Habilidades e competências do professor de EJA

Habilidades e competências do professor de EJA: Antes de abordar as habilidades e competências específicas para esta modalidade de ensino, devemos lembrar que o professor precisa estar sempre atualizado, pois a Educação é uma área que passa por constantes modificações em métodos e técnicas. 

Esta exigência de atualização constante, no caso da educação de jovens e adultos, vem revestida de especificidades por se tratar de uma área educacional que atua com alunos diferenciados. Isso porque os alunos jovens e adultos ingressam ou retornam à escola com uma visão de mundo já formada devido à sua experiência de vida e no mundo do trabalho.
Quando nos referimos a habilidades e competências para exercer a profissão, esses dois termos podem não ficar muito claros para alguns alunos deste curso para professores de EJA, uma vez que estamos tratando de uma área de atuação revestida de nuances históricos e sociais, sujeita às transformações e novas concepções do campo da educação.

Por isso, tentaremos definir essas habilidades e competências de uma maneira universal para uma melhor compreensão do ponto de vista do exercício da docência. Nesta perspectiva, tratamos competências como as características que o mercado exige de um profissional para que ele consiga desempenhar seu trabalho com qualidade.

Já habilidades são características pessoais, direcionadas à área da educação, que um profissional possui ou que possa vir a desenvolver, de forma a qualificar ainda mais seu trabalho.

Competências:

Formação Técnica – A profissão de professor exige que o profissional tenha formação pedagógica que aliada à experiência didática irá proporcionar-lhe maior possibilidade de sucesso no trato da escolaridade do jovem e adulto. Quando se fala em experiência didática procura-se acentuar o trato com a diversidade. Os alunos deste grupamento são de mundos específicos, cada um tendo a sua história, formação social, situação econômica, nível de necessidades e aspirações. Ao professor é fundamental saber conduzir os ensinamentos de forma a respeitar cada individualidade, reforçar e estimular o aprendizado baseado em reconhecimento aos esforços individuais de cada aluno.

Disponibilidade – Pela sua própria natureza, a profissão de professor requer dedicação plena, afinidade com o ato de transmitir conhecimentos e, acima de tudo, envolvimento. Se a aprendizagem já é um processo permanente e envolvente por natureza, no caso da educação de jovens e adultos exige do professor uma maior interação, compreensão e receptividade às expectativas dos seus alunos.

Trabalho sob pressão – O profissional docente deve estar preparado para ter equilíbrio e bom senso para resistir às pressões da atividade. Como acontece em todas as profissões, essas pressões podem ser de natureza intrínseca ou interna e de natureza extrínseca ou externa.

  • Pressões internas – A atividade carrega uma enorme dose de pressão psicológica com relação às necessidades do aluno, suas perspectivas, as dificuldades de aprendizagem e convivência, o medo do fracasso e da evasão escolar, bem como as dificuldades disciplinares tão comuns nesta área de atuação.
  • Pressões externas – Administrar as questões de mercado e salário, as dificuldades impostas pelas atividades extra classe nem sempre remuneradas ou reconhecidas pelas instituições de ensino, além de conviver compermanentes questionamentos e avaliações ao trabalho em curso são habilidades que todo educador deve desenvolver e aprimorar.

Organização – O trabalho na área da educação exige organização e planejamento de conteúdos, capacidade de avaliação a partir de critérios objetivos e subjetivos, foco nas metas do processo de aprendizagem, capacidade de trabalhar com a interdisciplinaridade e ainda estabelecer a interação do e com o grupo.

Tomadas de decisão – O trabalho dos profissionais de educação deve estar fundamentado na capacidade de tomar decisões visando toda a complexidade do processo educacional. Em sala de aula, o professor deve exercer competências e habilidades para tomar decisões, ainda que a partir de situações coletivas e levando em conta não somente a transmissão do conhecimento, mas também o papel formador da escola. São aspectos que, em uma turma de alunos jovens e adultos, assumem a dimensão do humano e da realidade de cada aluno.

Educação permanente – Os profissionais devem ser capazes de aprender continuamente, tanto na sua formação, quanto na sua prática. Desta forma, os profissionais da educação devem aprender a aprender e ter responsabilidade e compromisso com a sua própria formação permanente e continuada. Conforme o aluno
irá constatar ao longo deste curso, existem múltiplas ferramentas e políticas públicas de formação continuada dos professores de EJA.

Habilidades:

Boa comunicação – A boa comunicação, pressuposto para o bom desempenho do profissional de todas as
áreas, é uma ferramenta fundamental para o professor, afinal, uma de suas funções principais é transmitir
informações e conhecimentos aos seus alunos. Existem alguns requisitos básicos da comunicação profissional que vale a pena ressaltar:

  • A Boa Comunicação exige paixão – Ame a sua profissão, pois quanto mais gostar dela, mais fácil será transmitir a informação que precisa ser transmitida.
  • A Boa Comunicação exige clareza– Fale com uma linguagem inteligível ao seu aluno. Uma linguagem diferente do seu aluno pode ser interpretada como uma atitude arrogante. Atenda-o de forma simples e compreensiva, interessado nos seus questionamentos e dúvidas para estabelecer uma comunicação eficiente.
  • A Boa Comunicação exige presença – Tão importante quanto as palavras proferidas, é o tom de voz, expressão facial, postura, gesticulações e vestimentas.

Relacionamento interpessoal – O professor da Educação de Jovens e Adultos atua com as diferenças, pois em uma turma de EJA há jovens e adultos, mulheres e homens, oriundos de diferentes realidades sociais e culturais, cada um com sua concepção de mundo e perspectivas próprias. Na perspectiva da construção do relacionamento interpessoal, o professor deve levar em conta diversos aspectos. Interagir com essas diferenças ao transmitir conhecimentos ou mediar processos de aprendizagem é inerente à função do professor.

Liderança e Pro atividade – Sabe-se que o papel docente é de fundamental importância no processo de reingresso do aluno às turmas de EJA. Por isso, o professor da EJA deve, também, ser um professor especial, capaz de identificar o potencial de cada aluno. O perfil do professor da EJA é muito importante para o sucesso da aprendizagem do aluno adulto que vê seu professor como um modelo a seguir. Dentre as atribuições do professor desta modalidade de ensino está o compromisso de mostrar que a EJA é uma educação possível e capaz de mudar significativamente a vida de uma pessoa, permitindo-lhe reescrever sua história de vida; compreender melhor o aluno e sua realidade diária e acreditar nas possibilidades do ser humano, buscando seu crescimento pessoal e profissional.

FONTE DE PESQUISA: Apostila  “Curso para professores de Educação de  Jovens e Adultos” Módulo II, do Cursos 24 horas.


  • Leave a Comment