Cinderela, História Infantil, Histórias, Histórias Infantis

Cinderela


Cinderela, uma história clássica de uma vida.

“Cinderela” é um dos contos de fadas infantis mais conhecidos do mundo. Na verdade, foi coberto por vários autores e foi traduzido para várias línguas, do vietnamita e chinês ao francês e inglês. No entanto, as histórias mais populares vieram as canetas de Charles Perrault em 1697, e os irmãos Grimm em 1812.

Esta história destaca o valor da bondade e esperança, por isso é perfeito para transmitir para as crianças a importância de perseverar e manter a ilusão mesmo na adversidade.

Cinderela

Veja mais em:

Cinderela, uma linda história de esperança

Há muito tempo, vivia um casal que tinha uma filha linda. Um dia, a mãe ficou doente e depois de passar várias semanas na cama, ela morreu. A menina ficou muito triste, mas, depois de um tempo, o pai, sentindo-se incapaz de educar a filha sozinho, casou-se com outra mulher pensando que assim a menina encontraria alegria novamente.

A segunda esposa levou para casa suas duas filhas, que não eram muito graciosas e que também tinham um coração muito malvado. A partir daquele momento, os dias seriam muito difíceis para o pequeno órfão.

– Essa garota idiota tem que estar na sala com a gente? – perguntou sua meia-irmã.

– Se ele quiser comer pão, deixe-o ganhar. Saia para a cozinha! A trabalhar!

Tiraram seus belos vestidos, vestiram uma camisola velha e lhe deram um par de tamancos com buracos. Então, tirando sarro dela, eles a levaram para a cozinha, onde ela teve que passar o dia todo ocupada no trabalho duro. Levantou-se de madrugada, foi buscar a água, acendeu o fogo, preparou a comida e lavou as roupas. No entanto, isso não era tudo, para tornar a vida ainda mais difícil, suas irmãs continuaram a zombar dela e jogar cinzas, ervilhas e lentilhas no chão para que ela tivesse que passar horas apanhando-as. Quando a noite chegou, esgotada por tanto trabalho, em vez de deitada em uma cama, ela teve que dormir no chão da cozinha. É por isso que ela estava sempre empoeirada e suja, então começaram a chamá-la de Cinderela.

Um dia, quando o pai estava prestes a ir para a feira, ele perguntou a suas duas enteadas o que elas queriam que ele trouxesse.

– vestidos bonitos – respondeu a um deles.

– Pérolas e pedras preciosas – disse o outro.

– E você, o que você quer que eu te traga? – o pai perguntou a Cinderela.

– Pai, corte o primeiro graveto que toca o chapéu quando voltar e traga-o para mim.

O homem comprou magníficos vestidos, pérolas e pedras preciosas para suas enteadas, e quando voltou através de um bosque, um broto de avelã caiu sobre o chapéu, cortou-o e levou-o consigo. Quando chegou em casa, deu às enteadas o que elas pediram e Cinderela, o botão castanho. A garota agradeceu e foi com o galho até o túmulo de sua mãe, plantou-o ali e regou-o todos os dias com as lágrimas. Com o passar do tempo o botão cresceu e se tornou uma bela árvore. Cinderela foi lá, sentou-se e chorou e rezou.

Assim o tempo passou, até que um dia o rei organizou uma festa para a qual todas as moças do reino foram convidadas para que o príncipe herdeiro escolhesse sua esposa entre elas. Ao ouvir a notícia, as duas irmãs, que também estavam na lista, ficaram muito felizes. Eles ligaram para Cinderela e disseram:

– Pente-nos, escove bem os sapatos e ajude-nos a nos vestir para irmos à festa do palácio.

Cinderela ajudou-os a se vestir, mas ela também queria ir ao baile, então foi pedir permissão à madrasta.

– Você, a Cinderela coberta de poeira, você pretende ir à festa ?! Você não tem vestido ou sapatos e quer dançar?

No entanto, como a jovem insistiu, a madrasta finalmente lhe disse:

– Eu coloquei um prato de lentilhas nas cinzas, se você pegá-las em duas horas, eu vou deixar você ir.

A menina correu para o jardim e pediu a seus amigos pombos para ajudá-la a recolher as lentilhas. Imediatamente todas as aves que estavam no jardim chegaram ao seu chamado e começaram a recolher as lentilhas das cinzas. Nem mesmo uma hora se passou quando, quando o trabalho terminou, eles voaram e desapareceram. A moça trouxe a fonte para a madrasta, feliz porque pensou que a deixaria ir à festa, mas disse:

– Você não tem vestido e não sabe dançar. Todo mundo vai tirar sarro de você.

Mas quando a pobre mulher começou a chorar, ela disse:

– Se em uma hora você puder limpar duas fontes cheias de lentilhas que vou jogar na cinza, eu vou deixar você ir – embora eu achasse que a garota nunca conseguiria.

No entanto, quando lentilhas estavam em cinzas, a moça voltou para o jardim e virou-se para pedir a seus amigos para ajudá-lo pombos. Não fazia meia hora, quando a tarefa terminou, eles decolaram. A garota trouxe a fonte de volta para sua madrasta, pensando que dessa vez ela permitiria que ele fosse à festa. Mas a madrasta lhe disse:

– É inútil, o que você faz, você não virá porque você não tem um vestido ou sabe dançar. Você só nos envergonharia.

Virando as costas para ela, ele saiu apressadamente com suas duas orgulhosas filhas. Quando todos foram embora, Cinderela foi até o túmulo de sua mãe, sob a aveleira, e com lágrimas nos olhos começou a contar-lhe sobre a sua miséria.

Naquele momento, sua fada madrinha apareceu para ele. Ela olhou para Cinderela, tocou-a com sua varinha mágica e vestiu-a em um lindo vestido bordado em prata e ouro e com sapatos de cristal com ornamentos de seda e prata. Cinderela ficou muito feliz, agradeceu a sua fada madrinha e quando estava prestes a sair percebeu que não tinha como chegar ao palácio. A fada madrinha acenou com sua varinha mágica e do nada surgiu uma carruagem digna de rainha, mas avisou:

– Antes da meia noite você deve retornar porque o feitiço vai desaparecer.

Cinderela agradeceu novamente e partiu para o palácio. Quando ela chegou, para sua surpresa, a madrasta e as irmãs não a reconheceram porque, quando a viram vestida assim, levaram-na para uma princesa estrangeira. Nem por um momento lhes ocorreu que eram Cinderela, que acreditavam na cozinha, com suas roupas sujas e procurando lentilhas nas cinzas.

Quando o príncipe a viu, ele imediatamente se aproximou dela e, tomando-a pela mão, convidou-a para dançar. Dançaram a noite toda, o príncipe não quis dançar com nenhum outro, toda vez que outra jovem se aproximava, ele a rejeitava. Cinderela sentiu-se feliz, como se estivesse vivendo em um autêntico conto de fadas.

No entanto, ela estava tão feliz que nem percebeu que a meia-noite estava se aproximando, até que ouviu os 12 sinos do relógio. Cinderela soltou a mão do príncipe e, despedindo-se, saiu correndo do palácio. No entanto, quando ele desceu as escadas, ele perdeu um dos seus sapatos. Cinderela ia voltar para buscá-lo, mas viu que o príncipe estava indo encontrá-lo, então ele se virou e fugiu. O príncipe pegou o minúsculo sapato adornado com ouro e na manhã seguinte publicou um anúncio anunciando que se casaria com a garota a quem o sapato seria servido.

Quando as suas irmãs ouviram as notícias, não puderam ser felizes. Obviamente, quando o príncipe chegou com sua escolta, eles fizeram todo o possível porque seus pés enormes entrariam naquele minúsculo sapato, mas não havia jeito. O príncipe estava prestes a sair, mas ocorreu a ele para perguntar se não havia outra senhora em casa.

A madrasta disse que havia apenas Cinderela, a filha de seu marido, mas era impossível para ela ser a misteriosa princesa, porque ela nem tinha ido ao baile. No entanto, o príncipe insistiu que o sapato fosse julgado. A jovem lavou-se, tirou as cinzas do rosto, entrou na sala e fez uma reverência ao príncipe, que lhe entregou o sapato de ouro.

Cinderela sentou-se e experimentou o sapato dela. Grande foi a surpresa de suas irmãs quando viram que era como seda. Quando Cinderela se levantou, o príncipe olhou para ela e imediatamente reconheceu a bela donzela que dançou com ele. Ele a pegou pela mão e eles foram para o palácio.

Enquanto isso, a madrasta e as madrastas de Cinderela morreram de inveja e culpavam umas às outras. No entanto, com o passar do tempo Cinderela os perdoou e no dia do casamento eles até mandaram um convite para participar da celebração. Cinderela e o príncipe viveram felizes pelo resto de suas vidas.


Cinderela

Você gostou da história infantil da “Cinderela“? Se você quiser saber mais histórias para compartilhar com seus filhos e desfrutar como uma família, você pode encontrá-los em (Histórias e Contos Infantis).

Se gostou da postagem, não deixe de compartilhar com seus amigos nas redes sociais e também deixe um comentário aqui em nosso site com sua opinião e sugestões para outras postagens.

Curta e Compartilhe com seus amigos: @SÓ ESCOLA.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *