CONFIRA: LISTA COM 1000 ATIVIDADES PRONTAS PARA IMPRIMIR

Exercícios de Redação



  • Questão 1
    1-      (Enem – 2008)
    São Paulo vai se recensear. O governo quer saber quantas pessoas governa. A indagação atingirá a fauna e a flora domesticadas. Bois, mulheres e algodoeiros serão reduzidos a números e invertidos em estatísticas. O homem do censo entrará pelos bangalôs, pelas pensões, pelas casas de barro e de cimento armado, pelo sobradinho e pelo apartamento, pelo cortiço e pelo hotel, perguntando:
    — Quantos são aqui?
    Pergunta triste, de resto. Um homem dirá:
    — Aqui havia mulheres e criancinhas. Agora, felizmente, só há pulgas e ratos.
    E outro:
    — Amigo, tenho aqui esta mulher, este papagaio, esta sogra e algumas baratas. Tome nota dos seus nomes, se quiser. Querendo levar todos, é favor... (...)
    E outro:
    — Dois, cidadão, somos dois. Naturalmente o sr. não a vê. Mas ela está aqui, está, está! A sua saudade jamais sairá de meu quarto e de meu peito!
    (Rubem Braga. Para gostar de ler. v. 3. São Paulo: Ática, 1998, p. 32-3 (fragmento).)
    O fragmento acima, em que há referência a um fato sócio-histórico — o recenseamento —, apresenta característica marcante do gênero crônica ao:
    a) expressar o tema de forma abstrata, evocando imagens e buscando apresentar a ideia de uma coisa por meio de outra.
    b) manter-se fiel aos acontecimentos, retratando os personagens em um só tempo e um só espaço.
    c) contar história centrada na solução de um enigma, construindo os personagens psicologicamente e revelando-os pouco a pouco.
    d) evocar, de maneira satírica, a vida na cidade, visando transmitir ensinamentos práticos do cotidiano, para manter as pessoas informadas.
    e) valer-se de tema do cotidiano como ponto de partida para a construção de texto que recebe tratamento estético.


  • Questão 2
    Leia, em primeira instância, o que nos diz o crítico literário Antônio Cândido acerca do gênero “crônica”:
    A crônica não é um “gênero maior”. Não se imagina uma literatura feita de grandes cronistas, que lhe dessem o brilho universal dos grandes romancistas, dramaturgos, e poetas. Nem se pensariam em atribuir o Prêmio Nobel a um cronista, por melhor que fosse. Portanto, parece mesmo que a crônica é um gênero menor.
    “Graças a Deus” – seria o caso de dizer, porque sendo assim ela fica perto de nós.
    Antônio Cândido
    Tendo em vista os conhecimentos de que dispõe a respeito de tal gênero, explicite suas considerações sobre o fragmento acima, levando em consideração as características que demarcam a modalidade em questão.


  • Questão 3
    Explicite seus conhecimentos acerca da crônica argumentativa.


  • Questão 4
    O texto que segue (fragmentos) é de autoria de Mário Prata. Lendo-o, procure responder ao que se pede:
    Na fila da liberdade
    [...]
    Pois foi numa dessas filas que o fato se deu.
    Era uma bela fila, de umas dez pessoas. E em supermercado, com aqueles carrinhos lotados, a gente ali olhando a mocinha tirar latinha por latinha, rolo por rolo de papel higiênico, aquela coisa que não tem fim mesmo. E naquela fila tinha um garotinho de uns dez anos, que existe apenas uma palavra para definir a figurinha: um pentelho. Como muito bem define o Houaiss: “pessoa que exaspera com sua presença, que importuna, que não dá paz aos outros”.
    Pois ali estava o pentelhinho no auge de sua pentelhação. Quanto mais demorava, mais ele se aprimorava. E a mãe, ao lado, impassível. Chegou uma hora que o garoto começou a mexer nas compras dos outros. Tirar leite condensado de um carrinho e colocar no outro. Gritava, ria, dava piruetas. Era o reizinho da fila. E a mãe, não era com ela.
    Na fila ao lado (aquela de velhos, deficientes e grávidas), tinha um casal de velhinhos. Mas velhinhos mesmo, de mãos dadas. Ali, pelos oitenta anos. A velhinha, não aguentando mais a situação, resolveu tomar as dores de todos e foi falar com a mãe. Que ela desse um jeito no garoto, que ela tomasse uma providência. No que a mãe, de alto e bom tom:
    -Educo meu filho assim, minha senhora. Com liberdade, sem repressão. Meu filho é livre e feliz. É assim que se deve educar as crianças hoje em dia.
    A velhinha ainda ameaçou dizer alguma coisa, mas se sentiu antiga, ultrapassada. Voltou para a sua fila. Só que não encontrou o seu marido, que havia sumido.

    Não demorou muito e voltou o marido com um galão de água de cinco litros e, calmamente, se aproximou da mãe do pentelho, abriu e entornou tudo na cabeça da mulher.
    -O que é isso, meu senhor?
    O velhinho colocou o vasilhame (que palavra antiga) no seu carrinho e enquanto a mulher esbravejava e o pentelho morria de rir, disse bem alto:
    -Também fui educado com liberdade!!!
    Foi ovacionado.
    Trata-se de uma narrativa, sem dúvida. Contudo, uma narrativa diferente das convencionais – o que nos atesta se tratar de uma crônica. Dessa forma, em se tratando do narrador, procure ressaltar o que compreendeu acerca desse importante elemento referente à modalidade em estudo:





Respostas


  • Resposta Questão 1
    Infere-se como alternativa adequada ao enunciado da questão a letra “E”,visto se tratar de um gênero que capta flagrantes da vida real e que, diante da habilidade do escritor, torna-se relatado de forma poética, podendo se apresentar desde a forma cômica até àquele texto que nos instiga a uma reflexão mais aprofundada.


  • Resposta Questão 2
    A afirmação desse renomado crítico parece relatar de forma contundente acerca dos traços que demarcam o gênero “crônica”, haja vista não se tratar de um romance, nem de um auto, tampouco de uma epopeia, mas sim de um texto curto, contendo poucos personagens, constituído de tempo e espaços limitados que, sobretudo, capta flagrantes da vida real, pitorescos até.  Dessa forma, ao afirmar que tal modalidade se situa “perto de nós”, ele quer justamente justificar a simplicidade (vista no bom sentido) desse tipo de texto, acessível e compreensível por qualquer leitor.
    voltar a questão

  • Resposta Questão 3
    Tendo em vista que a maioria das crônicas, geralmente veiculadas em jornais e revistas, limita-se a narrar de forma poética acerca de um acontecimento do cotidiano, a crônica argumentativa se mostra semelhante àqueles gêneros de cunho argumentativo, uma vez que apresenta uma tese, ou seja, uma ideia passível de discussão, quase sempre polêmica, e defende-a por meio de argumentos plausíveis. Dessa forma, constata-se que tal modalidade permite, também, a exposição das ideias promulgadas pelo emissor acerca de determinado assunto.


  • Resposta Questão 4
    Partindo do pressuposto de que numa crônica pode se constatar tanto a presença de um narrador-observador quanto de um narrador-personagem, ao lermos os presentes fragmentos, constatamos que se trata de alguém que observa os fatos de longe e os relata para o leitor. Nesse sentido, trata-se de um narrador-observador, até mesmo pela terminação das formas verbais.


COMENTE pelo Facebook:

Postagens Relacionadas

Próximo
Anterior

0 comentários:

Acompanhe !!

Conteúdo para Estudantes, Pais e Professores.

Exercícios, Atividades Educativas, Alfabetização infantil, Atividades Infantis, Atividades Lúdicas, Atividades para Imprimir, Atividades Pedagógicas, Atividades para Professores, Artesanato, Artigos Educacionais, Autismo, Berçário, Moldes para Imprimir, Datas comemorativas, Maternal, Folclore, Planos de Aula, Sequências Didáticas, Planos de Aula, Livros Infantis, Início Ano Letivo, Desenhos para colorir, Imagens Educativas, Notícias sobre os Vestibulares e Enem, Monografias e mais.