Início ATIVIDADES Atividades sobre Crônica

Atividades sobre Crônica

Atividades de gramatica leitura, compreensão e interpretação de texto sobre Crônica para 5, 6, 7, 8 e 9 ano do ensino fundamental

Atividades sobre Crônica
Atividades sobre Crônica

Selecionamos nesta postagem diversas Atividades sobre Crônica, prontas para trabalhar com seus alunos das series iniciais.

Excelentes exercícios para auxiliar no aprendizado dos alunos.

Veja também: Atividades sobre o gênero textual Panfleto e Atividades sobre Parágrafo.

Atividades sobre Crônica

Leia está crônica retirada da internet (Não tem identificação do autor). Este texto foi utilizado como pretexto de redação do vestibular em 2006 do ITA (INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA AERONÁUTICA)

Encomendando uma pizza em 2010

Telefonista: Pizza Rote, boa noite!
Cliente: Boa noite, quero encomendar pizzas…
Telefonista: Pode me dar o seu NIDN?
Cliente: Sim, o meu número de identificação nacional é 610204791993-8456-54632107.
Telefonista: Obrigada, Sr. Lewis. Seu endereço é 1742 Meadowland Drive,e o número de seu telefone é 494-2366, certo? O telefone do seu escritório da Lincoln Insurance é o 745-2302 e o seu celular é 266-2566. De que número o Sr. ligou?
Cliente: Bem, estou em casa. Como você conseguiu essas informações todas?
Telefonista: Nós estamos ligados em rede ao Grande Sistema Central.
Cliente: Ah, sim, é verdade! Eu queria encomendar duas pizzas, uma quatro queijos e outra calabresa…
Telefonista: Talvez não seja uma boa ideia…
Cliente: O quê?
Telefonista: Consta na sua ficha médica que o Sr. sofre de hipertensão e tem a taxa de colesterol muito alta. Além disso, o seu seguro de vida proíbe categoricamente escolhas perigosas para a sua saúde.
Cliente: É, você tem razão! O que você sugere?
Telefonista: Porquê que o Sr. não experimenta a nossa pizza Superlight, com tofu e rabanetes? O Sr. vai adorar!
Cliente: Como é que você sabe que vou adorar?
Telefonista: O Sr. consultou o site ´Recettes
Gourmandes au Soja´ da Biblioteca Municipal, dia 15 de janeiro, às 14:27h, onde permaneceu ligado à rede durante 36 minutos. Daí a minha sugestão…
Cliente: OK, está bem! Mande-me duas pizzas tamanho família!
Telefonista: É a escolha certa para o Sr., sua esposa e seus 4 filhos, pode ter certeza.
Cliente: Quanto é?
Telefonista: São $49,99.
Cliente: Você quer o número do meu cartão de crédito?
Telefonista: Lamento, mas o Sr. vai ter que pagar em dinheiro.
O limite do seu cartão de crédito já foi ultrapassado.
Cliente: Tudo bem, eu posso ir ao Multibanco sacar dinheiro antes que chegue a pizza.
Telefonista: Duvido que consiga, o Sr. está com o saldo negativo.
Cliente: Meta-se com a sua vida! Mande-me as pizzas que eu arranjo o dinheiro. Quando é que entregam?
Telefonista: Estamos um pouco atrasados, serão entregues em 45 minutos. Se o Sr. estiver com muita pressa pode vir buscá-las, se bem que transportar duas pizzas na moto não é aconselhável, além de ser perigoso…
Cliente: Mas que história é essa, como é que você sabe que eu vou de moto?
Telefonista: Peço desculpas, apenas reparei que o Sr. não pagou as últimas prestações do carro e ele foi penhorado. Mas a sua moto está paga, e então pensei que fosse utilizá-la.
Cliente: @@#¬/[email protected]&??/¬!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Telefonista: Gostaria de pedir ao Sr. para não me insultar… não se esqueça de que o Sr. já foi condenado em julho de 2009 por desacato em
público a um Agente Regional.
Cliente: (Silêncio)
Telefonista: Mais alguma coisa?
Cliente: Não, é só isso… não, espere… não se esqueça dos 2 litros de Coca-Cola que constam na promoção.
Telefonista: Senhor, o regulamento da nossa promoção, conforme citado no artigo 3095423/12, nos proíbe de vender bebidas com açúcar a pessoas diabéticas…
Cliente: Aaaaaaaahhhhhhhh!!!!!!!!!!! Vou me atirar pela janela!!!!!!!!!!!!!!!
Telefonista: E machucar o joelho? O Sr. mora no anda térreo…

O texto anterior é uma crônica, vamos aprender um pouco sobre isso.

A crônica é um gênero hibrido que oscila entre a literatura e o jornalismo, é o resultado da visão pessoal, subjetiva do cronista diante de um fato qualquer colhido no noticiário do jornal ou no cotidiano. Pode apresentar reflexões sobre fatos pertencentes à vida artística, politica, esportiva, social, policial, literária, Dependendo do tipo de crônica, tais acontecimentos são representados sob o ponto de vista do cronista numa linguagem leve e informal ou, em outros momentos, numa linguagem mais densa.

Atualmente, nem todas as crônicas são publicadas originalmente nos jornais, pois muitas fazem parte de antologias que compõem livros.

Tipos de Crônica

Lirica ou Poética: Os temas abordados por este tipo de Crônica estão ligados a aspectos sentimentais, nostálgicos, simples e belos da vida urbana,

Humor: Ao comentar ironicamente hábitos e costumes dos membros da sociedade, a intenção do autor deste tipi de Crônica é provocar o riso do leitor.

Ensaio: Aproximando-se do gênero ensaio, porque dele conserva o aspecto argumentativo este tipo de Crônica – embora seja escrita em linguagem literária- apresenta aberta e criticamente o ponto de vista do cronista acerca da realidade politica cultural e ideológica da sociedade.

__

Atividades sobre o assunto:

(1) Com base no que você acabou de ler, classifique a crônica “encomendando uma pizza em 2010” e justifique sua resposta.

(2) Nas narrativas ficcionais, as falas dos personagens podem aparecer de forma direta e indireta. O narrador pode utilizar qualquer desses dois modos para reproduzir as falas dos personagens, e cada um cumpre funções distintas no interior do texto. Observe a correspondência entre esses dois tipos de discurso e suas respectivas funções no quadro abaixo:

(a) Que discurso predominou na crônica lida?

(b) Qual dos dois discursos é mais dinâmico e nos leva a perceber o individuo e o lugar que ele ocupa na sociedade? Justifique sua resposta.

(3) Na crônica lida, o assunto tecnologia e liberdade foi tratado de forma descontraída por meio de um dialogo entre um consumidor e uma telefonista da rede de pizza. Cite dois momentos do texto que podem nos levar a conclui são de que a empresa é internacional.

(4) Uma crônica geralmente leve ao leitor a fazer reflexões. Com base na crônica que você leu, responda: o que parece estar sendo criticado nessa história? Não esqueça de justificar sua resposta?

(5) No futuro, você acha que as pessoas estarão tão controladas conforme se viu no texto lido? Por quê?

_____

Atividades sobre Crônica para 5 ano

Leia o texto abaixo.

O carro estava encostado no meio-fio, com um pneu furado. De pé ao lado do carro, olhando desconsoladamente para o pneu, uma moça muito bonita. Tão bonita que atrás parou outro carro e dele desceu uma homem dizendo: ”Pode deixar”.Ele trocarei o pneu.

Você tem macaco?- Perguntou o homem.

Não – Respondeu a moça.

Vamos usar o meu – disse o homem – Você tem estepe?

Não -disse a moça.

Vamos usar o meu – Disse o homem.
E pôs-se a trabalhar, trocando o pneu, sob o olhar da moça. Terminou no momento em que chegava o ônibus que a moça estava esperando. Ele ficou ali, suando, de boca aberta, vendo o ônibus se afastar. Dali a pouco chegou o dono do carro.

Puxa, você trocou o pneu do carro pra mim. Muito obrigado.
– É. Eu… Eu não posso ver pneu furado. Tenho que trocar.
– Coisa estranha.
– É uma compulsão. Sei lá.

Responda com um X as questões de 1 a 6. Pneu furado  (Gênero textual –Crônica)

1 – Por que o homem trocou o pneu do carro?

A ( X )  Porque ele queria ser simpático com a moça.

B (  ) Porque ele tinha compulsão de trocar pneus.

C (  ) Porque era seu dever ajudar o próximo.

D (  ) Porque ele tinha estepe e macaco.

2 – O que ele sentiu vendo a moça entrar no ônibus?

A (  ) Raiva                                        C ( X ) Espanto

B (  ) Gratidão                                    D(  )Felicidade

3 – A reação do homem quando o dono do carro agradeceu por ele ter trocado o pneu foi de:

A (X  ) Vergonha                                   C (  )Satisfação

B (  ) Violência                                    D(  ) Timidez

4 – Quem conta a história é:

A (  ) A moça que esperava o ônibus

B (  ) O dono do carro que estava com o pneu furado

C (  ) Um narrador que participa da história

D (  X) Um narrador observador que está fora da história

5 – Leia o trecho e grife a alternativa que mostra um adjetivo (uma característica ou qualidade) da personagem:“..De pé ao lado do carro, olhando desconsoladamente para o pneu, uma moça muito bonita.”

A (  ) Lado                                          C (  ) Pneu

B (  ) Bonita                                         D(  ) Muito


6 – “O carro, estava encostado no meio-fio, com um pneu furado.” Faça um X na alternativa em que as duas palavras são substantivos.

A (  ) carro , pneu                                   C (  ) furado, estava

B (  ) pneu , encostado                             D(  ) com, pn

Leia o texto abaixo  e responda com um X as questões 7 e 8 

A Reunião Dos Ratos  (Gênero textual  Fábula –  Autor Esopo)

Os ratos resolveram organizar um conselho para decidir, qual seria a melhor alternativa, para que eles pudessem saber com antecedência, quando o inimigo deles, o Gato, estava por perto. Dentre as muitas ideias apresentadas, uma delas, que logo foi aprovada por todos, considerava que, um sino deveria ser pendurado no pescoço do Gato. Assim, ao escutarem o tilintar do mesmo, todos poderiam correr a tempo para seus buracos. Além de gostarem do plano, todos ficaram extasiados com tão criativa solução. E um velho Rato então questionou:

“Meus amigos, percebo que o plano é realmente muito bom. Mas, quem dentre nós prenderá o sino no pescoço do Gato?”

E nenhum voluntário se fez presente.

Moral da História: Dizer o que dever ser feito é uma coisa, fazê-la, entretanto, é “coisa” bastante diferente.

7- Qual a maior dificuldade enfrentada pelos ratos após descobrir uma ótima ideia para não serem devorados pelo gato?

A ( ) Todos queriam ajudar
B ( ) Os mais velhos não gostaram da ideia
C (X ) Não apareceu nenhum voluntário para colocar o sino
D ( ) O gato já tinha ido embora, portanto a ideia não foi boa.

8 – Outra forma de escrever MORAL da fábula “A Reunião Dos Ratos” seria:

A (  ) “ A casa de ferreiro, espeto de pau”.

B (  ) “ Água mole em pedra dura tanto bate até que fura”.

C  (  ) “ Mais vale um pássaro na mão do que dois voando”

D ( X ) “ Não basta ter uma ideia é preciso colocá-la em prática”

_____

Atividades interpretação de texto sobre Crônica do 7 ao 9 ano – Para imprimir

Atividades interpretação de texto sobre Crônica do 7 ao 9 ano - Para imprimir
Atividades interpretação de texto sobre Crônica do 7 ao 9 ano - Para imprimir

Compreensão e interpretação de texto: Gênero Crônica

EXIGÊNCIAS DA VIDA MODERNA

Dizem que todos os dias você deve comer uma maçã por causa do ferro. E uma banana pelo potássio. E também uma laranja pela vitamina C.
Uma xícara de chá verde sem açúcar para prevenir a diabetes.
Todos os dias deve-se tomar ao menos dois litros de água. E uriná-los, o que consome o dobro do tempo.
Todos os dias deve-se tomar um Yakult pelos lactobacilos (que ninguém sabe bem o que é, mas que aos bilhões, ajudam a digestão).
Cada dia uma Aspirina, previne infarto.
Uma taça de vinho tinto também. Uma de vinho branco estabiliza o sistema nervoso.
Um copo de cerveja, para… não lembro bem para o que, mas faz bem.
O benefício adicional é que se você tomar tudo isso ao mesmo tempo e tiver um derrame, nem vai perceber.
Todos os dias deve-se comer fibra. Muita, muitíssima fibra. Fibra suficiente para fazer um pulôver.
Você deve fazer entre quatro e seis refeições leves diariamente.
E nunca se esqueça de mastigar pelo menos cem vezes cada garfada. Só para comer, serão cerca de cinco horas do dia… E não esqueça de escovar os dentes depois de comer.
Ou seja, você tem que escovar os dentes depois da maçã, da banana, da laranja, das seis refeições e enquanto tiver dentes, passar fio dental, massagear a gengiva, escovar a língua e bochechar com Plax.
Melhor, inclusive, ampliar o banheiro e aproveitar para colocar um equipamento de som, porque entre a água, a fibra e os dentes, você vai passar ali várias horas por dia.
Há que se dormir oito horas por noite e trabalhar outras oito por dia, mais as cinco comendo são vinte e uma. Sobram três, desde que você não pegue trânsito.
As estatísticas comprovam que assistimos três horas de TV por dia. Menos você, porque todos os dias você vai caminhar ao menos meia hora (por experiência própria, após quinze minutos dê meia volta e comece a voltar, ou a meia hora vira uma).
E você deve cuidar das amizades, porque são como uma planta: devem ser regadas diariamente, o que me faz pensar em quem vai cuidar delas quando eu estiver viajando.
Deve-se estar bem informado também, lendo dois ou três jornais por dia para comparar as informações.
Ah! E o sexo! Todos os dias, tomando o cuidado de não se cair na rotina. Há que ser criativo, inovador para renovar a sedução. Isso leva tempo – e nem estou falando de sexo tântrico.
Também precisa sobrar tempo para varrer, passar, lavar roupa, pratos e espero que você não tenha um bichinho de estimação.
Na minha conta são 29 horas por dia. A única solução que me ocorre é fazer várias dessas coisas ao mesmo tempo!
Por exemplo, tomar banho frio com a boca aberta, assim você toma água e escova os dentes.
Chame os amigos junto com os seus pais.
Beba o vinho, coma a maçã e a banana junto com a sua mulher… na sua cama.
Ainda bem que somos crescidinhos, senão ainda teria um Danoninho e se sobrarem 5 minutos, uma colherada de leite de magnésio.
Agora tenho que ir.
É meio do dia, e depois da cerveja, do vinho e da maçã, tenho que ir ao banheiro. E já que vou, levo um jornal… Tchau!
Viva a vida com bom humor!!!

01. A crônica é um gênero textual que tem como objeto de estudo e análise o cotidiano. A excelente crônica de Luís Fernando Veríssimo retrata muito bem

a) as angústias dos seres humanos e os medos que todos nós temos de lidar com os problemas da vida.

b) o descaso que os seres humanos têm com a sua própria saúde e com a sua vida emocional.

c) as alegrias que alimentam o nosso cotidiano e fazem a vida ter mais sentido.

d) o desespero das pessoas em alcançar um padrão de vida surreal e que não faz nada bem ao espírito.

e) as cobranças a que somos submetidos todos os dias através da mídia, da divulgação de pesquisas e dos comportamentos idealizados pela sociedade.

02. Ao dizer “Viva a vida com bom humor!!!”, no final do texto, o escritor deixa implícita a ideia de que

a) devemos tentar fazer o melhor possível, pois, mesmo que não consigamos realizar tudo, teremos tentado concretizar o que for possível.

b) devemos fazer da vida uma piada, uma anedota, pois os sérios sofrem mais por não conseguirem realizar as exigências da vida moderna.

c) devemos simplesmente viver, com descontração, sem nos preocupar tanto com essas exigências da vida moderna.

d) devemos valorizar as boas amizades e não considerar os sentimentos ruins que muitas pessoas querem que sintamos.

e) devemos dar menos importância aos problemas da vida e aproveitar o que ela tem de bom a nos oferecer.

03. Quanto ao uso da língua portuguesa, pode-se dizer que Luís Fernando Veríssimo a utiliza nesse texto de uma maneira mais

a) formal

b) técnica

c) erudita

d) informal

e) regional

04. Para o texto ficar mais descontraído e aproximar-se do leitor, o autor faz uso de quais estratégias linguístico-textuais?

I. O uso de muitas palavras no grau diminutivo, grau este que transmite um certo carinho ao leitor.
II. Frases e períodos curtos para o texto se tornar mais leve e a leitura ser mais dinâmica.
III. O uso do pronome você estabelece um diálogo do autor com o seu leitor, mostrando uma certa intimidade.
IV. A preferência pelo verbo no presente para aproximar o leitor da época em que o texto foi escrito.
V. O uso de verbos no imperativo em tom de ordem para deixar claro o distanciamento entre o autor e o leitor.
VI. O uso de verbos na 1ª pessoa do plural que faz com que o autor compartilhe com os leitores as angústias vividas.

a) Estão corretos os itens II, III, e VI.
b) Estão corretos os itens III, IV e VI.
c) Estão corretos os itens I, II e V.
d) Estão corretos os itens I, III e VI.
e) Estão corretos os itens III, IV e V.

05. Como solução para o ser humano conseguir realizar tantas exigências, o autor aconselha, ironicamente,

a) selecionar as mais importantes para a sua vida.

b) estipular metas e lutar pela realização delas.

c) quebrar as regras sociais e fazer o que tiver vontade.

d) fazer várias ações ao mesmo tempo.

e) administrar o tempo para realizar tudo o que for possível

06. Os textos de Veríssimo têm um estilo próprio, sempre com uma pitada de humor. Para deixar o texto reflexivo e, ao mesmo tempo, engraçado, ele faz muito bem o uso de uma figura de linguagem que está presente, por exemplo, no trecho “E você deve cuidar das amizades, porque são como uma planta: devem ser regadas diariamente, o que me faz pensar em quem vai cuidar delas quando eu estiver viajando”. Que figura de linguagem é essa?

a) Antítese
b) Ironia.
c) Prosopopeia.
d) Metáfora.
e) Sinestesia.

07. Em muitos momentos do texto, o autor usa verbos no imperativo, como em “Beba o vinho, coma a maçã e a banana junto com a sua mulher… na sua cama”. O uso do imperativo no período em destaque tem o objetivo de

a) dar uma ordem.

b) narrar um fato.

c) fazer um pedido.

d) propor uma sugestão.

e) fazer uma recomendação.

08. No período “Cada dia uma Aspirina, previne infarto”, apesar da ausência da conjunção que ficou subentendida, percebe-se claramente que a ideia estabelecida entre as duas orações foi de

a) adição.

b) explicação.

c) concessão.

d) finalidade.

e) consequência.

09. Luís Fernando Veríssimo é um autor que tem como característica frequente em seus textos o uso de uma linguagem bem descontraída, sem grande apego ao que diz a gramática tradicional. Sabendo disso, ao analisarmos o período “E não esqueça de escovar os dentes depois de comer”, verificamos que, segundo a gramática normativa, ocorreu o desvio gramatical nesse período porque

a) o verbo esquecer deve ser pronominal quando o seu complemento vem acompanhado de preposição.

b) o verbo esquecer sempre é transitivo direto e deve vir acompanhado de um complemento sem preposição.

c) o verbo esquecer é transitivo direito e indireto e pede dois complementos, um sem preposição e outro com preposição.

d) o verbo esquecer é intransitivo, portanto não precisa vir acompanhado de complemento.e) o verbo esquecer é pronominal independente de ser transitivo direto ou transitivo indireto.

10. De acordo com as normas da língua padrão portuguesa, podemos encontrar um desvio de regência verbal em

a) “Uma de vinho branco estabiliza o sistema nervoso”.

b) “As estatísticas comprovam que assistimos três horas de TV por dia.”

c) “É meio do dia, e depois da cerveja, do vinho e da maçã, tenho que ir ao banheiro”.

d) “Por exemplo, tomar banho frio com a boca aberta,…”e) “E já que vou, levo um jornal… Tchau!”

GABARITO:  01. E; 02. C; 03. D; 04. A; 05. D; 06. B; 07. E. 08. B; 09. A; 10. C

_____

Atividades sobre Crônica: Leitura, interpretação e compreensão

Sopa de macarrão

O filho olha emburrado o prato vazio, o pai pergunta se não está com fome.
— Com fome eu tô, não tô é com vontade de comer comida de velho.
Lá da cozinha a mãe diz que decretou ― De-cre-tei! — que ou ele come legumes e verduras, ou vai passar fome.
— Não quero filho meu engordando agora para ter problemas de saúde depois. Só quer batata frita e carne, carne e batata frita
Ela vem com a travessa de bifes, o pai tira um, ela senta e tira o outro, o filho continua com o prato vazio.
— Nos Estados Unidos — continua ela — um jornalista passou um mês comendo só fastfood, engordou mais de seis quilos!
— E como é que ele aguentou um mês só comendo isso?! — perguntou o pai, o filho responde:
— Porque é gostoso! — E pega com nojo uma folhinha de alface, põe no prato e fica olhando como se fosse um bicho.
A mãe diz que é preciso ao menos experimentar para saber o que é ou não gostoso, e o pai diz que, quando era da idade dele, comia cenoura crua, pepino, manga verde com sal, comia até milho verde cru.
— E devorava o cozido de legumes da sua avó! E essa alface? Pra comer, é preciso botar na boca..
O filho enfia a alface na boca, mastiga fazendo careta, pega um bife, a mãe pula na cadeira, pega o bife de volta:
— Não-senhor! Só com salada pra valer, arroz, feijão, tudo!
— Ele continua olhando o prato vazio, até que resmunga:
— Se vocês sempre comeram tão bem, como é que acabaram barrigudos assim?
O pai diz que isso é da idade, o importante é ter saúde.
— E você, se continuar comendo só fritura, carne, doce e refrigerante, na nossa idade vai pesar mais de cem quilos!
— No Japão — resmunga ele — podia ser lutador de sumo e ganhar uma nota.
— E no Natal — cantarola a mãe — vai ser Papai Noel né? E Rei Momo no carnaval…
— Não tripudie — diz o pai. — Ele ainda vai comer de tudo. Quando eu era menino, detestava sopa. Aí um dia minha mãe fez sopa com macarrão de letrinhas, passei a gostar de sopa!
O filho pergunta o que é macarrão de letrinhas, o pai explica. Ele põe na boca uma rodela de tomate, o pai e a mãe trocam um vitorioso olhar. O pai faz uma voz doce:
— Está descobrindo que salada é gostoso, não está?
— Não, peguei tomate para tirar da boca o gosto nojento de alface, mas acabo de descobrir que tomate também é nojento.
— Mas catchup você come não é? Pois é feito de tomate!
— E ele também não come ovo — emenda a mãe — mas come maionese, que é feita de ovo!
O filho continua olhando o prato vazio.
— Coma ao menos feijão com arroz — diz o pai.
Ele pega uma colher de feijão, outra de arroz dizendo que viu um filme onde num campo de concentração só comiam assim pouquinho, só o suficiente pra sobreviver… Mastiga tristemente, até que o pai lhe bota o bife no prato de novo, mas a mãe retira novamente:
— Ou salada ou nada! Sem chantagem sentimental!…………

Segundo Kleiman (2011, p. 10), “vários aspectos do conhecimento que são atividades intelectuais, como características individuais relacionadas à percepção da leitura e à reflexão, estão ligados à compreensão de um texto”

Encaminhamentos a serem executados, oralmente, para atividade de compreensão do texto:

  1. Quais são os personagens do texto?
  2. Que relação há entre o título e o texto?
  3. O texto apresenta que assunto?
  4. Crítico, argumentativo, humorístico, narrativo… Em qual tipo se enquadra essa
    crônica lida? Justifique sua resposta.
  5. Este texto apresenta um fato comum do dia a dia das pessoas? Explique sua
    resposta.
  6. Na crônica, o filho diz que não quer comer “comida de velho”. O que você acha
    disso?
  7. Por que o pai e mãe lacrimejam ao ver a palavra amor escrita na sopa?
  8. Assinale o tipo de narrador dessa crônica:
    ( ) Narrador-personagem, pois é a personagem principal que conta o que aconteceu
    com ela.
    ( ) Narrador-observador, porque é alguém que não participa da história e que narra
    o acontecimento.
  9. Em que momentos do dia acontecem os diálogos do texto?
  10. Qual é a comida preferida do filho?



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here