CONFIRA: LISTA COM 1000 ATIVIDADES PRONTAS PARA IMPRIMIR

Criança precisa brincar para ser adulta



Jogos e brincadeiras ajudam a desenvolver aspectos físico, mental e emocional, além de ensinar a enfrentar situações adversas no futuro.
Criança precisa brincar para ser adulta
Criança precisa brincar para ser adulta
Preocupados com o aperfeiçoamento técnico e o desenvolvimento dos filhos, os pais acabam enchendo as crianças de tarefas extra-curriculares como aulas de natação, de línguas estrangeiras, balé e judô, sem saber que a atividade mais completa para elas é o simples ato de brincar. “É impossível brincar e não aprender alguma coisa. São duas coisas sem dissociação”, diz a representante da Associação Brasileira de Brinquedotecas em Curitiba e coordenadora da brinquedoteca da Associação Serpiá, Ingrid Cadore.
Veja também:
Especialistas em educação afirmam que brincar é importante para a criança porque, além de desenvolver os aspectos físico, mental e emocional, é assim que ela aprende a ser adulta. “O brincar é essencial para a formação da criança porque ajuda na estruturação emocional”, diz a educadora brinquedista e coordenadora da brinquedoteca Clube da Brincadeira da Escola Anjo da Guarda, em Curitiba, Maria Cristina Pires.

Segundo ela, cada brincadeira traz um tipo de enriquecimento para a criança. Ela aprende a ter auto-estima, a lidar com sentimentos como a frustração, o medo e a manutenção da esperança. “Quando se tira da criança o tempo de brincar, se tira a oportunidade de ela aprender a perder, a ganhar sem que isso seja a coisa mais importante do mundo. E esses aprendizados emocionais são absolutamente importantes para se viver com equilíbrio na vida adulta, saber lidar com a frustração, ser perseverante”, revela.
Ao brincar com outras crianças, ela entende como funciona o mundo, o que são e como funcionam as regras, que a liberdade de um termina onde começa a do outro. “Principalmente com os jogos em grupo. Porque no jogo a própria criança se avalia. E ela percebe que a regra pode ser questionada, negociada, mudada, desde que se converse com os coleguinhas e eles também queiram experimentá-la de uma outra forma”, ressalta Ingrid.
Criança precisa brincar para ser adultaUma outra vantagem da brincadeira é tornar a criança mais experiente e pronta para enfrentar situações adversas no futuro. Maria Cristina explica que crianças que brincam se tornam resilientes, ou seja, se tornam adultos que saberão lidar com as adversidades e se manter fortes depois de enfrentá-las. “Nos estudos feitos, o brincar é um dos fatores que tornam os alunos mais resilientes. Criança que não brinca pode estar preparada tecnicamente, mas quando adulto vai ter dificuldade em trabalhar em equipe e em lidar com adversidades”, ressalta.
Mas Ingrid faz um alerta. Segundo ela, hoje o brincar, principalmente na escola, passou a ter a finalidade de ensinar outros conteúdos como inglês, matemática e informática. “As crianças pararam de brincar pelo brincar. E isso é sério, porque na hora em que se brinca sem compromisso, ela trabalha com conteúdos emocionais dela. Muitas vezes brincando, no faz de conta dela, está pondo muita coisa para fora e pensando a respeito”, comenta.
E é justamente para estimular o ato de brincar à vontade que existem as brinquedotecas em escolas de Curitiba e em algumas associações. “As crianças precisam brincar. Mas faltam tempo, espaço e outras crianças para elas brincarem. A escola abriu esse espaço para oferecer essa oportunidade para elas terem espaço físico e outras crianças, além de um tempo dedicado estritamente ao brincar”, conta Maria Cristina, que coordena a brinquedoteca da Escola Anjo da Guarda.
Apesar de até os 7 anos de idade brincar ser tão fundamental quanto a nutrição, a saúde e a educação para as crianças, Ingrid ressalta que essa é uma atividade da qual nenhuma pessoa deve abrir mão. “O jogar, na adolescência, possibilita a espontaneidade, o relacionamento com pessoas do outro sexo. Na vida adulta pais e filhos que jogam e brincam estreitam e aprofundam laços de afeto. Sem falar na convivência social e a atividade mental que jogar representa para os idosos”, diz.
Fonte: RPC Gazeta do Povo| Kamila Mendes Martins

Pais não devem subestimar o valor das brincadeiras, essenciais para o desenvolvimento da criança

Pais não devem subestimar o valor das brincadeiras, essenciais para o desenvolvimento da criança
Criança precisa brincar para ser adulta
O princípio VII da Declaração Universal dos Direitos da Criança, aprovada por unanimidade pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 1959, já estabelece: toda criança tem direito ao lazer infantil. Brincar é essencial para o desenvolvimento do seu filho - e o valor da brincadeira não pode ser subestimado.

Brincar tem um viés que vai muito além da simples fantasia. Enquanto um adulto vê apenas uma criança empilhando bloquinhos, para o pequeno aquilo significa experimentar as possibilidades de construir e conhecer novas cores, formatos e texturas. "Para a criança, brincar é um processo permanente de descoberta. É um investimento", explica Tião Rocha, antropólogo, educador popular e folclorista, fundador do Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento, em Minas Gerais.

"A criança que brinca vai ser mais esperta, mais interessada e terá mais facilidade de aprender - tudo isso de forma natural", diz Ruth Elisabeth de Martin, pedagoga e educadora do Labrimp (Laboratório de Brinquedos e Materiais Pedagógicos da Universidade de São Paulo).

Desenvolvimento
A literatura e as pesquisas demonstram que brincar tem três grandes objetivos para as crianças: o prazer, a expressão dos sentimentos e a aprendizagem. "Brincando, a criança passa o tempo, mostra aos pais e professores sua personalidade e descobre informações", resume Áderson Costa, professor do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília.
Crianças menores, mesmo na companhia de outras, costumam brincar sozinhas. Para elas, o ideal são brincadeiras que estimulem os sentidos. Através deles, elas exploram e descobrem cores, texturas, sons, cheiros e gostos.
Por volta dos 3 anos elas desenvolvem outro tipo de brincadeira: o faz de conta. Imitar situações cotidianas - como brincar de casinha ou fingir que é o motorista de um ônibus - permite que as crianças se relacionem com problemas e soluções que passam do fazer imaginário para o aprender real.
A partir dos 5 anos, os pequenos estão aptos para incluir o outro nas brincadeiras. "É a fase em que elas deixam de brincar ao lado de outras crianças e passam a brincar com outras crianças", explica Maria Angela Barbato Carneiro, coordenadora do Núcleo de Cultura e Pesquisas do Brincar da Pontifícia Universidade de São Paulo.


Vale lembrar que o desenvolvimento infantil é individual. Algumas crianças começam a brincar com outras mais cedo, outras mais tarde - não há motivo para preocupação.

Como incentivar seu filho a brincar
Estabelecer um horário diário ou semanal para brincar com seu filho é o primeiro passo para garantir que ele faça esta atividade com frequência. Muitos pais lotam a agenda dos filhos com afazeres extracurriculares, o que extingue o momento da brincadeira. "Toda agenda de criança deve ter um espaço diário para não fazer nada - é aí que surge o espaço para brincar", orienta Áderson.
Participar da brincadeira dos filhos também dá uma vantagem aos pais: conhecê-los melhor. Como a criança se expressa brincando, os pais observadores descobriram as vulnerabilidades e os pontos fortes de seus filhos. "Brincar juntos aumenta o grau de confiança e o vínculo entre pais e filhos", diz.
Dar brinquedos de diferentes materiais e tipos também é recomendável. Por isso, nada de entupir a menina só com bonecas e chegar com um carrinho debaixo do braço a todos os aniversários do menino. As crianças precisam experimentar de tudo. "Cada brinquedo traz uma mensagem e vai despertar o interesse e a curiosidade de alguma forma", ressalta Ruth.
O importante é o brincar, e não o brinquedo. É possível improvisar brinquedos com uma fruta, uma caixa de papelão vazia ou o que quer que esteja à mão. E não se preocupe se não puder dar a seu filho aquele carrinho movido a pilhas de última geração. "Só na visão do adulto um brinquedo eletrônico é divertido. Para a criança, brinquedo que brinca sozinho é enfadonho", completa Tião.
As brincadeiras ideais para cada faixa etária
Reunimos algumas recomendações de especialistas sobre as brincadeiras mais adequadas para cada faixa etária. O desenvolvimento infantil é individual, mas as crianças passam, cada uma a seu tempo, pelas fases abaixo. Todas as atividades devem ser desenvolvidas sob supervisão de um adulto e nos ambientes adequados.
Até os 2 anos
Nesta fase, a brincadeira tem que estimular os sentidos. Correr, puxar carrinhos, escalar objetos, jogar com bolinhas de pelúcia são atividades recomendadas.

3 a 4 anos
Começam as brincadeiras de faz de conta. As crianças respondem a brincadeiras de casinha, de trânsito, de escolinha e de outras atividades cotidianas.

5 a 6 anos
Os jogos motores (de movimento) e os de representação (faz de conta) continuam e se aprimoram. Surgem os jogos coletivos, de campo ou de mesa: jogos de tabuleiro, futebol, brincadeiras de roda.

7 anos acima
A criança está apta a participar e se divertir com todos os tipos de jogos aprendidos, mas com graus de dificuldade maiores.


Fonte: ig.com.br - Escrito por: Clarissa Passos, iG São Paulo 

COMENTE pelo Facebook:

Postagens Relacionadas

Próximo
Anterior

0 comentários:

Acompanhe !!

Conteúdo para Estudantes, Pais e Professores.

Exercícios, Atividades Educativas, Alfabetização infantil, Atividades Infantis, Atividades Lúdicas, Atividades para Imprimir, Atividades Pedagógicas, Atividades para Professores, Artesanato, Artigos Educacionais, Autismo, Berçário, Moldes para Imprimir, Datas comemorativas, Maternal, Folclore, Planos de Aula, Sequências Didáticas, Planos de Aula, Livros Infantis, Início Ano Letivo, Desenhos para colorir, Imagens Educativas, Notícias sobre os Vestibulares e Enem, Monografias e mais.