Artigos Educacionais, Lev Vygotsky

Pensamento e Linguagem de Vygostsky


Pensamento e Linguagem de Vygotsky: Artigo enviado pelo nosso parceiro “Professor Marcos L Souza – Pedagogo – Psicopedagogo – Educador musical – Historiador.

Pensamento e Linguagem de Vygotsky

Vygotsky desenvolveu inúmeros conceitos fundamentais para compreendermos a origem de nossas concepções e a forma como as exprimimos: “pensamento egocêntrico”, “pensamento socializado”, “conceito espontâneo”, “conceito científico”, “discurso interior”, “discurso exteriorizado”, e tantos outros. Para quem se interessa por entender as ideologias, comunicação, aprendizagem, doutrinação, persuasão esta é uma obra básica e indispensável.

Lev Semenovich Vygotsky (1896–1934) fez seus estudos na Universidade de  Moscou para tornar-se professor de literatura. O objetivo de suas pesquisas iniciais foi criação artística. Foi só a partir de 1924 que sua carreira mudou drasticamente, passando Vygotsky a dedicar-se a psicologia evolutiva, educação e psicopatologia. A partir daí ele concentrou-se nessas áreas  e  produziu obras em ritmo intenso até sua morte prematura em 1934, devido a tuberculose. Devido a vários fatores, inclusive a tensão política entre os Estados Unidos e a União Soviética após a última guerra, o trabalho de Vygotsky permaneceu desconhecido a grande parte do mundo ocidental durante décadas. Quando a Guerra Fria acabou, este incrível patrimônio de conhecimento deixado por Vygotsky começou a ser revelado. O nome de Vygotsky hoje_ dificilmente deixa de aparecer em qualquer discussão séria sobre processos de aprendizado.

Origens do pensamento e da língua de acordo com Vygotsky

Assim como no reino animal, para  o  ser humano pensamento e linguagem têm origens diferentes. Inicialmente o pensamento não é verbal e a  linguagem  não é intelectual. Suas trajetórias de desenvolvimento, entretanto, não são paralelas – elas cruzam-se. Em dado momento, a cerca de dois anos de idade,  as curvas de desenvolvimento do pensamento e da linguagem, até então separadas, encontram-se para, a  partir daí, dar início a uma nova forma de comportamento. É a partir deste ponto que o pensamento começa a se tornar verbal e a linguagem racional. Inicialmente a criança aparenta usar linguagem apenas para interação superficial em seu convívio, mas, a partir de certo ponto, esta linguagem penetra no subconsciente  para se constituir na estrutura do  pensamento da criança.

O significado das palavras e a formação de conceitos

… um problema deve surgir, que não possa ser solucionado a não ser que pela formação de um novo conceito (Vygotsky, 1962:55)

A partir do momento que a criança descobre que tudo tem um nome, cada novo objeto que surge representa um problema que a criança resolve atribuindo- lhe um nome. Quando lhe falta a palavra para nomear este novo objeto, a criança recorre ao adulto. Esses significados básicos de palavras assim adquiridos funcionarão como embriões para a formação de novos e mais complexos conceitos.

Pensamento, linguagem e desenvolvimento intelectual

De acordo com Vygotsky, todas as atividades cognitivas básicas do indivíduo ocorrem de acordo com sua história social e acabam se constituindo no produto do desenvolvimento histórico-social de sua comunidade (Luria, 1976). Portanto, as habilidades cognitivas e as formas de estruturar o pensamento do indivíduo não são determinadas por fatores congênitos. São, isto sim, resultado das atividades praticadas de acordo com os hábitos  sociais da cultura em que o indivíduo se desenvolve. Conseqüentemente, a história da sociedade na qual a criança se desenvolve e a história pessoal desta criança são fatores cruciais que vão determinar sua forma de pensar. Neste processo de desenvolvimento cognitivo, a linguagem tem papel crucial na determinação de como a criança vai aprender a pensar, uma vez que formas avançadas de  pensamento  são transmitidas à criança através de palavras (Murray Thomas, 1993).

Para Vygotsky, um claro entendimento das relações entre pensamento e língua é necessário para que se entenda o processo de desenvolvimento intelectual. Linguagem não é apenas uma expressão do conhecimento adquirido pela criança. Existe uma inter-relação  fundamental entre pensamento e linguagem, um proporcionando recursos ao outro. Desta forma a linguagem tem um papel essencial na formação do pensamento e do caráter do indivíduo.

Pensamento e Linguagem de Vygotsky
Pensamento e Linguagem de Vygotsky

Zona de desenvolvimento próximo

Um dos princípios básicos da teoria de Vygotsky é o conceito de “zona de desenvolvimento próximo”. Zona de desenvolvimento próximo representa a diferença entre a capacidade da criança de resolver problemas por si própria e a capacidade de resolvê-los com ajuda de alguém. Em outras  palavras,  teríamos  uma “zona de desenvolvimento auto- suficiente” que abrange todas as funções e atividades que a criança consegue desempenhar por seus próprios  meios,  sem ajuda externa. Zona de desenvolvimento próximo, por sua vez, abrange todas as funções e atividades que   a criança ou o aluno consegue  desempenhar apenas se houver ajuda de alguém. Esta pessoa que intervém para orientar a criança pode ser tanto  um adulto (pais, professor, responsável, instrutor de língua estrangeira) quanto um colega que já tenha desenvolvido a habilidade requerida. Uma analogia interessante nos vem à mente quando pensamos em zona de desenvolvimento próximo. Em mecânica, quando regula-se o ponto de um motor a explosão, este deve ser ajustado ligeiramente à frente do momento de máxima compressão dentro do cilindro, para maximizar a potência e o desempenho.

A ideia de zona de desenvolvimento próximo é  de grande relevância em todas as áreas educacionais. Uma implicação importante é a de que o aprendizado humano é de natureza social e é parte de um processo em que a criança desenvolve seu intelecto dentro da intelectualidade daqueles que a cercam (Vygotsky, 1978). De acordo com Vygotsky, uma característica essencial do aprendizado é que ele desperta vários processos de desenvolvimento internamente, os quais funcionam apenas quando a criança interage em seu ambiente de convívio.

A influência de Vygotsky na teoria de Krashen sobre aprendizado de línguas estrangeiras

O conceito de zona de desenvolvimento próximo tem clara semelhança com a hipótese input de Krashen, segundo a qual  o aprendizado ideal ocorre quando o aluno recebe input lingüístico de nível imediatamente superior ao seu. Por exemplo, se o aluno estiver num estágio ‘i’, assimilação máxima ocorrerá se ele  receber input inteligível correspondendo a um nível ‘i + 1’.

A hipótese aquisição-aprendizagem de Krashen influenciada por Vygotsky.

O conceito de aquisição delineado por Krashen mostra-se uma aplicação perfeita da teoria de desenvolvimento cognitivo como fruto da história da  experiência social do indivíduo de Vygotsky. O trabalho de Vygotsky ajuda  a explicar o desenvolvimento cognitivo do ser humano e também serve como base das recentes tendências na lingüística aplicada em direção a metodologias de ensino de línguas estrangeiras menos planificadas e mais naturais e humanas, mais comunicativas e baseadas na experiência prática em ambientes multiculturais de convívio.

PROBLEMA E ABORDAGEM

O estudo do pensamento e da linguagem é uma das áreas da  psicologia em que é particularmente importante ter- se uma compreensão clara das relações inter-funcionais existentes. Enquanto não compreendermos a inter-relação entre o pensamento e a palavra, não poderemos responder a nenhuma das questões mais específicas deste domínio, nem sequer levantá-las. Por mais estranho que  tal possa parecer, a psicologia nunca estudou sistematicamente e em pormenor as relações, e as inter-relações em geral nunca tiveram até hoje a atenção que merecem. Os modos de análise atomísticos e funcionais predominantes durante a última década tratavam os processos psíquicos de uma forma isolada. Os métodos de investigação desenvolvidos e aperfeiçoados tinham em vista estudar funções separadas, mantendo-se fora do âmbito da investigação a interdependência e a organização dessas mesmas funções na estrutura da consciência como um todo.

É verdade que todos aceitavam a unidade da consciência e a  inter-relação  de todas as funções psíquicas; partia-se da hipótese de que as funções isoladas operavam inseparavelmente, numa ininterrupta conexão mútua. Mas na velha psicologia, a premissa inquestionável da unidade combinava-se com  um  conjunto de pressupostos tácitos que a anulavam para todos os efeitos práticos. Tinha-se como ponto assente que a relação entre duas determinadas funções nunca variava: aceitava-se, por exemplo, que as relações entre a percepção e a atenção, entre a atenção e a memória e entre a memória e o pensamento eram constantes e, como constantes, podiam ser anuladas e ignoradas (e eram-no) no estudo das funções isoladas. Como as conseqüências das relações eram de fato nulas, via-se o desenvolvimento da consciência como determinado pelo desenvolvimento autônomo das funções isoladas. No  entanto, tudo o que sabemos do desenvolvimento psíquico indica que a sua essência mesma é constituída pelas variações ocorridas na estrutura inter- funcional da consciência. A psicologia terá que considerar estas relações e  as variações            resultantes       do        seu desenvolvimento como problema fulcral, terá que centrar nelas o estudo, em vez de continuar pura e simplesmente a postular    o inter-relacionamento geral de todas as funções. Para se conseguir um estudo produtivo da linguagem e do pensamento torna-se imperativo operar esta modificação de perspectiva.

Um relance sobre os resultados de anteriores investigações do pensamento e da linguagem mostrará que todas as teorias existentes desde a antigüidade até aos nossos dias, cobrem todo o leque que vai da identificação, da fusão entre o pensamento e o discurso num dos extremos, a uma quase metafísica separação e segregação de ambos, no outro. Quer seja expressão de um destes extremos na sua forma pura, quer os combinem, quer dizer, quer tomem uma posição intermédia, sem nunca abandonarem, contudo, o eixo que une os dois pólos, todas as várias teorias do pensamento e da linguagem permanecem dentro deste círculo limitativo.

Podemos seguir a evolução da idéia da identidade entre o pensamento e o discurso desde as especulações da lingüística psicológica, segundo a qual o pensamento é “discurso menos som”, até as teorias dos modernos psicólogos e reflexionistas americanos, para os quais o pensamento é um reflexo inibido do seu elemento motor. Em todas estas teorias a questão da relação existente entre o pensamento e o discurso perde todo o seu significado. Se são uma e a mesma coisa, não pode surgir entre eles nenhuma relação. Aqueles que identificam o pensamento com o discurso limitam-se a fechar a porta ao problema. À primeira vista, os partidários do ponto de vista oposto parecem estar em melhor posição. Ao encararem o discurso como simples manifestação externa, como simples adereço que reveste o pensamento e ao tentarem libertar o pensamento de todas as suas componentes sensoriais, incluindo as palavras (como faz a escola de Wuerzburg), não se limitam a pôr o problema das relações existentes entre as duas funções, como tentam, também, à sua maneira, resolvê-lo. Na realidade, contudo, são incapazes de colocar a questão de uma maneira que permita dar- lhe uma solução real. Tendo tornado o pensamento e o discurso independentes e “puros” e tendo estudado cada uma destas funções isoladamente, são forçados a ver as relações entre ambas como uma conexão mecânica, externa, entre dois processos distintos, A análise do processo do pensamento verbal em dois elementos separados e basicamente diferentes impede todo e qualquer estudo das relações intrínsecas entre o pensamento e a linguagem.

O erro está  nos métodos de análise adotados pelos investigadores precedentes. Para tratarmos com êxito da questão da relação entre o pensamento e a linguagem teremos que começar por nos perguntar a nós próprios, antes do mais, que método será mais suscetível de nos fornecer uma solução. Dois          métodos            essencialmente diferentes de análise são possíveis no estudo das estruturas psicológicas. Parece-nos que um deles é responsável por todos os fracassos com que se defrontaram os anteriores investigadores do velho problema que, por nosso turno, estamos começando a abordar e que o outro método é a única via correta para perspectivar a questão.

O primeiro método analisa os conjuntos psicológicos complexos em elementos. Pode ser comparado à análise química da água em hidrogênio e oxigênio, elementos que, cada um de per si não possuem as propriedades do todo e possuem propriedades que não existem no todo. O estudante que utilizar este método na investigação de uma qualquer propriedade da água — por exemplo qual a razão por que a água apaga o fogo — verificara com surpresa que o hidrogênio arde e que o oxigênio alimenta o fogo. Estas descobertas não lhe serão de grande utilidade na resolução dos problemas. A psicologia enfia-se na mesma espécie de beco sem saída quando analisa o pensamento verbal nos elementos que o compõem — a palavra e o pensamento — e estuda cada um deles em separado. No decurso da análise as propriedades  originais do pensamento verbal desapareceram. Nada resta  ao investigador, senão indagar a interação mecânica dos dois elementos na esperança de reconstruir, de forma puramente especulativa, as evocadas propriedades do todo. Este tipo de análise desloca o problema para um nível de maior naturalidade; não nos fornece nenhuma base adequada para , estudarmos as multiformes relações concretas entre o pensamento e a linguagem que surgem no decurso do desenvolvimento e do funcionamento do discurso verbal  em  todos os seus aspectos Em vez de nos permitir examinar e explicar casos e frases específicas e determinar regularidades que ocorrem no decurso dos acontecimentos, este método produz generalidades relativas a todo e qualquer discurso e a todo e qualquer pensamento. Além disso, induz- nos em sérios erros ao ignorar a natureza unitária do processo em estudo, pois cinde em duas partes a unidade viva entre o som e o significado a que chamamos palavra e parte da hipótese de que essas duas partes só se mantêm unidas por simples ações mecânicas.

O ponto de vista segundo o qual o som e o significado são dois elementos separados com vidas separadas afetou gravemente o estudo de ambos os aspectos da linguagem, o fonético e o semântico. O estudo dos sons da fala  como  simples sons, independentemente da sua conexão com o pensamento, por mais exaustivo que seja, pouco terá a ver com a sua função como linguagem humana, na medida em  que não dilucida as propriedades físicas e psicológicas específicas da linguagem falada, mas apenas as propriedades comuns a todos os sons existentes na natureza. Da mesma forma, se estudarem os significados divorciados do discurso, aqueles resultarão forçosamente num puro ato de pensamento que se desenvolve e transforma independentemente do seu veículo material. Esta separação entre  o significado e o som é grandemente responsável pela banalidade da fonética e da semântica clássicas. Também na psicologia infantil, se tem estudado separadamente os aspectos fonético e semântico do desenvolvimento da linguagem. Estudou-se com grande pormenor o desenvolvimento fonético; no entanto, os dados acumulados fraco contributo trouxeram à nossa  compreensão do desenvolvimento linguístico enquanto tal e a relação entre eles e as descobertas relativas à genética do pensamento continuam a ser essencialmente nulas.

Entendemos por unidade o produto da análise que, ao contrário dos elementos, conserva todas  as propriedades fundamentais do todo e que não pode ser subdividido sem que aquelas se percam: a chave da compreensão das propriedades da água são as suas moléculas e não a sua composição atômica. A verdadeira unidade da análise biológica é a célula viva, que possui todas as propriedades básicas do organismo vivo.

Qual é a unidade do pensamento verbal que satisfaz estes requisitos fundamentais?

Cremos que podemos encontrá-la no aspecto interno da palavra, no seu significado, porém realizaram- se muito poucas investigações sobre o aspecto interno da linguagem, e as que se realizaram pouco nos podem dizer sobre o significado das palavras que não se  aplique na mesma medida a outras imagens e atos do pensamento. A natureza do significado enquanto tal não é clara; no entanto, é no significado que o pensamento e o discurso se unem em pensamento verbal. É no significado, portanto, que poderemos encontrar a resposta às nossas perguntas sobre a relação entre o pensamento e o discurso.

A nossa investigação experimental, bem como a analise teórica nos indicam que, tanto a psicologia da Forma (Gestalt), como psicologia associacionista, têm seguido direções erradas na investigação  da natureza intrínseca do significado das palavras. Uma palavra não se refere a um objeto simples, mas a um grupo ou a uma classe de objetos e, por conseguinte, cada palavra é já de si uma generalização. A generalização é um ato verbal de pensamento e reflete a realidade duma forma totalmente diferente da sensação e da percepção. Esta diferença qualitativa a se encontra implicada na proposição segundo a qual há um  salto  qualitativo não só entre a total ausência de consciência (na matéria inanimada) e a sensação, mas também entre a sensação e o pensamento. Temos todas as razões para supor que a distinção qualitativa entre a sensação e o pensamento é a presença no último de um reflexo generalizado da realidade, que é também a essência do significado das palavras e de que, por conseguinte, o significado é um ato de pensamento no sentido completo da expressão. Mas, simultaneamente, o significado é uma parte inalienável da palavra enquanto tal, pertencendo, portanto, tanto ao domínio da linguagem como ao do pensamento. Uma palavra sem significado é um som vazio, já não fazendo parte do discurso humano. Como o significado das palavras é, simultaneamente, pensamento e linguagem, constitui a unidade do pensamento verbal que procurávamos Portanto, torna-se claro que o método a seguir na nossa indagação da natureza do pensamento verbal é a análise semântica;

— o estudo do desenvolvimento, do fundamento e da estrutura desta unidade, que contém o pensamento a linguagem inter-relacionados.

Este método combina as vantagens da análise e da síntese e permite adequado estudo dos todos complexos. Em jeito de ilustração tomemos outro aspecto ainda do nosso objeto de estudo, que também foi muito descurado no passado. A função primordial da linguagem é a comunicação, intercâmbio social. Ao estudar-se a linguagem por meio da análise em elementos, dissociou-se também esta função da função intelectual do discurso. Tratava-se ambas como se fossem duas funções separadas, embora paralelas, sem prestar atenção às suas inter-relações estruturais e evolutivas; contudo, o significado das palavras é unidade de  ambas as funções da linguagem. É axioma da psicologia científica que a compreensão entre espíritos é impossível sem qualquer expressão mediadora. Na ausência de um sistema de signos, lingüísticos ou não, só é possível o mais primitivo e limitado tipo de comunicação. A comunicação por meio de movimentos expressivos, observada sobretudo entre os animais não é tanto comunicação mas antes uma difusão de afeto. O ganso atemorizado que de súbito se apercebe dum perigo e alerta todo o bando com os seus gritos não está dizendo aos restantes o que viu, antes está contaminando os outros com o seu medo.

A transmissão racional, intencional de experiências e de pensamentos a outrem exige um sistema mediador, que tem por protótipo a linguagem humana nascida da necessidade do intercâmbio durante o trabalho. Segundo a tendência dominante, a psicologia descreveu esta questão de uma forma demasiado simplificada, até muito recentemente. Partiu da hipótese de que o meio de comunicação era o signo (a palavra ou o som); de que, pela ocorrência simultânea, um som poderia ir-se associando com o conteúdo de qualquer experiência, passando a servir para transmitir o mesmo conteúdo a outros seres humanos. No entanto, um estudo mais aturado da gênese do conhecimento e da comunicação nas crianças levou  à conclusão de que a comunicação real exige o significado — isto é, a generalização — tanto quanto os signos. Segundo a penetrante descrição de Edward Sapir, o mundo da experiência tem que ser extremamente simplificado e generalizado antes de poder ser traduzido em símbolos. Só desta forma se torna possível a comunicação, pois a experiência pessoal habita exclusivamente a própria consciência do indivíduo e não é transmissível, estritamente falando.  Para se tornar comunicável terá  que subsumir- se em determinada categoria que, por convenção tácita, a sociedade humana encara como uma unidade. Pesquisar a verdadeira   comunicação   humana pressupõe uma atitude generalizadora, que constitui um estádio avançado da gênese do significado das palavras. As formas mais elevadas do intercâmbio humano só são possíveis porque o pensamento do homem, reflete a atualidade conceitualizada. É por isso que certos pensamentos não podem ser comunicados às crianças mesmo quando estas se encontram familiarizadas com as palavras necessárias a tal comunicação. Pode faltar o conceito adequado sem o  qual não é possível uma  compreensão total. Nos seus escritos pedagógicos, Tolstoy afirma que as crianças experimentam amiúde certas dificuldades para aprenderem uma palavra nova não pelo seu som, mas devido ao  conceito  a que a palavra se refere Há quase sempre uma palavra disponível — quando o conceito se encontra maduro.

A concepção do significado das  palavras como unidade simultânea do pensamento generalizante e  do intercâmbio social é de um valor incalculável para  o estudo do pensamento  e da linguagem. Permite-nos uma verdadeira análise genético-causal, um estudo sistemático das relações entre o desenvolvimento da capacidade intelectiva da criança e do seu desenvolvimento  social. Pode considerar-se como objeto de estudo secundário a relação mútua entre a generalização e a comunicação.

O mais importante de todos é a relação entre o aspecto fonético da linguagem e o significado. Estamos em crer que os recentes e grandes passos em frente da lingüística se ficam em grande medida a dever a alterações operadas nos métodos de análise empregues no estudo da linguagem. A lingüística tradicional, com a sua concepção do som como elemento independente da linguagem, usava o som isolado como unidade de análise Em resultado disto, centrava-se na fisiologia e na acústica mais do que na psicologia do discurso. A lingüística moderna utiliza o fonema, a mais pequena unidade fonética indivisível pertinente para o significado, unidade essa que, portanto, é característica da linguagem humana distinta dos outros sons. A sua introdução como unidade de análise beneficiou a psicologia tanto como a lingüística. Os benefícios concretos a que se chegou com  a aplicação deste método provam terminantemente o seu valor. Este método é essencialmente semelhante ao método de análise em unidades, distintas dos elementos, que utilizamos na nossa investigação.

A fertilidade do nosso método pode ficar patente também noutras questões relativas às relações entre as funções, ou entre a consciência como um todo e as suas partes. Uma breve referência a pelo menos uma destas questões indicará uma direção que o nosso estudo poderá vir a tomar futuramente, e assinalar o contributo do presente estudo. Estamos a pensar na relação entre o intelecto e o afeto. A sua separação como objetos de estudo é uma importante debilidade da psicologia tradicional pois que faz com que o processo de pensamento surja como uma corrente autônoma de “pensamentos que pensam por si próprios”, dissociada da plenitude da vida, das necessidades e interesses, das inclinações e dos impulsos pessoais de quem pensa. Tal pensamento dissociado terá que ser considerado quer como um epifenômeno sem significado, que não poderá alterar de maneira nenhuma a vida e a conduta de uma pessoa, quer como uma espécie de força primeira que influenciaria a vida pessoal de uma forma inexplicável, misteriosa. Fecha-se assim a porta à questão da causa e da origem dos nossos pensamentos, visto que a análise determinista exigiria uma clarificação das forças motrizes que orientam o pensamento por esta ou aquela via. Pela mesma razão, a velha abordagem impede qualquer estudo frutuoso do processo inverso: a influência do pensamento sobre o aspecto e a vontade.

A análise por unidades aponta a via para a resolução destes problemas de importância vital. Ela demonstra que  existe um sistema dinâmico de significados em que o afetivo e o intelectual se unem, mostra que todas as idéias contém, transmutada, uma atitude afetiva  para com a porção de realidade a que cada uma delas se refere. Permite-nos, além disso, seguir passo a passo a trajetórias entre as necessidades e os impulsos de uma pessoa   e a direção específica tomada pelos seus pensamentos, e o caminho inverso,  dos seus pensamentos  ao  seu  comportamento e à sua atividade. Este exemplo deveria bastar para mostrar que o método utilizado neste estudo do pensamento e da linguagem é também uma ferramenta promissora para investigar a relação entre   o pensamento verbal e a consciência como um todo e entre aquele e as outras funções essenciais desta última.


Pensamento e Linguagem de Vygotsky

Se gostou da postagem, não deixe de compartilhar com seus amigos nas redes sociais e também deixe um comentário aqui em nosso site com sua opinião e sugestões para outras postagens.

Curta e Compartilhe com seus amigos: @SÓ ESCOLA


One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *