A família não pode ser uma ditadura, mas não é uma democracia – Por Mario Sergio Cortella

Em entrevista ao site CRESCER o filósofo fala sobre educação dos filhos. “A família não pode ser uma ditadura, mas não é uma democracia”.

O filósofo Mario Sergio Cortella, um dos maiores pensadores da atualidade, lançou recentemente o livro Família – Urgências e turbulências (Editora Cortez, R$ 38). Aqui, ele fala um pouco sobre a educação dos filhos na atualidade.

Veja também: “Aprenda a viver para não desperdiçar a vida” por Mario Sergio Cortella

A família não pode ser uma ditadura, mas não é uma democracia

Confira o bate-papo:

Os adultos estão com medo de exercer a autoridade sobre as crianças?

Pois é. A família não pode ser uma ditadura, mas não é uma democracia. É uma organização participativa, uma estrutura de convivência em que todos têm dignidade igual, mas não a mesma autoridade. Os adultos são responsáveis pelas crianças. Há uma estrutura de subordinação. A amizade é necessária, mas não a camaradagem.

Você acredita que os pais não sabem aproveitar o tempo com os filhos?

Prioridade não tem plural. Há muitos pais que não têm clareza da prioridade. Alguns têm tanta diminuição da convivência com os filhos que, quando ela acontece, o adulto acaba soterrando a criança com mera troca de bens, para que ela fique entorpecida. Isso é muito negativo. Os pais do passado não passavam tanto tempo com os filhos, mas havia uma convivência mais densa. Hoje é muito superficial. Atualmente, muitos usam o fim de semana inteiro para manter o filho entretido e ocupado, como se fossem recreadores.

Não deixe de ver: “Se você não aguenta mais a vida, mude!” por Mario Sergio Cortella

Como você compara a criação dos seus filhos e a sua?

Tenho três filhos adultos. Eu trouxe muitas coisas da minha criação para eles: a capacidade de amizade, a conversa, a rigorosidade em relação ao esforço e aos valores de honestidade e decência. Deixei para trás os castigos hiperdimensionados e o exagero em relação às criancices que antes eram tomadas como ofensas.


Fonte: Crescer
Por Maria Clara Vieira


 


  • Leave a Comment