A Bela e a Fera


Bela e a Fera é uma história popular de crianças francesas que passou de uma geração para a próxima até hoje. Não se sabe quem escreveu, mas acredita-se que pode ser baseado na história “Cupido e Psique” do escritor romano Apuleio.

A versão publicada pela primeira vez veio da pena do escritor francês Gabrielle-Suzanne Barbot, embora anos mais tarde ele foi coberto por outros autores como Gianfrancesco Straparola e Jeanne-Marie Leprince de Beaumont, cuja história é um dos mais conhecidos. “A Bela e a Fera” também foi adaptado para teatro, cinema e televisão e foi traduzido para várias línguas.

Sem dúvida, seu sucesso se deve ao fato de ser uma história atemporal que se concentra na beleza interior e na importância de não se deixar levar pelas aparências. Uma história perfeita para os pequenos entenderem o valor do amor e aprenderem a aceitar as diferenças.

Kit Alfabetização Só Escola

A Bela e a Fera – Uma linda história para refletir com as crianças

Havia uma vez um homem muito rico que tinha três lindas filhas. No entanto, durante a noite ele perdeu quase toda a sua fortuna e a família teve que vender sua grande mansão e se mudar para uma pequena cabana.

Acostumada às opulências de sua vida anterior, as duas filhas mais velhas passaram o dia reclamando de consertar suas roupas e porque não podiam mais ir a festas. Por outro lado, a garotinha, a quem chamavam de Bella por causa de seu rosto doce e bom caráter, nunca reclamou e estava sempre feliz por poder ajudar suas irmãs e seu pai.

Cansado de procurar emprego e não encontrá-lo, o pai decidiu ir um dia à cidade em busca de novas oportunidades, pois havia rumores de que havia um comerciante que oferecia bons empregos. Antes de começar a viagem, o homem perguntou a suas filhas o que elas gostariam que ele tomasse de presente se pudesse ganhar um pouco de dinheiro. Sem pensar, as duas filhas mais velhas disseram:

– Para mim um lindo vestido – disse a irmã mais velha.

– E um colar de prata para mim, disse a irmã do meio.

Vendo que Bella não pediu nada, o pai perguntou o que ela queria.

– Eu só quero que você volte para casa sã e salva. Isso é o suficiente para mim.

No entanto, seu pai insistiu:

– Oh, Bella, deve haver algo que você queira!

– Bem, então me traga uma rosa com pétalas vermelhas para colocar no meu cabelo. Eu sei que estamos no inverno, então se você não consegue encontrar nenhum, eu vou entender.

– Farei tudo o que puder para agradar vocês três, minhas filhas.

Dizendo isso, ele partiu a pleno galope.

Na cidade, tudo deu errado. Ele não encontrou emprego em nenhum lugar. Os únicos presentes que ela poderia comprar eram frutas e chocolate para suas duas filhas mais velhas, mas ela não conseguiu a flor para Bella. Ao voltar para casa, seu cavalo machucou uma perna e teve que desmontar e caminhar ao lado dela.

De repente, quando a noite caiu, uma tempestade de neve irrompeu e o infeliz se viu perdido no meio de uma floresta escura.

Então ele notou, através da nevasca, uma grande parede e portas com barras de ferro forjado que estavam fechadas. No final do jardim havia uma grande mansão com luzes fracas nas janelas.

– Se eu pudesse me abrigar aqui até a tempestade passar – ele pensou em voz alta.

De repente, as portas se abriram e o vento do furacão o empurrou pelo caminho até as escadas da casa. A porta da frente se abriu com um guincho e o homem viu uma mesa com candelabros em que havia iguarias tentadoras.

O homem olhou para trás, através da neve rodopiante, e viu que as portas com grades haviam se fechado e que seu cavalo havia desaparecido. Sem outra alternativa, ele entrou, embora estivesse com muito medo. A porta rangeu novamente e fechou-se atrás dele.

Enquanto examinava a sala, uma das cadeiras se separou da mesa, convidando-o a sentar-se.

– Parece que estou bem recebido. Vou tentar aproveitar tudo isso – ele pensou enquanto se sentava à mesa.

Depois de ter comido e bebido tudo o que queria, ele notou um grande assento em frente ao fogo, com um cobertor de peles. Ele estava tão cansado que não pensou duas vezes e se deitou no assento em frente à lareira até adormecer.

Quando ele acordou, já era de manhã. Levantou-se totalmente recuperado e sentou-se à mesa, onde o café da manhã o esperava. Uma rosa com pétalas vermelhas, colocada em um vaso de prata, adornava a mesa. Com grande surpresa, ele exclamou:

– Uma rosa vermelha! Que sorte! Finalmente Bella terá seu presente.

Ele comeu o quanto pôde, levantou-se e pegou a rosa do vaso. Naquele momento, um rugido terrível encheu a sala. O fogo na lareira pareceu encolher e as velas tremeram. A porta se abriu e uma figura assustadora surgiu diante de seus olhos.

Era um homem ou uma fera? A figura estranha usava roupas de cavaleiro, mas tinha garras cabeludas em vez de mãos e sua cabeça estava coberta por um cabelo emaranhado. Mostrando suas presas terríveis rosnou:

– Você ia roubar minha rosa, né? Como você me agradece pela minha hospitalidade?

Ao ouvir essas palavras, o homem quase morre de medo.

– Por favor, me perdoe, senhor. Foi pela minha filha Bella. Mas vou devolvê-lo instantaneamente, não se preocupe.

– Tarde demais. Agora você tem que levá-la e você vai me enviar sua filha em seu lugar.

Não! Não! Não!

– Então vou mantê-lo prisioneiro até que você morra na masmorra.

– Eu prefiro ficar preso antes de deixar minha filha em cativeiro.

– Se você enviar para mim, eu não vou tocar um único fio de cabelo na sua cabeça e viver como uma rainha. Você tem minha palavra

– O pai da menina, morrendo de medo, concordou com o horrível tratamento. Então a Besta deu-lhe um anel mágico graças ao qual sua filha podia viajar para a mansão, ele só tinha que dar três voltas.

Quando o homem saiu, seu cavalo estava esperando por ele na neve, que surpreendentemente estava curado, selado e pronto para a marcha. A volta para casa foi uma provação, mas ainda pior foi a chegada, quando ele teve que contar às filhas o que havia acontecido. Bella perguntou:

– Ele disse que não ia me machucar, né pai?

– Ele me deu sua palavra, querida.

– Então me dê o anel. E por favor, não se esqueça de mim.

Ele se despediu com um beijo, colocou o anel e deu três voltas. O segundo foi encontrado na mansão da Besta.

Ninguém recebeu e Bella começou a visitar a mansão. Tudo estava muito bom: as portas abertas sozinho, lustres flutuaram para cima para iluminar o caminho de seu quarto, a comida apareceu servido à mesa e misteriosamente como ele voltou já tinha pego os pratos, mas não vi nenhum servo.

Bella não estava com medo, mas logo ela começou a se sentir tão solitária que começou a desejar que a Fera falasse com ela, por mais horrível que fosse.

Um dia, enquanto caminhava pelo jardim, a Besta saiu de trás de uma árvore. Bella não pôde reprimir um grito, enquanto cobria o rosto com as mãos. No entanto, a Besta começou a falar tentando esconder a dureza de sua voz.

– Não tenha medo, Bella! Acabei de lhe desejar bom dia e perguntar se você se sente bem na mansão.

Bem, prefiro estar na minha casa. Mas estou bem cuidada, obrigado.

– bom. Você se importaria de dar um passeio comigo?

Os dois caminharam pelo jardim e se divertiram tanto que, a partir daquele momento, a Besta muitas vezes foi falar com Bella.

Uma noite, Bella o viu rastejando na grama, sob o luar. Impressionada, ela pensou que iria caçar sua comida. Quando a Besta levantou os olhos e viu na janela, ele cobriu o rosto com as garras e deu um rugido de vergonha.

No entanto, apesar de sua fealdade. Bella se sentiu tão sozinha e ele foi tão gentil que começou a gostar de sua companhia e até sentiu sua falta quando ele não estava lá.

Uma tarde, enquanto Bella lia sentada perto do fogo, a Besta propôs algo incomum.

– Casar comigo, Bella.

Ele parecia tão esperançoso que Bella sentiu pena.

– Eu realmente aprecio você, Besta, mas eu não quero me casar com você. Não te quero.

A Besta era insistente, então ele repetia frequentemente sua oferta de casamento. Mas Bella sempre recusou muito gentilmente.

Um dia, ele a encontrou chorando ao lado de uma fonte no jardim.

– Besta! Tenho vergonha de você me ver chorando, especialmente porque você sempre foi muito gentil comigo. Mas o inverno está chegando. Estou aqui há quase um ano e sinto saudades da minha casa. Tenho muita saudade do meu pai.

Com alegria, ele ouviu a besta responder:

– Você pode ir para casa por sete dias, se você prometer voltar.

Bella prometeu-o instantaneamente, em seguida, a Besta deu a ela o anel e disse que não só iria levar para casa, mas cada vez que eu queria vê-lo só tinha que colocá-lo e ver imediatamente o que estava fazendo. Bella pegou o anel, deu três vezes e apareceu na pequena cozinha de sua casa na hora do almoço. Todos ficaram surpresos e muito felizes em vê-la.

Bella contou à sua família todas as coisas que haviam acontecido com seu estranho anfitrião e eles contaram a ela as boas notícias por sua vez. A feliz semana passou sem quaisquer palavras ou sinais da Besta, então Bella pensou em ficar um pouco mais para aproveitar sua família.

Assim, mais uma semana se passou e, para seu alívio, nada aconteceu. A família também respirava com facilidade. Mas uma noite, enquanto penteava o cabelo na frente do espelho, ele queria ver o que estava acontecendo na mansão, colocou o anel e de repente a Besta apareceu, deitada sob o luar, coberta quase completamente de folhas. Bella, preocupada com sua amiga, pensou consigo mesma:

– Besta! Por favor, não morra Eu volto em breve.

Instantaneamente, ele virou o anel três vezes e encontrou-se ao seu lado no jardim. Ele colocou a enorme cabeça da Besta em seu colo e disse:

– Besta, eu não quero que você morra, eu te amo tanto que não sei o que faria sem você.

Bella tentou empurrar as folhas de seu rosto enquanto lágrimas brotavam de seus olhos e pulverizavam a cabeça da Fera. De repente, uma voz com um tom diferente se dirigiu a Bella.

– Enxugue suas lágrimas e olhe para mim, Bella.

Bella olhou para baixo e percebeu que ela estava acariciando cabelos dourados. A Besta havia desaparecido e em seu lugar havia um jovem muito bonito. A jovem mulher pegou a cabeça entre as mãos e perguntou:

– Mas, quem é? Onde está minha besta?

Bella, minha linda Bella! Eu era um príncipe condenado a viver sob o disfarce de um monstro, até que uma bela jovem veio me amar. Agora que você me ama, eu coloco a seus pés, junto com meu profundo amor, minhas riquezas.

Então Bella ajudou-o a ficar de pé. Olhando um para o outro com profundo amor, ambos se estreitaram em um longo e forte abraço. Alguns dias depois eles se casaram e ficaram muito felizes para sempre.

A Bela e a Fera

Você gostou da história infantil de “A Bela e a Fera“? Se você quiser saber mais histórias para compartilhar com seus filhos e desfrutar como uma família, você pode encontrá-los em (Histórias e Contos Infantis).



  • Deixe um Comentário