Creche é instalada dentro de um lar para idosos e promove experiência que mudou a vida de todos

Creche é instalada dentro de um lar para idosos e promove experiência que mudou a vida de todos: A iniciativa, que tem ensinado muito sobre envelhecimento às crianças e esquivado idosos da triste realidade do isolamento no fim da vida, deu origem ao documentário “Present Perfect” (Presente Perfeito),

Creche é instalada dentro de um lar para idosos e promove experiência que mudou a vida de todos

O que acontece quando uma creche é instalada dentro de um lar para idosos? Uma troca riquíssima de experiências e lições sobre a vida. O projeto foi colocado em prática pela pré-escola Intergenerational Learning Center e pela casa de repouso Providence Mount St. Vincent, ambos de Seattle, nos EUA, e deu origem a um documentário que acaba de viralizar – e emocionar – nas redes sociais.

Diariamente, na instituição, crianças de cinco anos de idade interagem com 400 idososmoradores do lar por meio de atividades propostas pelos cuidadores, como dança, preparo de lanche para doações e narração de histórias.

A proposta, segundo os criadores, é possibilitar que as crianças entendam que o processo de envelhecimento é algo natural e aprendam a lidar com pessoas com deficiência e limitações. Já para os idosos, a iniciativa procura amenizar a triste realidade de envelhecer isoladamente.

Creche é instalada dentro de um lar para idosos e promove experiência que mudou a vida de todos: Assista:

Não deixe de ver: Mudanças na Base Nacional Comum retomam debate sobre o lugar da escrita na creche e na pré-escola

Toda essa incrível experiência acabou dando origem ao filme “Present Perfect” (Presente Perfeito), do diretor Evan Briggs, que soma mais de um milhão de visualizações no YouTube em poucos dias.
“Cerca de 43% dos idosos vivem a experiência do isolamento social, que está diretamente ligada à solidão, depressão, assim como ao declínio mental e físico”, mostra o diretor no documentário.

Em entrevista ao ABC News, ele disse que, minutos antes de as crianças chegarem ao local, os moradores pareciam sonolentos, sem vida. Mas assim que elas entraram e começaram a interagir por meio das atividades, “os residentes pareciam reviver”.

Curta: @SÓ ESCOLA no Facebook.


  • Leave a Comment