Disciplinas

Candomblé


O candomblé é uma religião baseada em crenças africanas particularmente popular no Brasil. Também é praticado em outros países e tem até dois milhões de seguidores.

  • A religião é uma mistura de crenças tradicionais ioruba, fon e bantu, originárias de diferentes regiões da África. Também incorporou alguns aspectos da fé católica ao longo do tempo.
  • Uma religião que combina elementos de muitas religiões é chamada de religião sincrética.
  • Os africanos escravizados trouxeram suas crenças quando foram enviados para o Brasil durante o comércio de escravos.
  • O nome Candomblé significa “dançar em honra dos deuses”.
  • Praticantes do candomblé acreditam em um Deus todo poderoso chamado Oludumaré, que é servido por divindades menores. Essas divindades são chamadas orixas. (Eles também podem ser chamados de voduns e inkices.)
  • Os praticantes de candomblé acreditam que cada pessoa tem seu orixá individual que controla seu destino e age como um protetor.
  • Música e dança são partes importantes das cerimônias de candomblé. Danças especialmente coreografadas são realizadas pelos fiéis para permitir que elas sejam possuídas pelos orixás.
  • Não há conceito de bom ou ruim no candomblé. Cada pessoa só é obrigada a cumprir o seu destino ao máximo, independentemente do que seja.
  • O candomblé é uma tradição oral e, portanto, não tem escrituras sagradas.
  • O primeiro templo oficial foi fundado no início do século XIX em Salvador, Bahia, no Brasil.

Divindades

Homem sentado na cadeira com a cabeça coberta por franja de prata até o chão. Adoradores do sexo feminino se prostram diante dele Homem vestido de Xapanã, um orixá

Praticantes do candomblé acreditam em um Deus todo poderoso chamado Oludumaré, que é servido por divindades menores. Essas divindades são chamadas orixas, voduns e inkices.

Orixas são ancestrais que foram deificados. Esses orixás podem ser da história recente, talvez com apenas cem anos, ou podem ter mais de mil anos. Orixas são um elo entre o mundo espiritual e o mundo dos humanos.

Voduns e inkices são deuses espirituais, essencialmente o mesmo que orixás. O candomblé é uma síntese de três religiões africanas, ioruba, fon e bantu, e voduns e inkices são os nomes preferidos pelas outras duas seitas. Para fins de clareza, o termo orixa será usado em todo o artigo.

Os praticantes de candomblé acreditam que cada pessoa tem seu orixá individual que controla seu destino e age como um protetor. Cada orixá representa uma certa força na natureza e está associada a certos alimentos, cores, animais e dias da semana. O caráter ou personalidade de uma pessoa está fortemente ligado ao seu orixá.

Coletivamente, espíritos ancestrais são chamados de ‘Baba Egum’ no Brasil. Isso também é conhecido como ‘Egungun’ em outras partes da América do Sul.

Durante cerimônias importantes, sacerdotes e sacerdotisas se mascararão como Baba Egum. Danças especialmente coreografadas serão realizadas para se tornar possuidor de cada espírito ancestral.

Uma jovem garota, elaboradamente vestida como a orixa Oxum Uma dança recordando o orixa Oxum tomando banho sob uma cachoeira

Conceitos de bom e ruim

Não há conceito de bom ou ruim no candomblé. Cada pessoa só é obrigada a cumprir o seu destino ao máximo, independentemente do que seja. Este não é um bilhete grátis para fazer o que quiser embora. O candomblé ensina que qualquer mal que você causar às pessoas retornará a você eventualmente.

O Baba Egum é importante na regulação do código moral dos Candomblécists. É responsabilidade deles garantir que os padrões morais do passado continuem no presente. Isso é regulado durante as cerimônias de adoração.

Quando uma pessoa se torna possuída por seu espírito ancestral durante a cerimônia, ela pode representar cenas da comunidade para destacar ações boas e más em uma espécie de tribunal público.

Escrituras sagradas

O candomblé é uma tradição oral e, portanto, não tem escrituras sagradas.

História do Candomblé

O candomblé é uma religião afro-brasileira. Nasceu de um povo que foi retirado de suas casas na África e transplantado para o Brasil durante o tráfico de escravos.

A religião é uma mistura de crenças tradicionais iorubás, fon e bantu, originárias de diferentes regiões da África, e também incorporou alguns aspectos da fé católica ao longo do tempo.

O próprio nome significa “dança em honra dos deuses”, e música e dança são partes importantes das cerimônias de candomblé.

Candomblé e Catolicismo

Desde os primórdios do tráfico de escravos, muitos proprietários de escravos cristãos e líderes da Igreja achavam que era importante converter os africanos escravizados. Isso foi para cumprir suas obrigações religiosas, mas também na esperança de tornar os escravos mais submissos. Outros também argumentam que os africanos escravizados foram perseguidos religiosamente para não terem conexão com um passado comum.

Embora a Igreja tenha conseguido em muitos casos, nem todos os africanos se converteram. Muitos praticavam exteriormente o cristianismo, mas oravam secretamente a seu próprio deus, deuses ou espíritos ancestrais. No Brasil, onde o catolicismo era popular, os adeptos do candomblé viam na adoração dos santos uma semelhança com sua própria religião. Os praticantes de candomblé freqüentemente escondiam os símbolos sagrados de suas divindades dentro de seus santos católicos correspondentes.

Nas comunidades segregadas da América, era fácil criar fraternidades religiosas católicas onde os negros se encontravam. Essas reuniões, no entanto, eram na verdade uma oportunidade para a adoração do candomblé acontecer e para as festas serem realizadas em dias religiosos especiais. Eles também eram oportunidades para os escravizados se reunirem e planejarem rebeliões contra seus senhores.

Muitos dos africanos escravizados de Bantu encontraram um sistema compartilhado de adoração com o povo indígena do Brasil e, por meio dessa conexão, eles re-aprenderam a adoração dos ancestrais.

Perseguição e ressurgimento

O candomblé foi condenado pela Igreja Católica e os seguidores da fé foram perseguidos violentamente através de campanhas públicas lideradas pelo governo e ações policiais. A perseguição parou quando uma lei exigindo a permissão da polícia para realizar cerimônias públicas foi descartada na década de 1970.

A religião cresceu em popularidade no Brasil desde então, com até dois milhões de pessoas professando seguir a fé. É particularmente praticado em Salvador da Bahia, no nordeste do Brasil. Curiosamente, muitas pessoas de países africanos visitam a Bahia para aprender mais sobre a fé de seus antepassados.

Para muitos seguidores, não é apenas uma questão de crença religiosa, mas também de recuperar a identidade cultural e histórica da qual a escravidão os despojou.

Há também algum movimento para remover imagens católicas dos cultos, na tentativa de devolver a fé às suas origens mais fundamentais.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *