Déficit de Atenção, Dicas, Dicas para Educadores

Mitos sobre TDAH que prejudicam as crianças e seus pais


Mitos sobre TDAH que prejudicam as crianças e seus pais: O TDAH é um transtorno muito comum que geralmente é detectado na infância. No entanto, ainda existem muitos mitos que atribuem esse problema aos pais ou a falta de vontade da criança.

Veja 5 dicas para educar uma criança com TDAH

Esses tipos de crenças não têm base científica e apenas servem para rotular a criança ou gerar o sentimento de culpa em seus pais.

Mitos sobre TDAH que prejudicam as crianças e seus pais

TDAH é uma invenção

Muitos acreditam que o TDAH é uma doença que as empresas farmacêuticas inventaram para vender seus medicamentos. No entanto, essa desordem já foi descrita na literatura de 1865. Mais tarde, em 1950, era conhecida como Disfunção Cerebral Mínima e, em 1980, era chamada de Transtorno de Déficit de Atenção.

Por outro lado, os sintomas deste distúrbio são semelhantes em diferentes culturas, e sua taxa de incidência também é bastante semelhante. Na verdade, foi apreciado que as pessoas com TDAH que não recebem tratamento tendem a desenvolver empregos abaixo de seus meios, progridem menos profissionalmente e têm maior risco de uso de drogas, independentemente da cultura e do status socioeconômico.

TDAH é a culpa dos pais

O TDAH é uma desordem do desenvolvimento neurológico, o que significa que, em muitos casos, há uma carga genética e que, na sua base, há uma química cerebral diferente, que condiciona as funções psíquicas superiores. Na verdade, essas mudanças afetam a capacidade da criança para regular sua atenção, seu nível de atividade e seus impulsos. Portanto, não é uma desordem causada por “educação ruim”, embora seja verdade que a falta de regras em casa e certas situações, como um divórcio traumático ou a chegada de um novo irmão, podem agravar os sintomas.

TDAH desaparece na adolescência

TDAH não é uma característica evolutiva, portanto, nem sempre desaparece na adolescência e nem mesmo na idade adulta. As estatísticas indicam que um terço das crianças com TDAH não terá esse problema na adolescência, mas outro terceiro continuará a sofrer TDAH na idade adulta. O que acontece em muitos casos é que os sintomas diminuem com a passagem do tempo, sendo menos visíveis. Por exemplo, uma criança inquieta que corre de um lado para outro, quando crescer pode canalizar essa inquietação tocando as mãos ou os pés nervosamente. Além disso, com o tratamento adequado, muitas pessoas aprendem a coexistir com impulsividade e negligenciar o desenvolvimento de estratégias mais eficazes e adaptativas.

O TDAH afeta apenas crianças

Muitas pessoas acreditam que o TDAH é um problema exclusivo para as crianças. No entanto, o que acontece é que os sintomas das meninas tendem a ser menos impressionantes, pois geralmente é simplesmente uma questão de falta de atenção e não hiperatividade. Por outro lado , o TDAH em crianças geralmente está associado a comportamentos negativos e desafiadores, de modo que a imagem é mais marcante e os pais ou professores geralmente pedem ajuda especializada com mais freqüência. Pelo contrário, nas meninas, o TDAH tem sido associado a sintomas depressivos e, em alguns casos, nem sequer há transtornos de aprendizagem, pelo menos até 10 anos de idade. É por isso que muitos casos de TDAH em meninas nem sequer são diagnosticados.

As drogas para tratar o TDAH são prejudiciais

Muitos pais pensam que é melhor primeiro recorrer a terapia psicológica e, se não funcionar, use medicamentos. Na base dessa crença reside o medo de que as drogas sejam perigosas. No entanto, a verdade é que, em muitos casos, o tratamento psicológico e a intervenção familiar e escolar não são suficientes para lidar com o TDAH, e é necessário recorrer a drogas , que servem para equilibrar os níveis de neurotransmissores como a noradrenalina e dopamina

Isso significa que, embora o tratamento do TDAH nunca seja limitado exclusivamente à medicação, há casos em que isso seja necessário. Na verdade, atualmente , existem diferentes medicamentos cuja eficácia e segurança foram comprovadas e, embora seja verdade que elas podem ter efeitos adversos, estas são mínimas em comparação com os benefícios que relatam.

Confira também: Tratamento farmacológico para TDAH

Crianças com TDAH são apenas preguiçosas

Muitas pessoas pensam que o TDAH é apenas uma questão de preguiça e falta de vontade. No entanto, os pais de uma criança com TDAH sabem que, em muitos casos, embora a criança tente muito, é difícil, se não impossível, permanecer focado por longos períodos de tempo ou controlar sua impulsividade.

É importante ter em mente que tanto o nível de ativação quanto a atenção são processos neurológicos complexos, nos quais diferentes neurotransmissores afetam, portanto, não é simplesmente falta de vontade ou preguiça. Além disso, colocar esses tipos de rótulos na criança só os tornará pior. Na verdade, estudos já mostraram que muitas dessas crianças têm inteligência acima da média, eles só precisam de um impulso extra.


Mitos sobre TDAH que prejudicam as crianças e seus pais

Postagem traduzida por SÓ ESCOLA e escrita por Etapa Infantil.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Secured By miniOrange