CONFIRA: LISTA COM 1000 ATIVIDADES PRONTAS PARA IMPRIMIR

Cursos de Pedagogia não priorizam a didática



Cursos de Pedagogia não priorizam a didática
Cursos de Pedagogia não priorizam a didática (NOVAESCOLA)
ESCRITO POR: Maíra Kubík Mano

Estudo reforça que as graduações não ensinam o quê e como ensinar aos futuros professores


Não é novidade que pouco se aprende sobre o quê e o como ensinar nos cursos de Pedagogia. Em outubro de 2008, uma pesquisa da Fundação Carlos Chagas (FCC) feita a pedido da Fundação Victor Civita (FVC) e publicada por NOVA ESCOLA demonstrava bem essa situação. Àquela altura, menos de 30% das disciplinas nos cursos espalhados por todo o país se referiam à formação profissional específica (20,5% a metodologias e práticas de ensino e 7,5% a conteúdos). Já as matérias voltadas para o funcionamento dos sistemas educacionais e os fundamentos da Educação correspondiam a 42% dos currículos. 


De lá para cá, quase nada mudou. Mas há um fato novo nessa história: comprovou-se que a balança sempre pesou para um lado, desde os primeiros passos da Pedagogia na universidade brasileira. Essa é a conclusão de um estudo feito pelo pesquisador Bruno Bontempi Jr., professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP). Segundo Bontempi, a pouca ênfase na didática tem suas raízes na fundação da própria USP, há quase 80 anos. 

A universidade nasceu em 1934 da fusão entre a recém-criada Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL) e as já existentes faculdades de Medicina, Direito, Farmácia e Odontologia, além da Politécnica e da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (Esalq). "A FFCL surgiu como parte da promessa de criar uma nova elite, alicerçada nas Ciências Sociais, em contraposição à que vinha dos tempos imperiais e era formada por médicos, engenheiros e advogados", afirma o pesquisador. "A base desse projeto era uma faculdade de estudos desinteressados, ou seja, sem aplicabilidade profissional." 

Acontece que o Instituto de Educação Caetano de Campos, que na mesma época formava e aperfeiçoava professores, administradores, técnicos e orientadores de ensino, também foi anexado à USP como parte da FFCL. Resultado: em um ambiente que se pretendia de reflexão e altos estudos, encaixou-se uma escola com vocação essencialmente prática. Daí em diante, conta Bontempi, a licença para o Magistério secundário passou a ser concedida apenas aos alunos que tivessem concluído a graduação na FFCL e também o curso de formação pedagógica no instituto. "Isso acabou provocando um enorme ruído", diz o pesquisador. "Enquanto os primeiros catedráticos da faculdade eram estrangeiros de renome no Brasil, os que vinham do instituto eram os chamados normalistas, sem Ensino Superior e olhados de cima para baixo pelos próprios colegas de universidade." 

Em 1939, veio a reforma curricular que cristalizaria essa situação. Instituiu-se na FFLC o modelo 3+1: três anos do curso dedicados ao ensino de disciplinas específicas e apenas o último reservado a Pedagogia e didática. "Isso só reforçou a ideia de que o conhecimento didático tinha menor importância", afirma Bontempi. As questões teóricas ligadas a fundamentos, segundo o pesquisador, seriam vistas para sempre como as de real interesse. "Até hoje funciona assim." 

Para a historiadora Lucilene Pisaneschi, autora do livro Formação Inicial de Professores, a hegemonia das disciplinas teóricas gerais na FFLC acabou sendo replicada na maioria das instituições de Ensino Superior do país. "Decidiu-se na USP que a formação de professor era algo de segunda ou terceira categoria, e essa concepção foi se multiplicando Brasil afora." A esperança, agora, é que as novas diretrizes para a abertura de cursos de Pedagogia ajudem a corrigir essa distorção (leia o quadro abaixo). Ou que, pelo menos, elas sirvam de pontapé inicial para um amplo debate sobre a formação dos professores que educarão os brasileiros nas próximas décadas.

Capacitação profissional

Novos cursos de graduação terão de priorizar as didáticas específicas de cada disciplina 


As novas diretrizes para a criação de cursos de Pedagogia, aprovadas pelo Ministério da Educação (MEC) em junho de 2010, não deixam margem a dúvidas: o objetivo prioritário deve ser a formação de professores para a Educação Infantil e os anos iniciais do Ensino Fundamental. Na prática, isso quer dizer que, quanto maior for a vocação dos novos cursos para a capacitação profissional, maior será a chance de eles terem sua abertura autorizada. Espera-se, com isso, que os educadores formados por essas instituições cheguem às salas de aula mais qualificados para lidar com os eixos de trabalho de creche e de pré-escola e as didáticas específicas das disciplinas do 1º ao 5º ano.

Esta postagem foi retirada do site NOVAESCOLA e escrito por Maíra Kubík Mano - todos os direitos são dos mesmos.

COMENTE pelo Facebook:

Postagens Relacionadas

Próximo
Anterior

0 comentários:

Acompanhe !!

Conteúdo para Estudantes, Pais e Professores.

Exercícios, Atividades Educativas, Alfabetização infantil, Atividades Infantis, Atividades Lúdicas, Atividades para Imprimir, Atividades Pedagógicas, Atividades para Professores, Artesanato, Artigos Educacionais, Autismo, Berçário, Moldes para Imprimir, Datas comemorativas, Maternal, Folclore, Planos de Aula, Sequências Didáticas, Planos de Aula, Livros Infantis, Início Ano Letivo, Desenhos para colorir, Imagens Educativas, Notícias sobre os Vestibulares e Enem, Monografias e mais.