O bullying


Bullying está em toda parte.

Em todos os centros educacionais, há crianças e adolescentes vítimas de bullying e outros que estão aprendendo comportamentos anti-sociais .

Os resultados obtidos nos estudos científicos realizados sobre sua incidência mostram que todos os estudantes têm contato com o bullying como vítimas, agressores ou espectadores, sendo esta a experiência mais frequente.

Kit Alfabetização Só Escola

Entre 20% e 30% dos estudantes sofrem agressões, e estima-se que entre 3% e 10% dos estudantes sofrem vitimização grave.

assédio moral é mais comum em homens do que em mulheres, tanto como vítimas quanto agressores. Em relação à idade, a frequência da aparência é maior no estágio primário e diminui à medida que as crianças crescem, embora, infelizmente, não desapareça. Em relação à duração, há uma porcentagem muito alta de vítimas de bullying ao longo da vida escolar .

O psicólogo sueco Dan Olweus, professor da Universidade de Bergen e um dos pioneiros em pesquisas nesse campo, deu a seguinte definição do que é o bullying:

Kit Só Escola Autismo

“Uma pessoa está sendo assediada quando é exposta, repetidamente e por um longo período de tempo, a ações negativas de uma ou mais pessoas. É uma ação negativa quando alguém intencionalmente causa ou tenta causar danos ou inconvenientes a outros. ”

Rosario Ortega, professor de psicologia da Universidade de Córdoba, acrescenta as seguintes qualidades a esse comportamento: imoral, injustificado e inaceitável.

Banner E-book Bullying

As consequências do bullying

Eles deixam marcas nas vítimas e agressores, mas não apenas nelas, mas também em todos os estudantes, professores, famílias e sociedade como um todo.

Vamos ver alguns deles:

Para as vítimas, as consequências de viver esse processo são muito numerosas e muito sérias, pois não devemos esquecer que são experiências traumáticas que às vezes sofrem por anos.

Entre eles estão: sentimento de solidão, problemas de auto-estima, fobia e rejeição da escola, distúrbios psicossomáticos, transtorno de estresse pós-traumático, ansiedade, fobia social, ataques de pânico, depressão, insucesso escolar, insatisfação, insegurança, desamparo e o mais alarmante, suicídio.

É necessário que esses meninos recebam tratamento psicológico para aliviar os efeitos dessas experiências e prevenir problemas psicopatológicos durante seu desenvolvimento e na vida adulta.

Devido à variedade de sequelas emocionais e comportamentais, o tratamento deve ser ajustado a cada paciente com base em sua própria idiossincrasia.

Para os agressores, as consequências também são muito importantes. Seu aprendizado é absolutamente inadequado, porque eles alcançam seus objetivos através da violência e sem sofrer consequências negativas. Esses comportamentos podem continuar na vida adulta (no trabalho, no ambiente familiar, no ambiente social com amigos ou vizinhos …). No pior dos casos, eles podem acabar sendo criminosos.

É evidente que essas crianças também precisam ser submetidas a intervenção psicológica para trabalhar nas causas que as levaram a se comportar dessa maneira e modificar seu comportamento.

Para os telespectadores, o bullying também tem consequências: assimilam incorretamente o que é comportamento social, as regras de coexistência e resolução de conflitos. Além disso, eles aprendem um padrão de comportamento desajustado em situações de injustiça, que eles toleram e minimizam, e se acostumam a viver em um ambiente hostil que os impede de desenvolver a empatia necessária para funcionar na sociedade. Muitos deles vivem essas experiências com grande desconforto, o que dificulta o funcionamento normal da sala de aula.

É muito importante ser muito rápido em descobrir uma situação de assédio para acabar com ela o mais rápido possível. Devido às conseqüências que tem no desenvolvimento emocional, social, físico e intelectual de crianças e adolescentes, sua detecção deve ser uma questão prioritária em todas as escolas. O envolvimento do corpo docente é decisivo na prevenção e detecção, mas também quando se trata de fornecer evidências na avaliação forense.

Pesquisas indicam que os professores geralmente ignoram essas situações e atuam apenas em 15% dos casos. Ignorar o assédio deixa a vítima desprotegida, reforça a atitude do perseguidor e transmite à audiência que o que vale a pena é a lei do silêncio.

conscientização de professores, pais e famílias , professores e funcionários do centro não é essencial para acabar com o assédio moral. Do meu ponto de vista, é necessária uma conscientização ainda maior, bem como o treinamento de educadores para desenvolver estratégias e diretrizes para ação nesses casos. Foi demonstrado que, quando os professores tomam conhecimento do bullying, eles têm mais chances de agir para ignorar incidentes.

O comportamento de bullying ocorre através da interação de múltiplas variáveis ​​convergentes. O contexto geral é sociedade e cultura, embora existam variáveis ​​pessoais e outras relacionadas à escola, família e comunidade. As ações devem ser realizadas em todas essas áreas.

Programas de inteligência emocional, treinamento em habilidades sociais e assertividade, resolução de conflitos ou protocolos de mediação e ação em centros em casos de bullying estão dando resultados bastante promissores em alguns países.


E-book Bullying está dividido em oito capítulos, sendo eles:

1 – INTRODUÇÃO: um mergulho nesse universo obscuro.
2 – O FÉNOMENO BULLYING: etiologia.
3 – CONCEITO DE BULLYING: definições e contextualizações.
4 – O CONCEITO DE CYBERBULLYING: ultrapassando as barreiras físicas.
5 – A PRÁTICA DO BULLYING: causas e consequências.
6 – MODUS OPERANDI NAS ESCOLAS: maneiras de praticar e 7 – seus protagonistas.
8 – REDUÇÃO DO BULLYING: projetos e práticas psicopedagógicas.
9 – CONSIDERAÇÕES FINAIS: bibliografia e links recomendados.

Se você estiver interessado, pode se conhecer aqui.



  • Deixe um Comentário