Diferenças entre métodos pedagógicos alternativos

Diferenças entre métodos pedagógicos alternativos: Montessori, Waldorf, Reggio Emilia, Pikler – Artigo enviado pelo nosso parceiro “Professor Marcos L Souza – Pedagogo – Psicopedagogo – Educador musical – Historiador.

Diferenças entre métodos pedagógicos alternativos

Montessori, Waldorf, Reggio Emilia, Pikler:

MÉTODO MONTESSORI

Maria Montessori conseguiu revolucionar a educação, por não estar satisfeita com a educação tradicional. Mas além de Montessori existem outros métodos, outras pedagogias alternativas, que talvez não sejam tão conhecidas. Porém são igualmente ou mais fascinantes e inovadoras. Pode ser culpa da opinião pública ou dos pais que não nos informam adequadamente, mas é claro que hoje quase tudo relacionado à educação alternativa e moderna é rotulado como “Montessori”. Quando eles podem ser mais coisas Waldorf , Reggio Emilia, Pikler ou Aucouturier.

Todos eles são semelhantes em alguns aspectos, mas vale a pena saber como eles diferem. Todas estas metodologias apostam, por exemplo, para que o aluno esteja motivado para aprender, por não ter disciplinas (matemática, português, etc), utilizam “projetos” pedagógicos trabalhando com materiais naturais (madeira, folhas, ferro …), evitando o plástico.

No método Montessori , a criança é o centro do universo (educacional). Os professores não ensinam as aulas como tal, mas são guias que acompanham o aluno em sua própria “carreira educacional”. Os guias preparam propostas educacionais e as colocam em bandejas ou cestas , dentro da sala de aula. Cada criança é livre para levar a bandeja que quiser, levá-la a um canto que quiser e brincar / trabalhar com a proposta. Uma proposta para crianças de 1-3 anos pode ser, por exemplo, colocar e tirar bolinhas de uma garrafa (aprender a contar, habilidades motoras finas, etc). Em outra bandeja, haverá cartões de identificação de transporte para se juntar às suas respectivas figuras. As salas de aula Montessori são a típica imagem minimalista, limpa e arrumada. Montessori é um método orientado para dar respostas mais científicas ou matemáticas, já que todas as apresentações que são feitas são baseadas em fatos da realidade e da natureza. Você encontrará livros na sala de aula Montessori, mas eles não são histórias fantásticas, mas livros sobre conhecimento (pássaros, florestas, animais, etc).

Os cursos Montessori são divididos em etapas de três anos. Por exemplo, crianças de 3 a 6 anos, de 6 a 9 anos e de 9 a 12 anos de idade andam juntas. Os mais velhos geralmente ajudam os pequenos e os pequenos copiam / imitam os mais velhos. Cada aluno, escolhendo as propostas que mais o motivam, desenvolve o currículo no seu próprio ritmo. É uma pedagogia que busca que o aluno seja motivado a desenvolver conhecimentos nos quais ele tenha interesse e que desenvolva juntamente com este um espírito crítico para fazer perguntas e buscar soluções, respostas tangíveis e comprovadas. O Mediador (Guia) é responsável por ajudar, mas nunca julga ou toma nota do que o aluno faz. Aparentemente, os alunos da metodologia Montessori costumam trabalhar bem como líderes, uma vez que desenvolveram muita autonomia e capacidade crítica. Desde muito jovens (estágio pré-escolar) aprendem a ser autônomos: aprendem a descascar as frutas, a lavarem suas roupas se ficarem sujas, a apertar, desabotoar botões e zíperes …

Você não verá alunos correndo nas salas de aula, mas sim eles estarão sentados confortavelmente no chão com uma almofada, concentrando-se em uma das atividades educacionais propostas. Alguns dizem que Montessori é um método muito individualista e não muito colaborativo.

PEDAGOGIA WALDORF 

A pedagogia Waldorf  é bem diferente de Montessori. Waldorf é baseado no jogo, o aprender brincando. Em todos os momentos e desenvolvendo a imaginação. A brincadeira livre e simbólica é o centro da educação da criança, especialmente até os 7 anos de idade. Em Waldorf você encontrará escolas cheias de cores, jardins nos quais os estudantes cuidam e quartos, ambientes muito parecidos com os que temos em casa (com cozinhas, sofás …). É um jogo “Waldorf”, por exemplo, o arco-íris que se tornou tão moderno ou os mini-mundos (aquelas figuras para construir histórias).

Os estudantes Waldorf terão trabalhado mais em empatia, criatividade ou vitalidade . Ao contrário de Montessori, eles não aprendem a ler ou escrever até os sete anos de idade; até então, eles são principalmente dedicados às artes plásticas, movimento e música . Além disso, trabalhos de grupo são realizados, uma vez que os “projetos” trabalhados são escolhidos livremente, dependendo do interesse de todo o grupo.

Apesar de estar integrado em grupos, cada aluno aprende o conhecimento quando está pronto para isso. O professor é responsável por observar todos os alunos e ver as qualidades de cada um deles para aprender o que você precisa no momento certo. Na pedagogia Waldorf todas as telas, computadores, televisões são proibidas  e recomenda-se que em casa também.

Para resumir, se o Montessori é mais científico, o Waldorf é mais criativo. Para dar um exemplo, a pergunta “o que é a chuva?” Talvez um Montessori criasse algo para simular as nuvens e fazer chover, enquanto um Waldorf começaria a explicar uma história ou desenhá-la.

Veja mais:

A PEDAGOGIA DE REGGIO EMILIA

 As escolas com foco em Reggio Emilia são focadas no projeto. Algo tão na moda agora nas escolas primárias e secundárias vem dessa pedagogia. As aulas são desenvolvidas de acordo com o que interessa e motiva os alunos . Quando um aluno faz uma pergunta, o professor, em vez de dar a resposta correta, motiva os alunos que investigam e encontram a resposta . Os professores, além de documentar a evolução de cada criança no papel, também gravam em vídeo e tiram fotos e os mostram aos alunos ao longo do ano para ver como eles melhoraram e o potencial que têm.

Reggio Emilia cria estudantes cooperativos e colaborativos, acostumados a trabalhar em equipe e encontrar soluções, com boa capacidade de análise.

O professor não está acima do aluno, mas na mesma altura. A escola é considerada um organismo vivo, um lugar onde crianças e educadores aprendem uns com os outros e onde o conhecimento é adquirido através da experimentação.   O espaço também ocupa um lugar central nessa filosofia, pois atua como um terceiro professor, pois entende que o simples uso do espaço promove relações, comunicações e reuniões. Por esta razão, em Reggio Emilia, como em Montessori, o espaço é bem cuidado, bem decorado, acolhedor e oferecendo diferentes propostas motivadoras.

PEDAGOGIA PIKLER

Como Montessori,  a educação Pikleriana ou Loczy busca a autonomia da criança; mas baseia-se, sobretudo no movimento para alcançar essa autonomia e desenvolvimento. É um método muito usado no estágio de bebês que ainda não andam. As salas de aula da Pikler estão cheias de gavetas, pequenas escadas, plataformas, pequenos móveis e objetos que permitem que os bebês se movam sozinhos e desenvolvam suas habilidades motoras.

É muito importante que a criança esteja sempre deitada no chão, olhando para cima . Redes e almofadas são proibidas, para incentivar a livre circulação da criança. Pikler estava convencido de que o desenvolvimento motor é espontâneo; e assegurou que, se determinadas condições forem fornecidas, as crianças chegarão sozinhas a um desenvolvimento motor adequado . O adulto não “ensina” movimentos ou ajuda a realizá-los, e os filhos se movimentam e se desenvolvem governados por sua própria iniciativa. O professor observa e incentiva o aluno a avançar, mas sempre com a paciência, a calma e o ritmo de cada aluno. Não intervém nos movimentos do aluno para que seja, na hora, quem dá o passo (metaforicamente falando, uma conquista também pode estar em pé).

O aluno investiga e experimenta por conta própria. Espera-se que os alunos sejam livres, ativos e tenham uma atitude positiva e autônoma em relação às suas realizações e fracassos.

MÉTODO DE AUCOUTURIER

Termino com o método menos conhecido dos cinco. O método Aucouturier (francês) promove o movimento, a psicomotricidade, no estágio infantil , como base para o aluno se expressar e aprender enquanto joga. Eles são as famosas áreas de habilidades motoras que incorporam a maioria ou todos os espaços recreativos onde existem esteiras, arcos, treliças, blocos de espuma, rampas, objetos duros e objetos macios misturados em um ambiente seguro (segurança em primeiro lugar) , onde criança é livre para brincar como ela gosta.  E brincando, experimentando e aprendendo . Essa metodologia favorece a criança a experimentar através do movimento, perceber seu próprio corpo e construir sua própria identidade, facilitando a estimulação dos processos que se abrem à comunicação, expressão, simbolização e descentralização, fatores necessários para a construção do pensamento operacional.

Muitas escolas de Reggio Emilia, Montessori ou Waldorf também incluem espaços de Aucouturier para psicomotricidade.

O que você acha das diferentes pedagogias alternativas? Você vê que seu filho se encaixa bem em um deles? Ou talvez você optasse pela mistura de todos?

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

A Educação da Criança Segundo a Ciência Espiritual. (Original de 1907.) Trad. R. Lanz. São Paulo: Ed. Antroposófica, 3ª ed. 1996. (Parte do volume GA 34 original.)

A Arte da Educação – O estudo geral do homem, uma base para a pedagogia. (14 palestras proferidas em Stuttgart de 21/8 a 5/9/1919, por ocasião da fundação da primeira escola Waldorf). Trad. R. Lanz e J. Cardoso. São Paulo: Ed. Antroposófica, 3ª ed. 2003.

Lanz, R. A Pedagogia Waldorf – Caminho para um Ensino mais Humano, 6a. ed. S.Paulo: Ed. Antroposófica, 1998 (com apêndices de V.W.Setzer).

ARCE, Alessandra. “Documentação oficial e o mito da educadora nata na educação infantil”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, Fundação Carlos Chagas; Campinas, Autores Associados, n. 113, pp. 167-184, julho de 2001. _____________. Pedagogia na “Era das Revoluções”: uma análise pensamento de Pestalozzi e Froebel. Campinas, SP: Autores Associados, 2002 KRAMER, R. e FREUD, A. Maria Montessori. 1988. LUZURIAGA, Lorenzo. La educacion nueva. Buenos Aires: Editorial Losada S.A, sexta edictión, 1961. 50 MONTESSORI, Maria. A criança – (tradução de Luiz Horácio da Mata). São Paulo : Nórdica, s.d. ___________________. Mente Absorvente – (tradução de Wilma Freitas Ronald de Carvalho). Rio de Janeiro: Editora Nórdica, 1949. ___________________. Pedagogia científica: a descoberta da nova criança – (tradução de Aury Azélio Brunetti). São Paulo: Flamboyant, 1965. SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia: teorias da educação.

PIKLER, Foundación Internacional. Álbum Fotográfico e Informativo acerca del Iinstituto Pikler, Budapest. TARDOS, Anna. Marian Reismann: relações. Revista De La In-Fan-cia. España: Asociación de Maestros Rosa Sensat, n. 42, marzo/abril, 1997. p. 12 – 17. TARDOS, Anna. Las actividades dirigidas. In: FALK, Judith. Lóczy, educación infantil. Barcelona: Octaedro-Rosa Sensat, 2010.

 



  • Leave a Comment