Deixe de ver o coordenador pedagógico como um fiscal. Você só tem a ganhar!


O coordenador pedagógico ainda carrega o estigma de fiscal. Muitos acreditam que ele está pronto para autuar professores na sala de aula, só de olho em uma lista ampla de tópicos que o docente precisa garantir: pontualidade, cumprimento dos conteúdos, adequação das tarefas e tantos outros itens. Caso falhe em algo, lá está o fiscal, pronto para indicar seus erros. A realidade, no entanto, é bem diferente dessa, meus caros colegas. O coordenador pode ser um parceiro valioso para nós. Ao atuar em prol de melhorias nas condições didáticas e pedagógicas, ele se corresponsabiliza pela qualidade do trabalho em classe.
Deixe de ver o coordenador pedagógico como um fiscal. Você só tem a ganhar!
Deixe de ver o coordenador pedagógico como um fiscal. Você só tem a ganhar!
Gosto da metáfora da orquestra sinfônica, em que vários profissionais planejam e ensaiam muito para combinar sons e, com tarefas distintas, atuam em sintonia para produzir arte. A prática educativa dentro de uma instituição escolar também pode ser pensada assim.

Ninguém é professor sozinho. Essa é uma profissão que exige partilhas, troca de experiências, estudo, pesquisa e muita conversa para adequar o ensino ofertado às necessidades de aprendizagem das crianças e dos jovens. Para isso, fazer um trabalho regular na sala de aula não basta. É preciso integrar uma comunidade de educadores conscientes, comprometidos e alinhados com o projeto educativo da instituição.
A questão é que, muitas vezes, o docente se sente invadido com a presença do coordenador pedagógico. Isso acontece, sobretudo, porque é hegemônica a ideia de que o trabalho docente é uma atividade privada e de que o bom professor se basta. Precisamos romper com a ideia de “carreira solo”. Você não está sozinho! E isso é bom.
O primeiro passo é o professor procurar um lugar mais confortável na relação com o coordenador. Não se pode simplesmente dizer “não aceito que ele faça a supervisão do meu trabalho, olhe o meu planejamento e entre na minha sala”, porque essas são práticas profissionais e instituídas. É necessário ter clareza de que ambos possuem responsabilidades com a prática educativa, cada qual com suas funções– que precisam estar articuladas.
Nesse sentido, estabelecer combinados sobre o funcionamento dessa parceria pode ampliar a confiança e a cumplicidade. Dialogar com o coordenador e trazer sugestões sobre como a observação na sala de aula pode ser combinada previamente ou estabelecer um cronograma para a entrega de planejamentos e recebimento de devolutivas, por exemplo, são caminhos possíveis para desenvolver uma relação e um trabalho produtivo.
Em sessões de observação de sala de aula, a dica é garantir as condições para que o coordenador conheça previamente o planejamento. Conte o que você pretende fazer. Dessa maneira, ele tem tempo para dar a você as ajudas e sugestões necessárias para qualificar a proposta. Converse sobre as hipóteses didáticas que elaborou, bem como sobre as dúvidas e dificuldades que encontra em sala, tendo em vista as características da turma.
A atuação do coordenador pedagógico também não pode ser solitária. Ele precisa conhecer o trabalho de cada um e ter as dicas da equipe para ajustar o programa de formação da escola e, assim, dinamizar processos pedagógicos institucionais.
Por: Neurilene Martins
Retirado do NOVAESCOLA.ORG.BR
Você tem outras dicas para aproximar e melhorar o trabalho em conjunto com o coordenador? Compartilhe nos comentários!




  • Deixe um Comentário