A Psicomotricidade infantil aliada ao lúdico


A Psicomotricidade infantil aliada ao lúdico –  Artigo enviado pelo nosso parceiro “Professor Marcos L Souza – Pedagogo – Psicopedagogo – Educador .

A Psicomotricidade infantil aliada ao lúdico

O que é Psicomotricidade?

Segundo o conceito da Sociedade Brasileira de Psicomotricidade: “Ciência que tem como objeto de estudo o homem através do seu corpo em movimento e em relação ao seu mundo interno e externo, bem como suas possibilidades de perceber, atuar, agir com o outro, com os objetos e consigo mesmo. Portanto, é um termo empregado para uma concepção de movimento organizado e integrado, em função das experiências vividas pelo sujeito cuja ação é resultante de sua individualidade, sua linguagem e sua socialização.”

Alguns autores enfatizam a importância da atividade corporal para o desenvolvimento das funções cognitivas: Wallon (1942) afirma que o pensamento nasce da ação para retornar a ele e Piaget (1936) sustenta que, mediante a atividade corporal a criança pensa, aprende, cria e enfrenta problemas de sua vida cotidiana.

A partir daí, constatamos que o desenvolvimento psicomotor é base para a relação da criança com o mundo, pois através do seu corpo, relaciona-se consigo mesma, com os outros, com os objetos, enfim, com o mundo ao seu redor, fazendo- se uma relação entre o agir e o pensar, a partir de aspectos constitutivos deste processo: esquema corporal (formação do eu), onde a criança adquiri consciência  do próprio corpo e das possibilidades de expressar-se por meio deste; lateralidade onde a criança percebe que os membros não reagem da mesma forma: ex. escrita com a mão direita ou com a esquerda; orientação espacial, onde a criança localiza- se no espaço e situa as coisas umas em relação às outras e a orientação temporal, onde a criança situa-se no tempo.

Percebendo a criança como um ser integral do processo, cabe a escola proporcionar situações que favoreçam o seu amadurecimento psicomotor, através de atividades atrativas e prazerosas, de forma lúdica, como jogos, brinquedos e brincadeiras, contribuindo para que estas habilidades psicomotoras se desenvolvam de forma natural, facilitando a aquisição de novas aprendizagens.

Segundo Lapierre (1986), a educação psicomotora tem por objetivo não só a descoberta do próprio corpo e capacidade de execução do movimento, mas ainda a descoberta do outro e do meio ambiente, utilizando melhor suas capacidades psíquicas, facilitando a aquisição de aprendizagens posteriores.

Se nós educadores desenvolvermos nossa prática, com base na ideia de que o conhecimento é construído pela criança em situações de interação, precisaremos dispor de estratégias que as auxilie a compreender o que cada uma traz consigo, elevando suas potencialidades. Concluindo, portanto, a importância de termos um conhecimento prévio frente às etapas do desenvolvimento motor infantil, para poder escolher as atividades curriculares a partir da realidade psicomotora de nossos alunos.

O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO INFANTIL ATRAVÉS DO LÚDICO

O desenvolvimento cognitivo infantil não ocorre por si só, mas através das diversas interações que a criança faz ao longo de sua trajetória, explorando o meio onde vive.

O desenvolvimento do aspecto lúdico facilita a aprendizagem, o desenvolvimento pessoal, social e cultural, colabora para a saúde mental, prepara para um estado interior fértil, facilita os processos de socialização, comunicação, expressão e construção do conhecimento (SANTOS, 1997, p.12).

Segundo Vygotsky (1991, p.126) é “[…] no brinquedo que a criança aprende a agir numa esfera cognitiva, ao invés de uma esfera visual externa, dependendo das motivações e tendências internas, e não dos incentivos fornecidos pelos objetos externos”.

Para este educador (1991, p.106), o brinquedo atua na resolução da tensão gerada na criança pela vontade de satisfazer um desejo imediato e a impossibilidade (física e mental) desta realização: “Para resolver esta tensão, a criança em idade pré- escolar envolve-se num mundo ilusório e imaginário onde os desejos não realizáveis podem ser realizados, e esse mundo é o que chamamos de brinquedo”.

A imaginação é, segundo o autor, um processo psicológico inteiramente novo para a criança pré-escolar e que não pode ser encontrado ainda nas crianças com menos de três anos, ainda incapazes de postergar a realização de um desejo. Segundo Vygotsky (1991), o que distingue a brincadeira de outras atividades infantis, é que esta possui regras e imaginação, sejam elas explícitas ou não. Assim, na brincadeira do faz de conta, própria da idade pré-escolar, a imaginação está explícita e as regras implícitas. Vejamos o exemplo de brincar de casinha, nesta a criança precisa da imaginação para transformar-se em mãe, em filhinha ou em papai, mas, ao mesmo tempo, a criança precisa obedecer às regras inerentes ao papel assumido. Nos jogos, que aparecem na idade escolar, por outro lado, as regras estão explícitas, mas a imaginação implícita. O jogo de futebol pode servir para exemplificar o que o autor quer dizer, assim ao iniciar a partida o jogador submete-se às regras pré-fixadas, mas vai precisar da imaginação para realizar suas jogadas e ter uma boa atuação no jogo. Vygotsky (1991) afirma que a importância do brinquedo está no fato deste criar Zonas de Desenvolvimento Proximal na criança, pois ao brincar ela realiza, mesmo de forma imaginativa, atividades e funções que muitas vezes estão acima de suas reais capacidades, mas que são possíveis na situação do brinquedo.

A Psicomotricidade infantil aliada ao lúdico

O lúdico torna-se facilitado na prática pedagógica com Portadores de Necessidades Educativas Especiais (PNEE), pois é algo que ocorre de forma espontânea, sem imposição, contribuindo em muito na integração da criança e servindo principalmente como facilitador da aprendizagem, pois permite uma flexibilidade, conforme a necessidade, despertando o interesse e servindo como motivador, já que oportuniza a descoberta, do que lhe foi solicitado, em especial nas abstrações, como cálculos, por exemplo, já que torna a aprendizagem por meio de brincadeiras, dinâmicas e atividades mais atrativas, significativas e eficazes.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • BARBOSA, Mª Carmem Silveira, HORN, Mª da Graça Souza. Organização do espaço e tempo na escola infantil. In: CRAIDY, Maria, KAERCHER, Gládis Elise P. da Silva. Educação infantil: pra que te quero. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.
  • BEE, Helen & BOYD, Denise: A criança em desenvolvimento. 12. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.
  • BENJAMIN, Walter: Magia e técnica, arte e política – Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Editora Brasiliense S.A. 1986.
  • BETTELHEIM, Bruno: A psicanálise dos contos de fadas. 14. ed. São Paulo: Paz e Terra 2000
  • CRAIDY, Maria  e  KAERCHER,  Gladis. Educação  Infantil:  pra  que  te  quero. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.
  • VYGOTSKY, L. S.A imaginação e a arte na Infância. (Ensaio psicológico), 1987.

A Psicomotricidade infantil aliada ao lúdico

Se gostou da postagem, não deixe de compartilhar com seus amigos nas redes sociais e também deixe um comentário aqui em nosso site com sua opinião e sugestões para outras postagens.

Curta e Compartilhe com seus amigos: @SÓ ESCOLA.


A Psicomotricidade infantil aliada ao lúdico
5 (100%) 4 vote[s]