Como ser um pai resiliente


Como pais, é necessário ter resistência, flexibilidade e força interior para se recuperar quando as coisas não estão indo bem. Existem vários fatores estressantes na vida, como histórico familiar de abuso ou negligência, problemas de saúde, conflito conjugal ou violência doméstica ou comunitária, e fatores financeiros, como desemprego, pobreza e falta de moradia. Tudo isso  pode reduzir a capacidade dos pais de lidar efetivamente com o estresse diário dos pais.

É importante se reconhecer e se esforçar de quatro maneiras:

  1. Como pessoa ou como família
  2. Na escola ou treinamento
  3. No autocuidado
  4. Na comunidade geral

Os pais devem desenvolver resiliência com os filhos diariamente, ensinando autocuidado e mantendo uma rotina diária, enfatizando o positivo, construindo um forte vínculo entre pais e filhos, lendo juntos, promovendo habilidades sociais, mantendo uma rotina diária, promovendo a auto-estima e praticando a reflexão.

Kit Alfabetização Só Escola

O estresse em si pode ser definido como a percepção de que algo é mais do que podemos suportar. Quando encaramos os desafios como superáveis, superamos-os com mais facilidade. Quando os definimos como oportunidades de fracasso, geralmente falhamos. Pode parecer a dica mais clichê e banal da história, mas é uma base de pesquisa em resiliência.

O que é resiliência

A resiliência depende de como percebemos nossas vidas. Então, talvez ficemos tenso assistindo nossa filha no palco pela primeira vez; ansioso e preocupado, começamos a refletir. Dentro desses pensamentos, existem camadas de suposições, perspectivas e filtros mentais: “Eu não a preparei o suficiente”, “ela vai se envergonhar”, “devo fazer algo para salvá-la” e assim por diante.

Se acreditarmos que nosso papel é proteger as crianças de tudo, esse momento no palco se torna muito tenso. Se reconhecermos que não podemos proteger nossos filhos de todas as dores, mas fizemos o possível, a experiência muda : “Estou quase tão estressada quanto ela! Espero que corra bem, mas estou aqui se não der.

A percepção em si é maleável. De fato, essa ideia é como uma abordagem ao treinamento de resistência militar para soldados. Os participantes exploram armadilhas mentais, distorções habituais que comprometem o bem-estar emocional. Essas dificuldades podem representar pensamentos como pedir ajuda é admitir fracasso. Eles incluem o pior resultado possível de cada situação na catástrofe ou, alternativamente, minimizam e ignoram o que é esmagador para eles.

Um crítico interno que continua dizendo coisas ruins pode continuamente nos informar que não somos bons o suficiente para lidar com isso. Todas essas distorções representam filtros que distorcem a perspectiva e nos afastam da resistência.

Por meio da prática da atenção plena, aprendemos a manter esses padrões à luz e nos perguntamos: “O que é válido, se houver alguma coisa, e o que não é útil? Nossa visão é intransigente, reativa ou cheia de dúvidas? ” Sem nos subestimar ou nos forçar a ser anormalmente positivos, olhamos um para o outro com curiosidade e nos redirecionamos até que novos hábitos se desenvolvam : “agora ela está sozinha no palco”, “estou nervosa, mas preciso parar de fazer o que acho melhor para ela”.

Incerteza e mudança de perspectiva

A incerteza e a mudança são inevitáveis ​​na vida, e é ainda mais para os pais. O instinto nos leva a cuidar e proteger, porque nos preocupamos mais do que qualquer coisa com nossas famílias. Mas se o único alívio que procuramos é lutar para combater a incerteza na submissão, isso causa estresse desnecessário, pois a certeza nunca ocorre, e o excesso de estresse prejudica não apenas a maneira como nos sentimos, mas também as escolhas que fazemos todos os dias.

Trabalhar com a percepção equivocada de que a preocupação dos pais sempre desaparece apenas nos faz sentir piores. Não podemos e não devemos aspirar a controlar tudo. Em vez disso, podemos mudar nossa perspectiva para aceitar que coisas estressantes acontecem repetidamente. Quando tentamos consertar tudo o que enfrentamos e alcançar uma imagem perfeita de felicidade, comprometemos nossas melhores intenções. A percepção de que os pais ou qualquer outra parte da vida pode ser apenas manchas e mudanças nos afasta do nosso eu mais hábil e resiliente.

PARE

Trabalhar sob a percepção equivocada de que a preocupação dos pais sempre desaparece apenas nos faz sentir piores. Não podemos e não devemos aspirar a controlar tudo. Você pode começar a separar sua perspectiva da própria experiência. Muitas atitudes diante da adversidade parecem declarações objetivas: “essas pessoas são assim”, “meu filho nunca fará isso”, “eu não sou o tipo de pessoa que pode fazer isso …”.

Observe esses pensamentos habituais e pergunte a si mesmo: é verdade? Deixe de lado suas suposições e previsões por um tempo e veja quais mudanças ocorrem em sua vida . Tente acompanhar esta prática simples:

  • Apenas pare o que você está fazendo
  • Você tem que respirar lentamente
  • Observe o que está acontecendo ao seu redor e em sua mente
  • Pense em como proceder para pensar no seu bem-estar e no dos outros.


  • Deixe um Comentário