Crianças, Dicas, Dicas para Educadores, Educação Infantil, Pais e Filhos, Volta às Aulas

Participação da família na adaptação infantil


Participação da família na adaptação infantil: Sabe-se que nem sempre a entrada da criança na escola acontece de maneira tranquila, devido à sua forte ligação com a família. A escola é o primeiro espaço social onde a criança se vê inserida, longe do seio familiar. Geralmente, a criança estranha as outras pessoas, os colegas do grupo e as atividades, que a absorvem totalmente. A criança fica dividida entre o antigo (a família) e o novo (a professora e os colegas).

Veja também:

Participação da família na adaptação infantil

Participação da família na adaptação infantil
Participação da família na adaptação infantil

Como orientar os pais a preparar as crianças para a Educação Infantil?

Para os pequenos de até dois anos, sua rotina deve ser preservada ao máximo. O diálogo entre família e educadores é importante para entender os hábitos da criança e minimizar mudanças na transição casa-instituição escolar.

Por volta dos dois anos e meio, já é possível explicar esse novo momento e tirar dúvidas dos pequenos para que se sintam mais confortáveis. “É essencial envolver a criança nos preparativos para ir à escola, como arrumar a mochila e a lancheira. Isso faz com que ela perceba que está sendo cuidada e que se sinta participante”, recomenda Cisele.

Como deve ser a despedida dos familiares? 

Este momento costuma ser regado a choro e negação da separação. Para evitá-lo, alguns pais aproveitam a distração dos filhos para ir embora despercebidos. Cuidado com esse tipo de atitude: no momento em que a criança percebe que está sozinha, o choro vem acompanhado de um sentimento de abandono e desespero.

A despedida é fundamental para a adaptação. “Por mais difícil e doloroso que seja para ambos, construir uma relação com os filhos pautada na confiança e na honestidade é sempre melhor. A clareza da despedida é saudável e necessária”, explica Cisele.

Que tipo de orientação o professor pode dar para tranquilizar os familiares?

Ansiedade e insegurança são comuns na adaptação, um período intenso e repleto de novidades. Essa sensação deve diminuir na medida em que a família estabeleça uma relação de confiança com a escola.

“Se os familiares encararem a entrada na escola como algo positivo, que gera autonomia, crescimento, amadurecimento e ajuda na socialização, será ótimo para todos. Se for vivenciada como culpa pelo abandono, será difícil para todos”, coloca Cisele Ortiz.

Por isso, é importante que o educador “demonstre segurança, confiança de que tudo vai dar certo e conte para os pais sobre as atividades que serão realizadas”, como propõe Ana Paula Yazbek, sócia-diretora do Espaço da Vila – Berçário e Recreação, em São Paulo.

Os pais devem estar presentes no período de adaptação? 

Os pais são essenciais nesse processo. A integração entre família e escola deve acontecer desde o começo. Na creche, é importante que algum familiar acompanhe o pequeno o tempo todo nos primeiros dias, para não deixá-lo sem referência e prolongar uma adaptação mais sofrida.

Nessa fase, os aspectos sensoriais exigem bastante atenção do educador. Até 10 meses de idade, os bebês sentem muita diferença no modo como as fraldas são trocadas ou como são colocados para dormir, por exemplo. Assim, a presença dos pais ajuda o professor a conhecer bem os hábitos de cada criança.

“Na pré-escola, as crianças são ávidas por fazer amigos, já falam bem e têm mais autonomia”, explica Cisele Ortiz. Sua adaptação costuma ser mais tranquila e pode ser realizada em pequenos grupos de duas ou três crianças para facilitar sua integração. Mesmo assim, a presença dos familiares não deve ser dispensada. Nos primeiros dias, eles podem ajudar os pequenos a se ambientar ao local e ao tempo de execução das atividades.


Confira também:


Participação da família na adaptação infantil
Qualifique está postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *