Distúrbios alimentares na infância


Distúrbios alimentares na infância: Resta evidente que a infância é um dos estágios de vida biologicamente mais vulneráveis, sendo a nutrição adequada fundamental para garantir o desenvolvimento normal e a manutenção da saúde das crianças. A inadequação de nutrientes interfere no processo de desenvolvimento e crescimento, sendo o fator determinante no aparecimento de carências nutricionais, que ainda acometem 40% da população humana.

A ingestão de alimentos está diretamente ligada a fatores de ordem socioeconômica e cultural, podendo determinar situações cruciais na saúde de crianças e adolescentes. Em países em desenvolvimento, como o Brasil, ainda existem prevalências marcantes de problemas nutricionais, principalmente em crianças pré-escolares (2-5 anos), cujo determinante primário é o consumo alimentar. Nessa faixa etária, é comum o consumo de uma dieta à base de leite de vaca, farinha e açúcar, a qual contribui demasiadamente para o surgimento das carências nutricionais e eventuais distúrbios alimentares.

Esse tipo de transtorno geralmente apresenta as suas primeiras manifestações na infância e na adolescência. É possível dividir as alterações desse tipo de comportamento alimentar em dois grupos.

Kit Alfabetização Só Escola

Primeiramente, os transtornos que ocorrem precocemente na infância e que representam alterações da relação da criança com a alimentação, por exemplo, o transtorno de ruminação e a pica (que consiste na ingestão persistente de substâncias não nutritivas, inadequadas para o desenvolvimento infantil, como terra, barro, cabelo, alimentos crus, cinzas de cigarro e fezes de animais). E no segundo grupo, os problemas surgem mais tardiamente, que são os transtornos alimentares propriamente ditos, como a anorexia nervosa e a bulimia nervosa.

Sabendo disso, é importante que o psicólogo esteja bem familiarizado com as diretrizes clínicas desses processos. O diagnóstico precoce e a abordagem terapêutica adequada dos transtornos alimentares são fundamentais para o manejo médico e o prognóstico dessas condições, impedindo consequências piores.

Veja também: o que é Hiperatividade?

Kit Só Escola Autismo


  • Deixe um Comentário