Limite o comportamento, mas permita sentimentos


Em muitas ocasiões, os pais, diante dos nervos da paternidade e da incerteza de fazer o certo ou o errado … quando limitam o comportamento dos filhos, sem perceber, também estão limitando seus sentimentos. Não permitem que suas emoções venham à tona e os reprima em busca de obediência e “paz” fugaz no lar. É importante que os pais percebam que comportamento é uma coisa e sentimentos é outra.

Limites e acessos de raiva

As birras são a maneira de seus filhos expressarem que não concordam com o que você está dizendo ou com a regra que você os faz obedecer. Quando isso acontece, você deve permitir que expressem seus sentimentos. É natural que você sinta raiva e desapontamento quando estabelece um limite para seu filho.

Kit Alfabetização Só Escola

A tarefa dos pais é aceitar os sentimentos de seus filhos e amá-los igualmente acima de tudo. Quanto mais você fizer isso, menos estressantes serão os sentimentos deles e menos acessos de raiva haverá no futuro. Se você não conseguir tolerar sua raiva, tristeza ou sua reação ao limite e não usar a empatia, a criança aprenderá que faz parte do que é inaceitável, e sentirá vergonha, ressentimento e solidão.

Como acontece com qualquer emoção não reconhecida, a raiva e a tristeza não desaparecem, elas vão para o subterrâneo, onde as sementes da depressão são ampliadas e semeadas.

Limites com empatia

Mesmo que seus filhos não gostem do limite que você está estabelecendo, é essencial fazer isso com empatia. Se os pais conseguirem estabelecer um ambiente calmo e emocionalmente estável, ao mesmo tempo que reforçam o limite, a criança terá a liberdade de estourar o limite, chorar e se arrepender … Mas no final ele vai aceitar e seguir em frente.

Kit Só Escola Autismo

Avançar significa encontrar um caminho aceitável sem quebrar limites. São os limites firmes acompanhados de empatia que permitem que nossos filhos vivenciem suas reações plenas aos limites e aceitem tanto seus sentimentos quanto as regras.

A criança aprende que o mundo está cheio de obstáculos e que nem sempre pode ser o que ela deseja. Você encontrará outra maneira de se sentir melhor quando algo não sai como o esperado, e é disso que se trata a vida. É preciso que os limites sejam com empatia, e banir para sempre os limites autoritários, que só fazem com que se sintam uma pessoa má.

Seu filho vai aprender que nem sempre pode se safar, mas tem algo melhor: alguém que o ama incondicionalmente e o aceita como ele é. Essa é uma consideração positiva que se torna o cerne da auto-estima positiva inabalável e da felicidade interior estável.

Você também aprende que pode tolerar sua raiva e se sentir melhor depois disso. Nisso vemos o início da resiliência, pois considera outras formas de ação. Um exemplo seria este tipo de pensamento em crianças: “Não posso fazer minha festa de aniversário no circo porque não temos dinheiro para isso. Ontem chorei muito por causa disso, mas meus pais entendem como me sinto. Talvez eles me ajudassem a planejar uma festa de futebol no parque e deixassem meus amigos passar a noite. “

Quantos limites são adequados?

Passar a vida estabelecendo limites para os filhos só criará frustração e ressentimento. Antes de estabelecer limites você deve ter um forte vínculo emocional para que a criança aceite e aceite sua empatia por ela. Se você sabotar a felicidade dele criando frustrações ou limites arbitrários ou injustos, ele não aceitará suas tentativas de empatia.

Afinal, você tem o poder de conceder o desejo dela e se recusa a fazê-lo repetidamente.  Em segundo lugar, as crianças passam por muitas situações frustrantes em suas vidas diariamente sem que você acredite nelas. Lembre-se de que seu filho deve se sentir parte da equipe e não da equipe adversária.



  • Deixe um Comentário