Adélia Prado, POEMA, POEMAS, Poesias

“Casamento”, poema declamado por Adélia Prado


“Casamento”, poema declamado por Adélia Prado: Adélia Luzia Prado Freitas, nasceu em Divinópolis, Minas Gerais, no dia 13 de dezembro de 1935, filha do ferroviário João do Prado Filho e de Ana Clotilde Corrêa. Leva uma vida pacata naquela cidade do interior: inicia seus estudos no Grupo Escolar Padre Matias Lobato e mora na rua Ceará.

“Casamento”, poema declamado por Adélia Prado

Veja ainda:

“Casamento”, poema declamado por Adélia Prado

Há mulheres que dizem:
Meu marido, se quiser pescar, pesque,
mas que limpe os peixes.
Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,
ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.
É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,
de vez em quando os cotovelos se esbarram,
ele fala coisas como “este foi difícil”
“prateou no ar dando rabanadas”
e faz o gesto com a mão.
O silêncio de quando nos vimos a primeira vez
atravessa a cozinha como um rio profundo.
Por fim, os peixes na travessa,
vamos dormir.
Coisas prateadas espocam:
somos noivo e noiva.

Texto extraído do livro “Adélia Prado – Poesia Reunida”,
Ed. Siciliano – São Paulo, 1991, pág. 252.

“Casamento”, poema declamado por Adélia Prado

No vídeo abaixo, Adélia interpreta este belo poema.


“Casamento”, poema declamado por Adélia Prado
Qualifique está postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *