Medalhista de três Olimpíadas Nacionais, estudante de 16 anos passa em 1º lugar para Direito na Universidade Federal do Piauí

A estudante ainda se dedica ao saxofone, instrumento que toca na Orquestra da cidade de Batalha.

A estudante de escola pública Déborah Franco, de 16 anos, natural de Batalha, 165 km ao norte de Teresina, foi aprovada em primeiro lugar para o curso de Direito na Universidade Federal do Piauí no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021.

Déborah foi campeã nacional da Olimpíada Nacional de Ciências em 2020, além de conquistar medalhas de prata e bronze na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA 2021), e na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas – (Obmep 2021), respectivamente.

Em conversa com o g1 Piauí, Déborah contou como foi a sua rotina de preparação, com uma média de 4 a 6 horas por dia, para a prova do Enem, na redação atingiu 900 pontos, ela falou ainda sobre as dificuldades que enfrentou após sofrer um acidente no período antes da prova de vestibular.

“A minha rotina de estudos no ano passado foi bem intensa, já que tinha que conciliar a escola, os estudos para o Enem e o estudo musical. Depois que sofri um acidente em julho do ano passado ficou mais difícil ainda, uma vez que me senti muito insegura e ansiosa o que me atrapalhou no desempenho” contou ela.

Saxofone é mais que um hobby

Além da dedicação aos estudos, Déborah também se dedica à música. Por ser de uma família de músicos, ela começou aos 8 anos a tocar flauta doce, e em 2019 ao ingressar na Orquestra da cidade teve o primeiro contato com o saxofone, onde se apaixonou.

“Por ter vindo de uma família de músicos, sempre estive em contato com os mais diversos instrumentos. Comecei tocando flauta doce quando criança, até que em 2019, ingressei na banda Manoel Fabiano tocando saxofone tenor. O saxofone, mais que um hobby, se tornou uma paixão” disse ela.

Déborah contou que pretende conciliar as aulas do curso de Direito com a paixão pelo saxofone, instrumento que não pretende deixar de tocar.

Família já esperava o êxito

Os pais de Déborah contam que já esperavam que a estudante tivesse um bom desempenho no vestibular, pois a estudante sempre mostrou sinais de afinidade com os estudos. O pai de Déborah, o professor Rômulo Alves, contou a filha começou a estudar com 2 anos e 6 meses.

“Para mim, eu fiquei muito feliz, eu fiquei eufórico, era uma coisa que a gente já esperava, já que ela sempre foi muito dedicada. Ela começou a estudar antes do tempo, pois chorava para ir para escola, ela via as crianças indo para escola e chorava para ir também. Então a gente já esperava isso dela, pela dedicação” comemorou ele.

A mãe, a secretária Aurideia Pereira, contou que a filha sempre foi muito focada nos compromissos que assumia. Ela disse ainda que os resultados são frutos de muitas horas de estudo.

“Ela sempre foi uma menina muito esforçada desde os primeiros anos de estudo, sempre se destacou em tudo que faz, não é uma novidade esse desempenho, porque eu já esperava isso dela, por conta da dedicação e do esforço diário. A Déborah é um orgulho para toda família” completou a mãe.


  • Leave a Comment