Dicas, Lateralidade

Lateralidade


Lateralidade é o uso que as pessoas fazem de uma das duas partes do seu corpo. Todas as funções corporais são determinadas pelo lado esquerdo ou pelo direito.
Lateralidade é sinônimo de diferenciação e organização.
A criança, como também o adulto, tem sempre um lado do corpo que utiliza mais quando executa uma atividade, um movimento, como pegar e usar objetos, escrever, etc. Não se deve forçar a mudança do lado dominante da criança. O conhecimento e o domínio específico de um dos lados do corpo só é adquirido por ela quando há uma perfeita sintonia do esquema corporal.
O bebê ao nascer não tem opção por nenhum dos lados do corpo, ou seja, a posição reflexa é assimétrica: os membros do corpo ficam esticados para o lado em que a cabeça está virada. Já no terceiro mês de vida, ela entra num período de simetria: quando deitada de costas, movimenta igualmente os dois lados.
Aproximadamente com um ano meio de idade, já expressa preferência por um dos lados do corpo, notando-se isso quando ela passa a usar sempre a mesma mão para realizar determinadas tarefas. Mas nem sempre essa preferência se mantém; os dois lados são ainda utilizados.
Aos três anos ela já utiliza exclusivamente a mão dominante. É importante então não forçá-la a usar só a mão direita se o predomínio é dado à mão esquerda.

Para um efetivo conhecimento da lateralidade, é preciso levar a criança a:

  • dominar a noção de esquerda/direita em relação a seu corpo e ao ambiente;
  • estabelecer com clareza o lado dominante do seu corpo;
  • empregar os termos direita e esquerda;
  • compreender que nosso sistema de escrita é convencionado da esquerda para a direita.
O domínio da lateralidade faz parte de um complexo de habilidades que envolvem o esquema corporal, a orientação espaço-temporal e as percepções.

Lateralidade: Como se desenvolve?

Durante o desenvolvimento do ser humano (por volta dos 6 aos 8 anos de idade) é que a Lateralidade se manifesta. Apesar de ser congênita, ela não surge de forma súbita, mas sim aos poucos.

A predileção não ocorre só por uma das mãos, mas sim também por um dos pés ou ainda por um dos olhos, tais fenômenos vão se revelando gradualmente.

Antes da definição do termo Lateralidade, as crianças expressam a preferência por uma das mãos em suas atividades, principalmente, nas escolas onde são trabalhados o desenvolvimento cognitivo e práticas relacionadas à psicomotricidade. Este fenômeno é dirigido pelo cérebro.

Sabe-se que crianças canhotas (que apresentam habilidades com a mão esquerda) sofreram bastante, uma vez que eram consideradas anormais, principalmente na escola, onde eram severamente punidas, com seus braços esquerdos atados pelos professores.

Hoje, especialistas alertam e afirmam que canhotos não devem ser reprimidos, pois esta atitude pode provocar sérios danos à criança, uma vez que seus movimentos estão ligados diretamente à área cerebral. Obrigar uma criança canhota a usar o lado direito pode trazer graves problemas de aprendizagem e de orientação espacial.

Há ainda a Lateralidade Cruzada, quando se apresenta a mão esquerda predominante, ao mesmo tempo em que a perna direita é a que se destaca; ou melhor: um canhoto com olho direito predominante. Crianças que apresentam esses fenômenos necessitam se submeter a um processo de organização da sua psicomotricidade, ou seja, de autocontrole muscular para sintonizar suas predileções através de atividades escritas, visuais e motoras, já que, podem apresentar distúrbios de aprendizagem, segundo pesquisas realizadas por especialistas.

Atividades diversas que estimulam a Lateralidade:

Locomotoras:

As atividades locomotoras possibilitam ao corpo se deslocar no espaço. Envolvem atividades de rolar para frente, para trás, para o lado rastejar, caminhar, correr, saltar e saltitar.

Exemplos práticos:

  • Caminhar na ponta dos pés;
  • Caminhar livremente sem esbarrar nos colegas;
  • Caminhar sobre linhas desenhadas no chão;
  • Caminhar primeiro de olhos abertos e, em seguida, de olhos fechados;
  • Caminhar como um anão e como um gigante;
  • Caminhar atravessando obstáculos;
  • Saltar só com o pé direito, depois só com o pé esquerdo, com movimentação acelerada e lentamente.
  • Saltar obstáculos, ora pisando em todos, ora saltando um, saltando dois etc.
  • Saltar desviando de obstáculos;
  • Saltar para dentro de um arco e depois para fora dele;
  • Saltar no mesmo lugar, com os pés juntos: para frente, para trás, para um dos lados, para o outro;
  • Saltar uma corda balançando: com os pés juntos, alternando um pé e outro;
  • Correr, livremente, movimentando todo o corpo;
  • Correr, acompanhando o ritmo de palmas;
  • Correr, chutando um objeto;
  • Correr com um colega: lado a lado, atrás dele, segurando nos ombros como um trenzinho;
  • Correr, transportando um recipiente plástico cheio de água sem derrubar o líquido;
  • Imitar o pulo do sapo, do macaco, a minhoca se arrastando, o peixe nadando (peça também para que imite os sons conhecidos, exercitando a memória)
  • Andar imitando um trenzinho, transpondo obstáculos, passando por baixo de mesas, vai parecer percorrer um túnel, circundar objetos.

Recomendo também: Plano de Aula

Não-locomotoras:

As atividades não – locomotoras não envolvem mudança de um ponto para outro no espaço. Exemplos: equilibrar, flexionar, estender, torcer, balançar, chacoalhar, girar e relaxar.

Exemplos práticos:

  • Balançar partes do corpo, exemplos: balançar somente os braços, só uma perna, só a cabeça;
  • Equilibrar-se com os braços erguidos e os olhos fechados;
  • Equilibrar-se na ponta dos pés;
  • Flexionar as pernas, braços e tronco;
  • Morto-vivo;

Manipulativas:

As atividades manipulativas envolvem o manejo ou manuseio de objetos. Exemplos: carregar, chacoalhar, balançar, levantar, empurrar, puxar, equilibrar (habilidades que envolvam contato), bater, chutar, arremessar, rebater, pegar e pendurar.

Exemplos práticos:

  • Arremessar a bola a um colega, deixando-a dar dois piques no chão;
  • Passar uma bola, sucessivamente, por entre as pernas, primeiro sob a direita, depois sob a esquerda, por cima da cabeça e entre as pernas novamente;
  • Jogar uma bola a um colega, agachando-se, aumentando e diminuindo a distância;
  • Andar, com as pernas abertas, sobre uma corda esticada no chão;
  • Passar sob uma corda, que dois colegas seguram, sem encostar-se a ela;
  • Jogar com um colega, ambos parados, usando as duas mãos. Variar a atividade continuando o lançamento, ambos em movimento e usando só uma das mãos.

Atividades Lúdicas e Sensoriais para trabalhar a Lateralidade.

Atividades lúdicas e sensoriais são utilizadas para ajudar a criança a explorar de forma divertida a si mesmo e o mundo ao seu redor. Os primeiros anos de vida oferecem novas experiências para que sejam estimulados todos os sentidos: a visão, a audição, o tato, o olfato e o paladar. Portanto, estimulá-los faz parte do desenvolvimento da criança.

Exemplos práticos:

  • Jogos de memória;
  • Recorte e colagem (papel picado, grãos, contas);
  • Rasgar papéis com as mãos;
  • Amassar os papéis picados;
  • Confecção de colares;
  • Pintura a sopro, a dedo e/ou a pincel;
  • Massinhas de modelar;
  • Argila;
  • Brincar de faz-de-conta;
  • Mímicas: rir, chorar, dar gargalhadas, fazer caretas, piscar;
  • Dançar;
  • Reconhecer e nomear partes do seu corpo e dos outros;
  • Brincar com água, terra, argila,areia, barro;
  • Reconhecer os sabores: doce, salgado, amargo, azedo;
  • Reconhecer as temperaturas: frio, quente, gelado;
  • Participar de brincadeiras rimadas e ritmadas, cantigas de roda, canções folclóricas;
  • Dramatizar cenas familiares e histórias curtas e repetidas frequentemente;
  • Observar e explorar o ambiente através do tato;
  • Identificar formas: quadrado, círculo, triângulo, retângulo;
  • Identificar cores;
  • Representar, por meio de gestos, sem utilização de objetos: o fechar portas, calçar sapatos, receber uma visita, cozinhar, lavar, etc;
  • Rodinha para conversação;
  • Brincadeiras com bolas, petecas, balões, água, massa para desenvolver a percepção tridimensional, a percepção de distância e orientação espacial;
  • Ajudá-la no desenvolvimento do vocabulário, encorajando-a na identificação das atividades realizadas nas tarefas diárias;
  • Ensiná-la a identificar as roupas que usa e os diferentes passos no processo de vestir e despir;
  • Confecção de bandinha rítmica, para propiciar o canto acompanhado de instrumentos musicais.

Com informações dos sites: InfoEscolaPortal Educação e Universo Especial.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *