Nunca se adapte ao que não te faz feliz


Nunca se adapte ao que não te faz feliz – A felicidade não deve nos fazer mal nem nos oprimir

Às vezes fazemos isso. Nós nos adaptamos ao que não nos faz felizes, como se colocássemos todos os dias sapatos que não são do nosso tamanho e que nos impedem de andar, correr… A felicidade não faz mal e ela não oprime, ela não te corta a respiração. Permite-nos sentir livres e dominadores do nosso próprio destino.

Alguns anúncios e muitos artigos na internet valorizam a teoria de que “a felicidade é agitação”, isto é, que só podemos ser felizes sendo ocupados.

“O mundo sabiamente prefere a felicidade à sabedoria. “-Will Durant-

Embora seja certo que conceitos como o “fluxo” de Mihaly Csikszentmihalyi enfatizam que concentrar nosso corpo em uma tarefa pode nos permitir alcançar alguma paz mental, precisamos nos perguntar: a importância da tarefa em si que escolhemos desta perspectiva. De fato, muitas pessoas não estão felizes com esses preceitos porque nem sempre somos felizes no que fazemos. Muitas vezes trabalhamos para nos sustentar e sustentar às nossas famílias, não para cuidar do nosso bem-estar psicológico.

Poderíamos dizer, sem medo de nos enganar, que estamos sempre adotando as dificuldades de nossa vida cotidiana, mesmo quando percebemos que essa rotina não nos faz felizes. Estamos presos em um círculo vicioso que nunca para de girar. Se algumas pessoas parecem felizes e satisfeitas com a sua existência, parecemos não pertencer a este grupo.

Nós nos adaptamos para nos sentirmos seguros

Quando éramos crianças, nossos pais faziam um nó duplo em nossos sapatos, para que não se soltassem e caíssemos. Eles nos envolveram em suéteres e casacos com toda a ternura, levantaram as golas de nossas blusas e nossas jaquetas para que ficássemos bem aquecidos.

No entanto, estas roupas não nos deram qualquer conforto e nos sentimos oprimidos por todas estas camadas de tecidos, mas sentimos uma certa segurança. À medida que crescemos e nos tornamos adultos, essa necessidade de nos sentir seguros é muito presente. No entanto, esse impulso inexorável que nos leva a buscar cada vez mais segurança e que direciona nossas vidas nem sempre é consciente.

Por mais estranho que pareça, é o nosso cérebro que é mais sensível a essa necessidade de segurança. Ele não gosta de mudanças, riscos, muito menos ameaças. É ele quem nos diz para nos adaptarmos, mesmo que não sejamos felizes, porque a segurança garante a sobrevivência. No entanto devemos estar cientes que a adaptação nem sempre anda de mãos dadas com a felicidade.

Algumas pessoas têm um relacionamento onde não há amor verdadeiro, cumplicidade genuína ou mesmo felicidade. O importante para essas pessoas é fugir da solidão. Eles não hesitam por um momento em se adaptar a um coração e a uma personalidade que não lhes dá felicidade.

Muitas vezes é a mesma coisa no nível profissional. Pessoas que são dóceis, maleáveis, que confiam nas várias menções consensuais do seu currículo para se adaptarem às exigências das hierarquias de empresas que são projetadas para tudo, exceto para criar felicidade.

É como se o nosso cérebro vivesse de acordo com esta filosofia: “Adaptar ou morrer, desistir de subsistir. “

Mas nós realmente merecemos viver e morrer em desgraça?

Por que devemos nos adaptar, se somos diferentes dos outros?

Para ser feliz, devemos tomar decisões

Embora nosso cérebro esteja relutante em mudar e nos convide a permanecer em nossa zona de conforto, ele também é geneticamente projetado para enfrentar desafios e superar obstáculos. Uma descoberta científica sobre esse assunto deve nos convidar a uma intensa reflexão.

“A felicidade não está fora, mas dentro, então não dependemos do que temos, mas do que somos. “-Pablo Neruda-

Os pesquisadores Richard Herrnstein e Charles Murray definiram, há alguns anos, o conceito chamado “efeito Flynn”. Eles observaram que continuamos a ganhar pontos de QI ao longo do tempo. Isso significa que nossa vida está cheia de estímulos. Hoje em dia, temos acesso a muita informação, estamos interagindo mais e as futuras gerações ficarão ainda mais confortáveis ​​lidando com todos esses processos, principalmente aqueles relacionados ao uso de novas tecnologias.

Psicólogos, psiquiatras, sociólogos e antropólogos concordam em um ponto: o alto QI não tem nada a ver com a felicidade. Ser feliz não está necessariamente relacionado a ter conexões neurais mais fortes e mais poderosas que as dos outros. É um fenômeno estranho e muito angustiante que deve ser reconhecido.Mas então por que continuamos a desenvolver nosso QI? Simplesmente adaptar-se à sociedade da informação em que vivemos. Voltamos à nossa zona de conforto, inventamos um substituto da felicidade, abraçamos o estresse e a ansiedade que nossos ritmos de vida nos trazem.

Esquecemos que, para ser feliz, temos que tomar decisões fortes. Que devemos remover esses sapatos pequenos demais que nos oprimem e nos aventurarmos a andar descalços. Não devemos esquecer que o amor não é para nos fazer sofrer, que a docilidade no trabalho não é fácil e que devemos nos aventurar a seguir nosso próprio caminho como o entendemos, em busca de nossa própria felicidade.

Fonte: nospensees


Nunca se adapte ao que não te faz feliz
5 (100%) 1 vote[s]