Artigos Educacionais, Dicas, Dicas para Educadores

Como orientar os professores sobre as conversas de porta de sala com os pais?


Como orientar os professores sobre as conversas de porta de sala com os pais? Se tem um espaço na escola que não deveria ser um local de conversas é a porta da sala de aula. Mas como é difícil evitar que isso aconteça!

Como orientar os professores sobre as conversas de porta de sala com os pais?

Em muitas instituições, é na porta das classes que os pais se encontram com os professores nos horários de entrada e saída da criançada. Nesses momentos, são quase inevitáveis falas como: “Posso falar com você só um minutinho?” e “Como foi o dia? Meu filho se comportou bem?”. O professor precisa ser bem orientado e estar atento para conseguir escapar dessas armadilhas. E uso essa expressão por ter vivido e testemunhado inúmeras (e desastrosas) situações, que, naturalmente, teriam sido evitadas se alguns protocolos tivessem sido seguidos.

Veja também: Na reunião de pais, você tem a oportunidade de:

Relato a seguir um desses momentos, certamente o mais danoso e traumático. Em turmas do 1º ano, com crianças de 6 e 7 anos, momentos de descoberta e exploração da intimidade entre meninos ou meninas é algo natural. Durante um recreio, alguns alunos, dentro do banheiro, se exibiram uns aos outros, mostrando seus órgãos genitais. Rapidamente, colegas que testemunharam a cena procuraram a professora da classe para resolver a situação. Insegura em relação a que atitude deveria tomar, ela pediu ajuda. A diretora, conhecendo sobre o desenvolvimento infantil, fez a intervenção apropriada com as crianças. Ela se preocupou mais com as questões de preservação da intimidade – o que é da dimensão do privado e do público –, do que com as de apelo sexual.

Informada sobre como o caso tinha sido encaminhado, a professora retomou normalmente o trabalho. No entanto, em vez de dar o assunto como encerrado, ao ser questionada por um familiar sobre o comportamento de um dos garotos envolvidos no episódio do banheiro, a docente relatou todo o caso, ali mesmo na porta da sala. Pronto, o estrago estava feito! Para resumir, no dia seguinte fomos informados de que o menino havia sido brutalmente espancado pelo pai que, avaliando a situação sob sua perspectiva, buscou dar um corretivo no filho, a fim de garantir que a atitude não se repetisse.

Façamos o difícil exercício de não julgar esse pai e foquemos em como evitar situações como essa. É compreensível que os professores, buscando atender às famílias, acabem dando respostas de maneira improvisada e não profissional. Há na escola, ou deveria haver, momentos específicos para o atendimento aos familiares, com hora marcada, em local apropriado e com a presença dos profissionais diretamente responsáveis pelo aluno. Sempre, o coordenador pedagógico ou o orientador educacional deve estar junto com o professor.

É importante que antes de qualquer conversa com os responsáveis, a coordenação oriente o professor e alinhe com ele os pontos a serem tratados e a abordagem adequada, considerando os aspectos relevantes para que o atendimento tenha sucesso: linguagem apropriada, acolhimento das dúvidas, respeito e reconhecimento da fala dos pais e limites a serem respeitados. Comunicações improvisadas, como nos casos dos papos de porta de sala, dão espaço para incidentes evitáveis.

Recomendo também ver: Textos para reunião de Pais e Mestres

Mas e quanto às indagações de porta de sala? O que responder aos pais? O melhor é dar respostas claras e objetivas que não possibilitem margem a outras interpretações. Veja alguns exemplos: “Foi um dia de muitas aprendizagens e de novos desafios” ou “o comportamento do seu filho está dentro do esperado”. Aos pedidos de conversa em particular, por sua vez, é possível se posicionar da seguinte maneira: “Será que poderíamos combinar um outro momento? Na entrada e saída é fundamental que eu esteja atento e disponível para as outras crianças”. Uma resposta difícil? Não. Uma resposta profissional!

Voltando ao episódio que relatei acima, embora essa orientação já tivesse sido dada aos nossos professores, não pudemos evitar o desfecho da história. Portanto, coube à professora e a todos nós da escola convivermos com aquele que, para mim, é o pior dos castigos: o sentimento de culpa.

Fonte: Gestão Escolar


Reunião de Pais: Lidando com Pais mal educados.

Confira: DICAS PARA REALIZAÇÃO DE REUNIÃO DE PAIS

01. Pai chega antes da reunião começar e quer ser atendido naquele momento, pois tem um compromisso urgente e não pode ficar para a Reunião

Sugestão: Professor informa que tem uma pauta a cumprir, assim não será possível fazer uma reunião individual naquele momento, porém verificará durante a semana qual o dia e horário em que poderá disponibilizar para este atendimento e avisará o Pai/Mãe.

02. Pai fica instigando outros Pais durante a reunião para também fazerem reclamações.

Sugestão 1: Coloque a Pauta da Reunião no Quadro Negro e disponibilize um momento para perguntas, ou então esclareça que cada um terá um momento individual para fazer as colocações que precisarem.
Sugestão 2: Quando o Pai que está tumultuando começar a fazer as reclamações, corte no mesmo instante dizendo “ Por favor, aguarde que quando conversarmos em particular podemos abordar este assunto” ou ainda “ como não cabe a mim resolver esta questão, depois anotarei suas sugestões e enviarei a Coordenação que posteriormente lhe dará um retorno”.

03. Pai contesta tudo o que o Professor diz, testando a paciência do Professor

Sugestão: O Professor deve manter-se calmo e controlado e sugerir ao Pai o seguinte “ Já que o senhor/senhora apresenta muitas dúvidas referente a muitos assuntos, é melhor que seja agendado um horário fora desta reunião para esclarecermos estas questões”, ou ainda “ As respostas para estas questões já foram abordadas em reuniões anteriores, como observei que o senhor não compareceu, ficarei feliz em agendar um outro horário para esclarecer”.

04. Pai que esbraveja e se nega a falar com Professor, só aceita falar com o Diretor ou Coordenador, demonstrando que o Professor não tem o preparo para resolver.

Sugestão: O Professor deve permanecer calmo, olhar fixamente para o pai e dizer educadamente “ Como o senhor está alterado no momento, deixaremos para resolver esta questão em outra hora, com sua licença “, vire as costas e atenda outro Pai, ou ainda “ Este assunto quem responde sou eu, no entanto como o senhor está alterado no momento, agendarei uma data para conversarmos, se após a nossa conversa o senhor ainda achar que o assunto não foi solucionado então levarei o caso até a Coordenação”.

Confira: A FUNÇÃO DA REUNIÃO DE PAIS

05. Pai leva a criança, e na frente do filho desautoriza as ações do Professor, fazendo-o passar por incompetente.

Sugestão : Corte logo a fala do pai com a seguinte frase: “ Não é adequado fazer essas colocações na frente do seu filho, assim, sugiro conversarmos outra hora a sós, onde poderei esclarecer todos os fatos. Terça feira às 10 horas está bom para a senhora? ”

06. Pai que usa a Reunião para expor o problema do filho e mostrar seu descontentamento com o Professor, atribuindo-lhe toda a responsabilidade da questão.

Sugestão: O Professor deve deixar claro logo no início da Reunião de Pais que a reunião tratará do rendimento escolar do aluno, e que questões particulares envolvendo indisciplina, comportamento, etc deverão ser tratadas individualmente em outro dia e horário, bastando para isso que o pai faça o agendamento com o Professor e/ou Coordenação.
Tomando esta precaução o Professor não deixa abertura para que determinados Pais monopolizem a Reunião com os seus problemas particulares, dando assim a todos, a chance de participarem.

07. Pai que chega atrasado na Reunião e quer passar na frente de todos, e toma todo o tempo da Reunião

Sugestão: Logo no início da Reunião deixe claro que o atendimento individual obedecerá a ordem de chegada. Assim se você tem 35 alunos, faça cartões numerados de 1 a 35 e vá entregando para cada pai que entrar na sala. Desta forma fica justo o atendimento, pois o Professor está apenas seguindo a ordem. Se o pai insistir, sugira que ele agende outro horário.

08. Pai que ao ouvir algum comentário negativo do filho, logo vem com quatro pedras na mão usando de alegações depreciativas ou infundadas para com o Professor, pois não aceita que o filho seja chamado a atenção.

Sugestão: Quanto as alegações depreciativas você pode responder com a seguinte frase: “ Estou lhe tratando educadamente, assim não há motivos para que eu seja tratada com desrespeito, quando a senhora se acalmar e desejar pedir desculpas, ficarei feliz em agendar um horário para conversarmos”.

Quanto as alegações infundadas a frase ideal é: “ Como a senhora está levantando acusações muito graves, o ideal é em outro momento reunirmos todos os envolvidos para confrontarmos essas afirmações “ . Dito isso você pode sugerir um dia e horário, ou verificar junto a Coordenação e depois informar para os pais.

09. Pai que usa a Reunião para fazer comparações entre a Professora atual e a Professora anterior.
É mais comum do que se imagina os Pais lançarem farpas durante uma Reunião para desestabilizar o equilíbrio e a harmonia do ambiente, geralmente fazem isso atacando a competência do Professor fazendo comparações com outros Professores.

Sugestão 1: A saída mais elegante e incisiva é concordar e discorrer sobre as suas credenciais profissionais. “ De fato, a senhora tem razão a Professora Joana é muito competente e experiente. Sendo assim, é meu dever relatar um pouco da minha trajetória profissional para que vocês possam conhecer-me melhor e o tipo de trabalho que desenvolvo com os alunos “
Sugestão 2: Levar para a reunião dinâmicas visando trabalhar que no mundo não há nenhuma pessoa igual a outra, cada um tem sua individualidade, talentos e jeito de ser. E essa diversidade faz bem, pois nós adultos, as crianças e jovens aprendemos a lidar com situações novas e com isso amadurecemos nos nossos relacionamentos.
Sugestão 3: Mostre aos Pais o Portfólio do aluno com atividades de Antes e Depois . Assim se o Joãozinho estava com dificuldades em Matemática, mostre que você criou algumas abordagens e atividades diferenciadas e o Joãozinho conseguiu superar. Assim os Pais verão que você, assim como a Professora anterior, também se importa e já está ajudando os alunos.

10. Pai que chega quando faltam 5 minutos para a reunião terminar e quer ser atendido de qualquer maneira.

Sugestão: Se você puder atender, deixe claro até que horário você poderá ficar: “ Sr.João, como o senhor chegou no final da reunião, só poderei atender por mais 10 minutos, após este horário tenho compromisso”
Ou ainda “ Sr.João a reunião já está finalizando e não teremos tempo suficiente para conversar, assim sugiro agendarmos nossa conversa para 2ª. feira as 9 horas, tudo bem para o senhor ? “

Lembre-se: jamais aceite ser tratada de forma desrespeitosa por quem quer que seja, jamais, entre no chamado bate-boca com confrontações verbais ou físicas. Educadamente, deixe claro seu desprezo por atitudes desse tipo e recuse-se a ouvir impropérios. Seja por telefone ou pessoalmente ,deixe claro que você só voltará a discutir o assunto  quando todos os envolvidos estiverem calmos e contidos, pois com os ânimos exaltados a conversa nunca é civilizada e o bom senso sempre fica comprometido.

Fonte: SOS PROFESSOR


Se gostou da postagem,“Como orientar os professores sobre as conversas de porta de sala com os pais?.” deixe sua avaliação, isso é muito importante para nós. Faça isso deixando um comentário com sua opinião e sugestões para outras postagens.

Curta nossa página no Facebook: @SÓESCOLA.


Qualifique está postagem

6 Comments

  1. Gostei muito da matéria, gostaria que vcs falassem um pouco, sobre como é ter um aluno coda dentro de sala de aula,e como o professor pode fazer pra conseguir se comunicar com seus pais a respeito de algum assunto relacionado ao desempenho do aluno. Desde já agradeço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

x