CONFIRA: LISTA COM 1000 ATIVIDADES PRONTAS PARA IMPRIMIR

A LENDA DA CONCHA COM INTERPRETAÇÃO DE TEXTO



Como é importante muita leitura e interpretação de texto para nossos alunos, escolhi essa “A lenda da concha” com interpretação de texto para trazer para vocês. Recomendo as atividades para alunos do 5º Ano.

A LENDA DA CONCHA

Há muito tempo que não chovia naquela terra. Estava tão quente e seco que as flores ficaram murchas, a erva tornara-se castanha e até mesmo as árvores grandes e fortes estavam a morrer. A água evaporou-se nos rios, os poços estavam secos e as fontes pararam de jorrar. As vacas, os cães, os cavalos, os pássaros e todas as pessoas tinham muita sede. Todos se sentiam incomodados e doentes. Nessa terra, havia uma menina cuja mãe ficara muito doente.
– Oh! Se eu pudesse encontrar um pouco de água para a minha mãe! Tenho a certeza de que ela ficaria bem outra vez. Preciso encontrar água!
A menina pegou então uma concha de lata e partiu à procura de água. Encontrou uma pequenina fonte no alto da encosta de uma montanha. A fonte estava quase seca. A água pingava, pingava muito devagar por debaixo da pedra. A menina pegou cuidadosamente na concha e tentou colher algumas gotas. Esperou muito, muito tempo até que a concha ficasse cheia de água. Começou então a descer a montanha segurando a concha com muita atenção, porque não queria derramar uma gota sequer.
Mas, no caminho, encontrou um pobre cãozinho que mal se arrastava. Arfava sofregamente à procura de ar, e tinha a língua pendurada de tão seca!
– Oh, pobre cãozinho! – disse a menina. – Está com muita sede. Eu não posso deixar-te sem um pouco de água. Se te der só um pouquinho, ainda sobrará um pouco para a minha mãe!
Então a menina pôs um pouco de água em sua mão e deu de beber ao cão. Ele bebeu a água bem depressa e sentiu-se tão bem que pulou e latiu como a dizer “Obrigado, menina”.
A menina não reparou, mas a sua concha de lata tinha-se transformado numa concha de prata e estava tão cheia de água quanto antes. Pensou na mãe e caminhou o mais depressa possível.
Chegou a casa ao final da tarde, quando já escurecia. A menina abriu a porta e correu para o quarto da mãe. Quando entrou no quarto, a velha empregada, que ajudava no serviço e trabalhara o dia inteiro sem descansar tomando  conta da doente, caminhou até à porta. Estava tão cansada e com tanta sede que nem conseguiu falar com a menina.
– Dá-lhe um pouco de água, minha filha! – disse a mãe. – Ela trabalhou o dia inteiro, e precisa mais de água do que eu.
A menina levou a concha aos lábios da velha empregada e esta bebeu um pouco de água. No mesmo instante, sentiu-se melhor e mais forte; caminhou até à sua senhora e conseguiu levantá-la. A menina não reparou que a concha se transformara em ouro e estava tão cheia de água quanto antes.
Então levou a concha aos lábios da mãe, que bebeu e bebeu… Oh, que bem sentiu a mãe! Quando terminou de beber, ainda havia um pouco de água na concha. A menina ia levá-la aos próprios lábios, quando ouviu bater à porta. A empregada foi abrir e lá estava um forasteiro muito abatido e coberto de poeira da estrada.
– Estou com sede – disse. – Podes dar-me um pouco de água?
A menina respondeu:
– Claro que sim, tenho a certeza de que precisa mais dela do que eu. Pode bebê-la toda!
O forasteiro sorriu e pegou na concha com as mãos; quando o fez, ela transformou-se numa concha de diamantes. Virou-a de cabeça para baixo e a água derramada infiltrou-se no chão. No lugar onde a água se infiltrou, surgiu uma fonte. Desde aquele momento a água fresca da fonte passou a dar de beber a todas as pessoas e a todos os animais daquela terra. Para sempre.
William J. Bennett
O Livro das Virtudes para Crianças
Rio de Janeiro, Ed. Nova Fronteira, 1997
(adaptação)
Glossário para entender melhor as palavras:
Concha: Colher grande, funda e de cabo comprido, geralmente usada para servir sopa ou outros alimentos líquidos (ex.: concha da sopa).
Forasteiro: Que é de fora, estrangeiro, peregrino, estranho.
Arfava: do verbo arfar.  Ofegar; respirar com dificuldade.
Sofregamente – Ávido de comer ou beber; que parece engolir o que come.Ansioso, desejoso, ávido.
  1. A menina procurava por água. Qual o motivo para a procura da menina?
  2. Depois que a menina encontrou a água no alto da encosta de uma montanha, quem ela encontrou pelo caminho e o que fez a menina?
  3. Ao chegar em casa, a menina encontrou a velha empregada, cansada e com sede. O que disse a mãe da menina para ela?
  4. Há um ditado que diz que “filho de peixe, peixinho é”. Esse ditado quer dizer que filhos e mães(ou pais) são parecidos. Esse ditado se aplicaria à história que você leu? Por quê?
  5. Após ler o texto que adjetivos você daria à menina?
  6. A menina também estava com sede, mas não bebeu água na história, pois quando ia beber, chegou alguém. Quem chegou? O que aconteceu?
  7. O forasteiro fez com uma fonte aparecesse no chão. Para você quem seria esse forasteiro e por que ele fez isso?
* É importante trabalhar com os alunos a virtude “solidariedade” através desse texto.

COMENTE pelo Facebook:

Postagens Relacionadas

Próximo
Anterior

0 comentários:

Acompanhe !!

Conteúdo para Estudantes, Pais e Professores.

Exercícios, Atividades Educativas, Alfabetização infantil, Atividades Infantis, Atividades Lúdicas, Atividades para Imprimir, Atividades Pedagógicas, Atividades para Professores, Artesanato, Artigos Educacionais, Autismo, Berçário, Moldes para Imprimir, Datas comemorativas, Maternal, Folclore, Planos de Aula, Sequências Didáticas, Planos de Aula, Livros Infantis, Início Ano Letivo, Desenhos para colorir, Imagens Educativas, Notícias sobre os Vestibulares e Enem, Monografias e mais.