CONFIRA: LISTA COM 1000 ATIVIDADES PRONTAS PARA IMPRIMIR

Para professores, prova da Fuvest não surpreendeu



Primeira fase do vestibular foi tida como conteudista e muito bem elaborada, como nos anos anteriores

Uma prova conteudista, difícil e muito bem elaborada. Foi assim que os professores descreveram a primeira fase do processo seletivo 2016 da Fuvest. O exame foi aplicado neste domingo (29), para mais de 128 mil candidatos, que concorrem a uma das 11.177 vagas disponíveis, sendo 11.057 para a Universidade de São Paulo (USP) e 120 para a Santa Casa.
A descrição da prova foi tida como corriqueira pelos professores, uma vez que o vestibular repetiu o modelo dos anos anteriores. "A prova de hoje foi exigente, mas a Fuvest é assim, não é uma novidade", disse o diretor pedagógico do Oficina do Estudante, professor Célio Tasinafo.
O professor Paulo Moraes, diretor de ensino do Anglo Vestibulares, compartilha da mesma opinião de Célio: "Resumindo a prova de hoje em uma palavra, posso dizer que ela foi clássica. Como acontece todos os anos, a Fuvest se mostrou um vestibular que seleciona os estudantes mais bem preparados", explicou.
Apesar disso, esta primeira fase da Fuvest surpreendeu os professores em alguns aspectos. Segundo Célio Tasinafo, o destaque de hoje ficou para as questões interdisciplinares. "Aproveitaram muitos temas atuais para fazer essas questões, como a prova de inglês, que mesclou interpretação de texto na língua estrangeira com biologia, ao falar sobre a dengue", observou o professor.
Para o professor Moraes, o que chamou muito atenção na prova foi uma maior apresentação de questões com fotos, gráficos e desenhos, além de textos maiores nas questões de história, inglês e geografia. Tudo isso poderia indicar uma maior aproximação da Fuvest com o Enem, mas o professor explica a diferença: "mesmo com esses elementos que lembram o Enem, as duas provas ainda são muito diferentes na sua metodologia. A Fuvest é uma prova conteudista e o Enem não".
Matemática e Física apresentaram maior dificuldade
As provas de ciências da natureza foram consideradas as mais difíceis pelos professores, em especial as de matemática e física. "Física foi uma prova muito pragmática, direta, sem nenhum tipo de contextualização nas questões", afirmou o diretor de ensino do Anglo Vestibulares.
Além das questões de exatas, outra prova que apresentou uma maior dificuldade foi a de geografia. "Este ano geografia foi difícil. Alguns estudantes podem ter sido surpreendidos com isso, afinal muitos pensam que geografia é perfumaria", complementou Moraes.
Apesar de considerarem no geral uma prova difícil, nenhum professor arrisca em dizer se isso fará com que a nota de corte do vestibular mude. "A prova foi difícil como sempre é, agora não é possível dizer se isso vai influenciar na nota de corte. Ano passado a prova foi muito difícil e a nota não abaixou. Depois de conversar com os estudantes, talvez dê para dizer melhor se algo vai mudar", explicou o diretor pedagógico do Oficina do Estudante.

COMENTE pelo Facebook:

Postagens Relacionadas

Próximo
Anterior

0 comentários:

Acompanhe !!

Conteúdo para Estudantes, Pais e Professores.

Exercícios, Atividades Educativas, Alfabetização infantil, Atividades Infantis, Atividades Lúdicas, Atividades para Imprimir, Atividades Pedagógicas, Atividades para Professores, Artesanato, Artigos Educacionais, Autismo, Berçário, Moldes para Imprimir, Datas comemorativas, Maternal, Folclore, Planos de Aula, Sequências Didáticas, Planos de Aula, Livros Infantis, Início Ano Letivo, Desenhos para colorir, Imagens Educativas, Notícias sobre os Vestibulares e Enem, Monografias e mais.