desenvolveram mais atenção e concentração. A música clássica também melhora suas habilidades sociais, de comunicação e de escuta ativa.

Em 1993, a psicóloga Frances Rauscher deu um passo além e fez referência pela primeira vez ao “efeito Mozart”, segundo o qual expor os bebês à música clássica aumenta sua inteligência. Essa ideia surgiu de um estudo em que alunos que ouviam música clássica (especificamente a sonata de Mozart para dois pianos (K448)) por 10 minutos antes de resolver um problema de raciocínio espacial se saíram melhor. Especificamente, foi encontrado um aumento médio em seu QI espacial de 8 e 9 pontos.

No entanto, simplesmente ouvir música clássica passivamente não é tão benéfico quanto ensinar uma criança a tocar um instrumento, mesmo que ela não vá se tornar um músico.  Um estudo conduzido quatro anos depois na Universidade de Wisconsin por esses mesmos pesquisadores revelou que crianças pré-escolares de 3 a 4 anos que receberam aulas de piano por seis meses, ao final das quais eram capazes de executar melodias simples de Beethoven e Mozart teve um desempenho 30% melhor em testes de raciocínio espaço-temporal em comparação com aqueles que receberam aulas de informática por 6 meses.

Uma pesquisa mais recente na Universidade de Washington descobriu que bebês de 9 meses que faziam exercícios musicais com seus pais entendiam melhor o ritmo da fala graças à música. Na verdade, a música é um canal de comunicação poderoso que promove as habilidades de comunicação desde a infância.



  • Leave a Comment