CONFIRA: LISTA COM 1000 ATIVIDADES PRONTAS PARA IMPRIMIR

Dificuldades da Educação Inclusiva para Crianças com Autismo



Dificuldades da Educação Inclusiva para Crianças com Autismo
Dificuldades da Educação Inclusiva para Crianças com Autismo
Resumo: O presente artigo visa discorrer acerca dos percalços enfrentados por uma criança com Transtorno do Espectro Autista (TEA) em situação de Inclusão. O objetivo não é esgotar as nuances do tema, e sim, propor uma discussão crítica a respeito dessa realidade contemporânea, ao visar a Inclusão Escolar, a Legislação Brasileira, no que concerne os direitos da pessoa com deficiência e ainda, os direitos da pessoa com autismo, também deve ser colocada em pauta.
Palavras-chave: Autismo, Legislação Brasileira, Inclusão Escolar.
Não deixe de ver: 


Dificuldades da Educação Inclusiva para Crianças com Autismo

A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência N° 13.146, de julho de 2015 determina toda soma de direitos e particularidades da inclusão das pessoas com deficiências. Esta lei declara a pessoa com deficiência como a que possui entraves de longo prazo na dimensão física, mental, intelectual ou sensorial de modo a interferir negativamente no exercício pleno da cidadania e participação inclusiva em sociedade.
Os portadores do Transtorno do Espectro Autista (TEA) são considerados pessoas com deficiência para todos os efeitos legais, o que torna válido todos os direitos estabelecidos pela Convenção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, além do que foi legalizado com a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com TEA em 2012.
Toda essa organização do governo é necessária para integração real da criança com autismo na sociedade, mesmo com todas as limitações. O que é válido discutir é a aplicabilidade dessas legislações.
Dentre os diversos impasses que uma criança com autismo enfrenta em sua inserção social, a escola, além de ser a porta de entrada para o convívio social e aprendizado, pode ser também mais um obstáculo. Não se trata de enumerar os motivos, e sim, mencionar algumas possíveis contradições da prática inclusiva nas escolas.
É previsto por lei a participação plena e efetiva dos portadores de deficiência, com igualdade de condições em relação aos demais. Muitas vezes, as escolas partem do princípio de igualdade na educação infantil, mas deixam a desejar quando se trata de inclusão. Acreditam muitas vezes que ao oferecer ensino, recurso e procedimentos igualitários a todos os alunos estão a exercer seu papel. Sim! Isto é necessário, mas quando se trata de inclusão, é preciso ir além.
Oferecer ensino igualitário para crianças com desenvolvimento típico e autistas nas escolas, não irá atender as demandas específicas que as crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) precisam suprir. É preciso um exercício justo do ensino, ao aprimorar o sistema educacional de forma inclusiva, a fim de oferecer as crianças com autismo os recursos necessários para seu aprendizado.
Não significa uma adaptação desproporcional do ensino para atender a demanda dessas crianças, mas uma forma de tornar o arcabouço de conhecimento que a escola pode oferecer acessível a uma criança com autismo.
Uma criança com desenvolvimento típico pode ter necessidades especiais na escola, como alguma dificuldade a mais na alfabetização ou uma resistência à matemática, por exemplo. Essas situações vão exigir da escola uma atenção maior a esse aluno, além do que já foi oferecido igualmente aos demais alunos. Isso é justo, uma vez que se considera a dificuldade dessa criança em acompanhar os pares. Logo, a aprendizagem igualitária oferecida à classe não foi suficiente para o aprendizado dessa criança e exige medidas individuais da escola.
Quando nos referimos a uma criança com autismo essas medidas individuais podem ser ainda mais necessárias e remete a vários pontos estimulados na legislação.
A acessibilidade é uma condição sempre entrelaçada com as medidas inclusivas de uma escola, pois visa promover condições para que as crianças alcancem aquilo no qual tem dificuldades. Uma vez presente a dificuldade de aprendizado, a escola deve proporcionar os recursos necessários para facilitar o acesso a informação, a compreensão e participação das crianças. Ao incluir a criança com Transtorno do Espectro Autista (TEA) no ambiente escolar é preciso considerar suas dificuldades comportamentais, de interação e comunicação para que ela seja capaz de apreender aquilo que é ensinado.
São reconhecidos, inclusive por lei, a necessidade de adaptações que promovam a funcionalidade do ensino, recursos acessíveis e menos barreiras para a educação. Mas na prática, é trabalhoso e requer persistência dos profissionais envolvidos.
A não efetivação dessas particularidades envolve uma grande discussão. Os pais culpam a escola, a escola culpa os pais e/ou o sistema de ensino. O trabalho com crianças é um trabalho em equipe, que envolve efetivamente a família e os ambientes da criança, como a escola. A escola, despreparada para receber uma criança com autismo, talvez ao preocupar-se apenas em preencher estatisticamente os requisitos da lei, deixa a desejar na qualidade do ensino oferecido. Os pais, muitas vezes sem opções, sujeitam-se a aceitar equívocos do sistema escolar com receio do filho perder seu lugar na escola.
Cabe à escola se preparar para receber as crianças, capacitar-se para tal. Da mesma forma como planejam as aulas, os projetos, as competências a serem trabalhadas coletivamente, deve-se refletir sobre como a criança com Transtorno do Espectro Autista (TEA) terá acesso a tudo isso. Como ela poderá exercer seu direito de participação plena e efetiva naquele meio social, quais serão as adaptações e medidas necessárias para que ela consiga, junto com os demais, apreender aquilo que a escola pretende transmitir. Cabe a família, não renunciar aos direitos da criança e trabalhar junto para que eles sejam exercidos.
A legislação não deve ser o único motivo para que uma criança com autismo tenha acesso efetivo a educação. Deve ser um plano de fundo, para que as medidas sejam feitas e refeitas a cada necessidade.

SOBRE O AUTOR:

Débora Louyse Almeida Lapa - Graduanda em Psicologia. Experiência como acompanhante terapêutico de criança com o Transtorno do Espectro do Autismo em ambiente escolar.

REFERÊNCIAS:
BRASIL. Lei n° 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2015.
BRASIL. Lei n° 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3odo art. 98 da Lei     no 8.112,    de    11    de    dezembro    de    1990.    Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2015.
BRASIL. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Decreto Legislativo nº 186, de 09 de julho de 2008: Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. 4ª Ed., rev. e atual. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, 2010. 100p.

Fonte: https://psicologado.com/atuacao/psicologia-escolar/dificuldades-da-educacao-inclusiva-para-criancas-com-autismo 

COMENTE pelo Facebook:

Postagens Relacionadas

Próximo
Anterior

0 comentários:

Acompanhe !!

Conteúdo para Estudantes, Pais e Professores.

Exercícios, Atividades Educativas, Alfabetização infantil, Atividades Infantis, Atividades Lúdicas, Atividades para Imprimir, Atividades Pedagógicas, Atividades para Professores, Artesanato, Artigos Educacionais, Autismo, Berçário, Moldes para Imprimir, Datas comemorativas, Maternal, Folclore, Planos de Aula, Sequências Didáticas, Planos de Aula, Livros Infantis, Início Ano Letivo, Desenhos para colorir, Imagens Educativas, Notícias sobre os Vestibulares e Enem, Monografias e mais.