Brinquedos que afetam o desenvolvimento da linguagem infantil

Os brinquedos desempenham um papel importante no desenvolvimento infantil. Eles não apenas estimulam a fantasia e a criatividade, mas também podem aprimorar o desenvolvimento de habilidades como atenção, pensamento e linguagem. No entanto, nem todos os brinquedos têm o mesmo potencial educacional. Alguns podem até ser contraproducentes e, ao invés de estimular o desenvolvimento infantil, acabam limitando-o.

O desenvolvimento da linguagem, por exemplo, é particularmente importante porque influencia o sucesso da criança na leitura e na escrita, além de facilitar a adaptação ao ambiente social. No entanto, um estudo realizado na University of Northern Arizona revelou que alguns dos brinquedos que são comercializados como educacionais na verdade têm o efeito oposto e acabam prejudicando o desenvolvimento da linguagem das crianças.

A comunicação entre pais e filhos durante as brincadeiras é essencial para o desenvolvimento da linguagem

O estudo em questão foi realizado com 26 pares de pais e filhos com idades entre 10 e 16 meses. A pesquisadora observou as brincadeiras com brinquedos eletrônicos, brinquedos tradicionais e livros em casa por quinze minutos, durante três dias.

Os brinquedos eletrônicos escolhidos foram: laptop para bebês, fazenda falante e mobile para bebês por se enquadrarem na categoria que é comercializada como “educativa” para promover o desenvolvimento da linguagem em crianças dessa faixa etária. Em vez disso, os brinquedos convencionais usados ​​foram: um quebra-cabeça de animal de fazenda, um classificador de formas e alguns blocos de construção.

A pesquisa analisou o número de palavras utilizadas pelos adultos, as vocalizações das crianças, os turnos de conversação, as respostas verbais dos pais às expressões dos filhos e as palavras produzidas pelos pais em diferentes categorias semânticas durante as sessões de jogo. Assim, constatou-se que o tipo de brinquedo estava relacionado à linguagem utilizada durante as sessões de brincadeira.

Durante a brincadeira com brinquedos eletrônicos, os adultos se comunicaram menos com seus filhos, houve menos conversas, menos respostas dos pais e menos palavras específicas para o conteúdo do que durante a brincadeira com brinquedos ou livros tradicionais.  Não é novidade que as crianças também vocalizaram menos ao usar os brinquedos eletrônicos.

O estudo conclui que “ brincar com brinquedos eletrônicos está associado a uma menor quantidade e qualidade de linguagem, se comparado a brincar com livros ou brinquedos tradicionais. Para promover o desenvolvimento inicial da linguagem, as brincadeiras com brinquedos eletrônicos devem ser desencorajadas. Os brinquedos tradicionais podem ser uma alternativa valiosa para passar o tempo de brincadeira entre pais e filhos, caso eles não gostem de ler . 

A importância do contexto linguístico para o desenvolvimento da linguagem infantil

Hoje, os pais também são “bombardeados” por anúncios de brinquedos “educacionais” que afirmam promover o desenvolvimento da linguagem em crianças pequenas, mesmo quando são bebês. Geralmente são brinquedos eletrônicos movidos a bateria com botões que produzem luzes, sons, músicas, palavras e frases quando ativados pela criança.

Esses brinquedos prometem se tornar uma espécie de “professor” particular para os pequenos, mas a verdade é que eles não podem imitar a riqueza das trocas interpessoais, portanto , deixar as crianças muitas horas com essa tecnologia limita, na verdade, suas oportunidades de aprendizagem.

O ambiente de linguagem da criança determinará amplamente o desenvolvimento inicial da linguagem. A chave para que as crianças desenvolvam um vocabulário mais amplo, aprendam a pronunciar corretamente e adquiram habilidades básicas de comunicação é a qualidade e a quantidade da linguagem que ouvem dos pais e responsáveis ​​durante os primeiros meses de vida e, principalmente, nos primeiros dois anos. Ou seja, quanto mais palavras um bebê ouve de seus pais, mais ele se envolverá em interações recíprocas e mais desenvolverá sua linguagem.

Embora a quantidade de informações linguísticas que os pais transmitem aos filhos durante os primeiros anos tenha sido positivamente associada ao desempenho linguístico dos filhos, estar diante de telas e usar brinquedos tecnológicos (especialmente em crianças menores de dois anos) retarda o desenvolvimento da linguagem. O motivo é simples: o uso de brinquedos tecnológicos desloca outras interações mais benéficas que promovem a linguagem e a comunicação.

Na verdade, no momento não existem brinquedos eletrônicos sofisticados o suficiente para manter interações sociais recíprocas que alimentam a comunicação. Um bebê precisa de feedback e reforço, não apenas com palavras, mas também com sorrisos, toques e abraços.  Os centros de linguagem no cérebro da criança prosperam nas interações com as pessoas. A linguagem não é uma simples aquisição de vocabulário, mas implica um universo comunicativo mais rico que inclui as expressões extraverbal típicas das interações humanas.

Por esse motivo, entre outros, a Academia Americana de Pediatria recomendou reduzir consideravelmente o tempo de uso de telas e brinquedos eletrônicos, priorizando a interação pais-filhos. Especificamente, é recomendado que crianças menores de 18 meses não sejam expostas a telas, a menos que seja uma videochamada. E se os pais desejam introduzir algum conteúdo digital, ele deve ser de qualidade e estar presente para ajudar as crianças a entender o que estão vendo. No caso de crianças entre 2 e 5 anos, a utilização dos ecrãs deve ser limitada a uma hora por dia, sempre sob a supervisão de um adulto e optando por programas de qualidade cujo conteúdo seja verdadeiramente educativo.

Portanto, da próxima vez que você estiver em uma loja de brinquedos, evite o corredor de botões, bipes e zumbidos. Em vez disso, dê uma olhada nos brinquedos tradicionais, aqueles antigos com os quais você provavelmente brincava. Esses tipos de brinquedos não são apenas mais baratos, mas também mais resistentes e proporcionarão mais benefícios cognitivos às crianças. Ao escolher, considere que quanto mais coisas um brinquedo faz, menos a mente da criança fará.


  • Leave a Comment