Artigos Educacionais, Cora Coralina

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina


Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina – Cora Coralina – Artigo enviado pelo nosso parceiro “Professor Marcos L Souza – Pedagogo – Psicopedagogo – Educador.

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina

Entre a arte de ensinar e a arte de aprender existe uma grande diferença, não obstante acharem-se ambas intimamente paralelas e vinculadas. Em geral, quem começa a aprender o faz sem saber por que e este processo faz parte da gênese do animal, principalmente do ser humano; pensa que é por necessidade, por uma exigência de sobrevivência por instinto, por desejo e curiosidade ou por muitas outras coisas, às quais costuma atribuir esse por que. Mas quando já começa a vincular-se àquilo que aprende, vai despertando nele o interesse e, ao mesmo tempo, reanimam-se as fibras adormecidas da alma, que começa a buscar, chamando ao estudo, os estímulos que irão criar a capacidade de aprender.

Porém, porque e para que aprender? Eis aqui duas indagações às quais nem sempre se podem dar respostas satisfatórias. Aprende-se e continua-se aprendendo, adquirindo hoje um conhecimento e amanhã outro, de igual ou de diversa índole, Primeiro se aprende para satisfazer às necessidades da vida, tratando de alcançar, por meio do saber, uma posição, e solucionar ao mesmo tempo muitas das situações que a própria vida apresenta. Quando se completa a medida do estudo, parece como se na mente se produzisse uma desorientação: o universitário, ao conquistar seu título, aquele outro ao culminar sua especialização. Enfim, quando essa vida de estudos está terminada, começam as atividades nas diferentes profissões, o que paralisa a atividade anterior da mente dedicada ao estudo; muitos até chegam a esquecer daquela constante preocupação que antes tinham de alcançar cada dia um conhecimento a mais, encontrando-se como os que, tendo finalizado o percurso de um caminho, não sentem a necessidade de dar um passo além, por não acharem o incentivo de um objetivo capaz de propiciá-lo. Eis aí uma das causas de onde provém tanta desorientação nos seres humanos.

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina
Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina

De outra parte, os que, além dos estudos da profissão aprendem outras coisas, o fazem muitas vezes sem ter disso verdadeira consciência. Acumulam este, esse e aquele conhecimento, mas depois salvo exceções, não sabem o que fazer com eles; não sabem usá-los em seu próprio bem, nem no bem dos demais. Assim é como vêm aprendendo ao acaso, em uma e outra parte, sem ter um guia que os leve para uma meta segura e lhes permita fazer de tudo uma aprendizagem útil pa­ra si mesmos e para seus semelhantes. Ao dar a conhecer seus ensinamentos, a Logosofia manifesta que existe uma imensidão desconhecida para o homem, na qual este deve penetrar. Dá a conhecer, além disso, que enquanto se interna nessa imensidão que é a Sabedoria, isto é, enquanto aprende, pode também ensinar, porque a arte de ensinar consiste em começar ensinando primeiro a si mesmo, ou, dito de outro modo, enquanto de uma parte o ser aprende, aplica de outra esse conhecimento a si mesmo e, ensinando a si mes­mo, sabe depois como ensinar aos demais com eficiência.

A arte de ensinar é muito diferente da arte de aprender. Com efeito, tratando-se do conhecimento transcendente, que é o que guia para o aperfeiçoamento, não se pode ensinar o que se sabe, se, ao fazê-lo, não vai refletida, como uma garantia do saber, a segurança que cada um deve dar com seu próprio exemplo. Eis aí, justamente, onde começa a tornar-se difícil a arte de ensinar, porque não se trata de transmitir um ensinamento, ou de mostrar que se sabe isto ou aquilo; quem assim fizesse se converteria em um simples repetidor do ensinamento, um isomorfo autômato, e seu labor careceria de toda eficácia. Já é outra coisa, quando através da palavra de quem ensina, coincidente com seus atos, vão se descobrindo qualidades relevantes; e outra coisa é, também, quando, no que escuta e aprende, vai se manifestando a capacidade de assimilação; então, o que aprende, aprende de verdade, e quem ensina, ensina com consciência e com conteúdo.

Um ensinamento pode ser transmitido bem ou mal por quem ensina, mas, o fato de transmiti-lo mal não tem porque implicar má intenção ou má vontade; comumente é transmitido de forma errônea, por não o haver entendido bem, vivido e incorporado a si mesmo. Quem faz isto não possui, certamente, o domínio do ensinamento, que permite não esquecê-lo mais; e está longe de ser como aquele que, de posse de uma fórmula, pode reproduzir a qualquer momento o conteúdo da mesma. Esquece o ensinamento quem não teve consciência dele e, por tal causa, acha-se na mesma situação do que aprende. Estas particularidades da arte de ensinar e da arte de aprender devem andar sempre de mãos dadas.

Para cultivar estas artes, quando se aprende deve-se sempre situar a si mesmo na posição mais generosa, qual seja a de aprender sem mesquinhez, a de aprender para saber dar, para saber ensinar, e não com objetivos egoístas, fazendo-o para usufruto próprio, exclusivo, que é, em último termo, a negação do saber. A Sabedoria logosófica se perpetua no outro, por isso, aos que mais tarde saberão ensinar, aqueles que terão em conta, ao fazê-lo, todos os detalhes que, correntemente, passam inadvertidos e depois travam o entendimento dos seres. Quem é generoso ao aprender, é generoso ao ensinar; mas nunca terá que se exceder nessa generosidade, pretendendo ensinar antes de haver aprendido.

É de suma importância conhecer a fundo a psicologia humana, para descobrir todos os subterfúgios que existem no complexo e misterioso mecanismo mental do ser humano, principalmente conhecer sobre a gênese do conhecimento  ou seja, como é adquirida a aquisição da aprendizagem.

Quando se inicia a empreitada do próprio aperfeiçoamento, é necessário acostumar-se a caminhar com firmeza, sem vacilações nem desacertos, buscando sempre a segurança no próprio conhecimento, e quando aquela não existir, este deve ser cultivado, para que se consiga obter esses frutos que fazem, depois, a felicidade interna.

Falando um pouco mais sobre o conhecimento logosófico, não se trata de  conhecimento comum. Tem uma particularidade que o distingue e que cada um adverte, comprova e confirma, à medida que vai realizando seu processo de evolução de aprendizagem consciente. A referida particularidade manifesta-se no fato de que estes ensinamentos servem para ser utilizados na própria vida; aplicando os conhecimentos que deles emanam em uma observação diária de si mesmo, obtém-se uma superação constante, que leva a compreender, mais tarde, o caráter universal do Saber. Isto deve ser recordado a todo o momento, a fim de tratar o ensinamento como ele é: algo novo para o próprio saber individual, algo que deve tomar-se com todo carinho, com toda dedicação, sem descuidar jamais nenhuma de suas indicações.

A busca por conhecimento, expressa tudo quanto pode o homem ser. É a tocha convertida em luminária que passando de mão em mão, através das gerações, continuará iluminando a vida dos que buscam no aperfeiçoamento de si mesmos a própria inspiração; inspiração que também surge observando os sábios e nobres exemplos que a história tem registrado e que, igualmente, o coração humano registra, quando presencia todos aqueles casos em que um homem surge acima dos demais, mostrando os caracteres inequívocos de uma estirpe superior.

A arte de ensinar tem, pois, a missão de arrancar o homem dos planos inferiores de consciência em que se encontra, para levá-lo gradualmente, passando por processos alternados de superação, a conquistar o domínio consciente de suas possibilidades humanas. É então quando deixa de ser um homem comum, um ser comum, para converter-se em ser superior,  capaz de transmitir seus conhecimentos aos demais e auxiliar aos que carecem de vontade para poder sobreviver às penúrias que devem suportar na vida.

A vida é o campo a ser semeado onde o espírito se tempera verdadeiramente e onde, pouco a pouco, com vontade e entusiasmo, vai se lavrando um novo e elevado destino. Tudo isto, naturalmente, convida a refletir com serenidade a importância da arte de ensinar e aprender ao mesmo tempo.

Cada um já possui dentro de si alguma bagagem e conteúdo, ninguém é um mero vazio de nada.


Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina

Se gostou da postagem, não deixe de compartilhar com seus amigos nas redes sociais e também deixe um comentário aqui em nosso site com sua opinião e sugestões para outras postagens.

Curta e Compartilhe com seus amigos: @SÓ ESCOLA.


Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina
5 (100%) 6 votes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *