História Infantil, Histórias, Histórias Infantis

Branca de Neve e os sete anões


Breve história (resumo) de Branca de Neve e os sete anões para ler com as crianças.

“Branca de Neve” também conhecida como “Branca de Neve e os Sete Anões” é um daqueles contos de fadas que toda criança deveria ler. Na verdade, é uma história infantil que transcendeu ao longo dos anos entretendo crianças de diferentes gerações. A história foi publicada pela primeira vez na Alemanha, no entanto, a história ficou famosa com a versão popularizada pelos irmãos Grimm, a mesma versão que anos depois a Disney levou para a telinha.

“Branca de Neve e os Sete Anões” é uma história sobre inveja e supervalorização da aparência física. Embora também destaque o valor da amizade e ensine as crianças a não interagirem com estranhos. Uma história perfeita para ensinar-lhes a importância de aprender a aceitar a si mesmo e ser verdadeiramente autêntica.

Veja também:

A história da Branca de Neve e os Sete Anões

Era uma vez uma bela rainha que não tinha filhos e que ansiava por uma menina. Um dia, enquanto tecia com seu anel de ébano, contemplando o horizonte, ele espetou o dedo com a agulha e algumas gotas de sangue caíram sobre a neve acumulada na janela. A rainha olhou para o belo contraste de sangue vermelho na neve branca e seu anel de ébano.

– Como eu gostaria de ter uma filha cuja pele era branca como a neve, seus lábios vermelhos como sangue e seu cabelo preto como ébano! – ele disse suspirando alto

Pouco tempo depois, seu desejo se tornou realidade e uma linda menina de pele branca, lábios vermelhos e cabelo preto nasceu, a quem ela chamou de Branca de Neve.

Infelizmente, a rainha morreu quando a menina era muito pequena e pouco depois o pai de Branca de Neve se casou novamente com uma mulher bonita. Tal era a beleza da nova rainha que passava o dia todo olhando para si mesma diante do espelho. Mas não na frente de qualquer espelho, mas na frente de um espelho mágico para o qual ele poderia perguntar tudo o que ele queria. Então, todo dia ele ficava na frente do espelho e perguntava:

– Espelho mágico, quem é o mais belo do reino?

E o espelho respondeu:

– Rainha! Você é a mais bela de todas as mulheres.

Então os anos passaram. A rainha ainda estava tão absorta em sua beleza que mal dava tempo aos seus deveres no reino. Enquanto isso, Branca de Neve ficou de olho e quando ela tinha quinze anos, ela se tornou uma jovem muito bonita que todo mundo adorava. No dia em que a comemoração dos quinze anos de Branca de Neve foi celebrada em todo o reino, antes de sair de seu quarto, a rainha foi até seu espelho mágico e, como costumava fazer, perguntou:

Quem é o mais bonito neste reino? – a rainha perguntou.

Mas naquela ocasião o espelho não teve a mesma resposta.

– Majestade, você é muito bonita, mas tem alguém ainda mais bonito. Branca de Neve é ​​a mais bela do reino!

A rainha ficou furiosa. Ele começou a jogar coisas do seu quarto em todos os lugares. Cheio de raiva e inveja, ele mandou buscar o seu mais fiel caçador e ordenou-lhe:

– No final da festa, leve Snow White para as profundezas da floresta e mate-a. Como prova de ter cumprido minha ordem, traga-me seu coração neste baú.

O caçador inclinou a cabeça em sinal de obediência e, assim que a festa terminou, foi em busca da Branca de Neve.

– Aonde vamos? – Branca de Neve perguntou.

– Para um passeio na floresta, Sua Alteza – o caçador respondeu.

No entanto, o pobre homem estava muito angustiado e sabia que ele não seria capaz de executar a ordem da rainha e matar a princesa. Então, quando chegou ao meio da floresta, o caçador explicou a Branca de Neve a razão pela qual ele a levou lá e disse:

– Afaste-se daqui e esconda-se em um lugar onde a rainha não possa encontrá-lo! Nunca mais volte para o palácio!

Ele deixou que ela fugisse, e para a rainha não perceber que ela não havia cumprido suas ordens, ela substituiu o coração de Branca de Neve com o de um javali.

– A rainha vai acreditar que é o coração da Branca de Neve. Então a princesa e eu vamos viver mais tempo – pensou o caçador.

Enquanto isso, Blancannieves se viu sozinha na escuridão da floresta. Eu estava apavorada. Ele achava que sentia alguém em todos os lugares e os sons que ouvia o assustavam muito. Então ele correu sem rumo. Ele andou e caminhou por horas até que finalmente viu uma pequena cabana em uma clareira na floresta. Ele se aproximou da cabine e perguntou enquanto batia na porta:

– Tem alguém em casa?

Como ninguém respondeu, Branca de Neve empurrou a porta e entrou. No meio da sala, ele viu uma mesa redonda servida por sete pessoas. Branca de Neve telefonou de novo, mas ninguém respondeu, sentindo-se mais segura, subiu as escadas que levavam ao último andar. Havia sete pequenas camas pequenas dispostas lado a lado.

– Eu vou descansar um pouco, estou tão cansado! – Ela pensou e foi para a cama até que ela estivesse dormindo.

No entanto, o que a Branca de Neve não sabia era que a cabana pertencia a sete anãs da floresta. Eles eram pessoas muito pequenas que tinham barbas muito longas e usavam chapéus coloridos. Eles passaram o dia todo trabalhando e à noite voltavam para casa depois de um longo dia de trabalho em uma mina de diamantes. Naquela noite, demorou um pouco mais para voltar, mas quando chegaram em casa, encontraram uma grande surpresa. Alguém havia entrado em sua casa!

Eles entraram com cuidado, vasculharam a sala e não encontraram nada, então subiram as escadas.

Olha! Há alguém dormindo em nossas camas!

Um deles tocou delicadamente o ombro de Branca de Neve, que acordou sobressaltado.

– Quem é? O que faz aqui? – perguntou o pequeno povo espantado.

Branca de Neve contou a eles sua trágica história e eles a ouviram maravilhados e cheios de compaixão.

– Fica conosco. Aqui você estará seguro. Você sabe preparar tortas de maçã? – perguntou um deles.

– Sim Sim! Eu posso preparar qualquer coisa – ela respondeu feliz.

– A torta de maçã é a nossa sobremesa favorita, então você pode nos ajudar com o trabalho doméstico e nós lhe daremos abrigo – eles disseram.

Finalmente, Branca de Neve ficou. Ela cuidou das tarefas da casa enquanto os anões iam trabalhar na mina de diamantes e durante a noite ela contava histórias engraçadas. Eles viviam muito felizes, embora os anões estivessem muito preocupados com a segurança da Branca de Neve.

– Não fale com estranhos quando estiver sozinho. E, acima de tudo, você não terá a porta para ninguém! – eles sempre o avisaram quando saíram.

– Não se preocupem. Eu terei muito cuidado – prometi a Branca de Neve.

Os meses passaram e Branca de Neve todos os dias parecia mais bonita. Passei os dias lendo, bordando e cantando belas canções. Às vezes ele sonhava que ele se casou com um belo príncipe e que sua vida mudou para sempre.

Enquanto isso, no palácio, a rainha má convencida de que Branca de Neve morrera, ela nunca mais questionou seu espelho mágico. No entanto, uma manhã, ele decidiu perguntar-lhe novamente.

– É verdade que sou a mais bela do reino? – te pergunto

– Não, você não é a mais linda, Branca de Neve ainda é a mais bonita do reino – o espelho respondeu.

– Mas a Branca de Neve está morta! – a rainha gritou desesperadamente.

– Não. Ela ainda está viva e mora com os sete anões da floresta – o espelho respondeu

A rainha irritada mandou chamar o caçador, mas ele já havia saído do palácio. Então ele começou a pensar em como ele faria para se livrar da jovem princesa para sempre. Ele pensou em um plano maligno: ele iria disfarçado para a casa da floresta e envenenaria a Branca de Neve.

Na manhã seguinte, os anões foram trabalhar, despediram-se de Branca de Neve e todos os dias disseram-lhe para ter muito cuidado e não abrir a porta a ninguém. Quando os anões partiram, Branca de Neve partiu para fazer uma torta de maçã e sentiu alguém se aproximar da casa. Ele olhou pela janela e viu uma velha se aproximando.

– Eu vejo que você está fazendo uma torta de maçã – a velha disse aproximando-se da janela da cozinha.

– Sim – respondeu Branca de Neve um pouco nervosa. Eu imploro seu perdão, mas não posso falar com estranhos.

– Tem razão! Mas eu só queria te dar uma maçã. Eu os vendo para poder viver e talvez um dia você queira me comprar. Eles são deliciosos, você vai ver. A velha cortou um pedaço de maçã e colocou na boca.

– Você vê filhinha? Uma maçã não pode fazer nenhum mal a você. Aproveite! – ele disse se afastando devagar.

Branca de Neve não conseguia tirar os olhos da maçã. Não só parecia inofensivo, mas parecia suculento e irresistível!

– Ela não pode ser envenenada se a velha comer um pedaço – ele pensou consigo mesmo.

Mas o que Branca de Neve não sabia era que a velha senhora era na verdade a rainha disfarçada e que ela envenenara metade da maçã. Então, sem pensar duas vezes, ele pegou a maçã em suas mãos e deu uma mordida. Poucos minutos depois, ela caiu no chão, onde os sete anões a encontraram quando voltaram da mina.

– Este é, sem dúvida, o trabalho da rainha! – Eles gritaram angustiados enquanto tentavam reviver Branca de Neve.

Mas todos os seus esforços para despertá-la foram em vão, a jovem permaneceu imóvel, não deram sinal de vida. Sua respiração nem manchava o espelho que os anões puseram perto de sua boca.

Os sete anões lamentaram amargamente a morte de Branca de Neve e não quiseram se separar dela. Tal era a sua beleza que, ao vê-la, parecia que ela não havia morrido, mas estava simplesmente adormecida. Eles pensaram que ela era provavelmente a vítima de um feitiço, então eles decidiram não enterrá-la, mas colocá-la dentro de uma caixa de vidro e se revezar cuidando dela.

Um dia, um jovem príncipe que passava pela floresta ouviu falar da linda princesa que jazia na urna de vidro.

– Eu gostaria de ver isso! – ele pensou enquanto ia para a casa dos sete anões.

Ao se aproximar da cabana, ele bateu na porta e pediu aos anões para verem a linda garota de quem tanto se falava. Os anões concordaram que o príncipe a visse. Eles o levaram para a urna e quando o príncipe estava diante dela, ele imediatamente se apaixonou pela beleza da Branca de Neve. Ela era a mulher mais linda que eu já vi!

– Por favor, deixe-me cuidar dela! – Ele implorou aos sete anões. Eu vou cuidar do seu sonho e protegê-la pelo resto da minha vida.

A princípio os anões se recusaram, mas depois aceitaram pensar que a Branca de Neve estaria mais segura em um castelo.

Quando os lacaios do príncipe ergueram a urna de vidro para tirá-la, um deles tropeçou e a urna de vidro estremeceu. Naquele momento, o pedaço de maçã envenenada saiu da boca da Branca de Neve. Suas bochechas, que até então eram de uma cor pálida e mortal, começaram a ficar rosadas e seus olhos se abriram lentamente. Os anões não puderam conter sua alegria. E o príncipe, espantado, ajoelhou-se diante de Branca de Neve e disse:

– Eu desejo com todo meu coração que você seja minha esposa – disse o príncipe se mexeu.

Branca de Neve, cativada pelo galante e belo Príncipe, respondeu:

– Sim, serei sua esposa.

Então, Branca de Neve, o príncipe e os sete anões foram para o castelo, onde dias depois do casamento foi celebrado com uma grande festa. Eles até convidaram a rainha má, que, quando viu a beleza e a doçura da Branca de Neve, caiu instantaneamente morta de tanta raiva e inveja.

Branca de Neve e o príncipe viveram felizes em um belo castelo com os sete anões que nunca tiveram que voltar para trabalhar na mina de diamantes.


Branca de Neve e os sete anões

Branca de Neve e os sete anões

Você gostou da história infantil “Branca de Neve e os sete anões“? Se você quiser saber mais histórias para compartilhar com seus filhos e desfrutar como uma família, você pode encontrá-los em (Histórias e Contos Infantis).

Se gostou da postagem, não deixe de compartilhar com seus amigos nas redes sociais e também deixe um comentário aqui em nosso site com sua opinião e sugestões para outras postagens.

Curta e Compartilhe com seus amigos: @SÓ ESCOLA.


Branca de Neve e os sete anões
Qualifique está postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *