Início Educação Educação física inclusiva

Educação física inclusiva

5
0
COMPARTILHAR
A educação física escolar é um momento em que as crianças realizam não apenas a prática de esportes, como também desenvolvem atividades lúdicas e psicomotoras  que, além de  movimentar todo seu corpo, desenvolvem Coordenação Motora Fina e Global, Estruturação Espacial, Orientação Temporal, Lateralidade, Estruturação Corporal e as relações com a aprendizagem no contexto escolar.
É um momento importante de interação social o qual as crianças aprendem a dividir seu espaço,trabalham suas frustrações em jogos de ganhar e perder, valorizam o trabalho em equipe e as crianças simplesmente adoram esse momento!

A situação problema acontece, quando temos crianças com necessidades especiais. Na maioria das escolas, as crianças com necessidades especiais não participam das aulas de educação física, permanecem como observadores ou são encaminhadas para outros ambientes da escola. Dificilmente são desenvolvidas atividades para a inclusão desses alunos.
Atualmente existem esportes adaptados, porém ,para que as aulas de educação física sejam inclusivas, é necessário que haja a participação e convívio de todos os estudantes durante as atividades com o intuito de desenvolver o conhecimento da cultura corporal e não de aptidões físicas e habilidade motoras.
O primeiro passo para a inclusão é fazer com que todos os alunos entendam as dificuldades do colega com necessidades especiais. Se o aluno é cadeirante, peça aos colegas que permaneçam sentados e solicite que desenvolvam atividades assim,se possui baixa visão, brinque de cabra cega com todos os alunos vendados. Sentir na pele o que o outro passa facilita o entendimento das limitações.
O próximo passo é flexibilizar regras e uso de equipamentos. Todos os alunos podem jogar vôlei sentados,ou utilizar um tecido com traves desenhadas para jogar futebol de pano. As regras devem ser definidas pelos próprios alunos, com a ajuda daquele que necessita de atenção especial. O uso dos equipamentos também deve se adequar ás necessidades dos alunos. Aqui, o importante é sempre ter a participação dos alunos para definir as melhores estratégias no desenvolvimento de novos jogos e atividades físicas.
As escolas da rede pública que contam com salas de recursos multifuncionais e AEE (atendimento educacional especializado) são mais um recurso e apoio para o professor de educação física. Contar com ajuda especializada garante segurança no desenvolvimento do trabalho.
Praticar a inclusão nas aulas de educação física valoriza o aluno com necessidades especiais, desenvolve a criatividade , melhora as relações sociais e cria uma atmosfera participativa em que as aulas realmente são para todos.

Atividades inclusivas

Cadeirantes: Pega ajuda com passes

Número de participantes: livre 
Material: 1 bola 
Descrição do jogo: Um dos alunos será designado a ser o pegador, os demais serão os fugitivos, todos deverão estar sentados de forma dispersa pela quadra. Tanto os pegadores quanto os fugitivos não poderão se levantar, deverá se locomover sentados. O pegador terá uma bola na mão, onde tentará arremessar nos colegas. Aquele que for atingido pela bola passará a ser pegador, aumentando o número de caçadores. (DIEHL, 2006).

Surdos: Futsal de 4 goleiras

Número de participantes: livre. 
Material: 8 cones, 8 coletes, 2 bandeiras de cores diferentes. 
Descrição do jogo: Os alunos serão divididos em duas equipes, com o mesmo número de participantes. A atividade será realizada em uma quadra de futsal, onde não serão utilizadas as traves do gol, e sim 8 cones, que serão montadas 4 goleiras nos cantos da quadra. As equipes deverão marcar gol em duas goleiras designadas para elas. Vence a equipe que fizer o maior número de gols. Poderão ser usadas as mesmas regras do futsal. O professor deverá usar duas bandeiras: uma verde e outra vermelha. Quando ocorrer falta o professor levantará a bandeira vermelha, a verde para sinalizar o início e o termino do jogo. 
Adaptação: Este jogo pode ser jogado com ou sem goleiro. (DIEHL, 2006)

Cegos ou com baixa visão: Posso ajudar?

Material: Vendas pretas para todo o grupo 
Descrição do jogo: A turma deverá ser dividida em pares. Cada par receberá uma venda, um da dupla usará a venda simulando o deficiente visual e o outro será o acompanhante. É importante que o professor explique que o papel do acompanhante é estar ao lado do deficiente visual para oferecer sua ajuda e dá-Ia quando for aceita. Explique que é importante perguntar se ele precisa de ajuda e de que forma essa ajuda pode ser dada. Os pares serão orientados para realizarem diversas atividades, tais como: beber água, andar pela quadra, pelo pátio, explorar a classe, andar entre as carteiras, etc. 
Variação: Uma vez realizado todo o percurso, a dupla deverá trocar as funções, o aluno que estava simulando o deficiente visual deverá passar a ser o acompanhante e assim vice-versa. (Ministério da Educação e do Desporto/ MEC, 2007).

Deficiência mental: Jogo dos balões

Número de participantes: livre 
Material: balões 
Descrição do jogo: Cada aluno segurará um balão. Todos deverão estar em pé e agrupados. Ao sinal do professor, todos deverão jogar os balões para cima, procurando os manter no ar através de pequenos toques, sem deixar cair no chão não importando de quem será o balão. O balão que cair no chão deverá permanecer no chão. O professor determinará o tempo de duração do jogo, após o tempo, os alunos contarão quantos balões conseguirão salvar. A cada jogo o professor incentivará aos alunos a salvar mais balões. (DIEHL, 2006)
Autor: Lorena Batalha de Farias

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here